REGIÕES

ALIJÓ: ENCONTRADAS OSSADAS DO MOTORISTA DESAPARECIDO EM ACIDENTE NA A4

As ossadas encontradas em dezembro na zona de Casas da Serra, no concelho de Alijó, pertencem ao motorista que desapareceu após um acidente com um camião na Autoestrada 4 (A4), disse hoje fonte da Polícia Judiciária (PJ).

As ossadas foram encontradas em dezembro por um popular numa zona atingida por um incêndio, no verão, a cerca e “150 metros” do local onde ocorreu o acidente, em fevereiro de 2019. Antes do incêndio era uma zona muito arbustiva.

A fonte da PJ referiu que o Instituto de Medicina Legal terminou o relatório na quarta-feira e que foi confirmado que as ossadas pertencem ao motorista de 45 anos, natural do distrito de Braga.

O caso está a ser investigado pela Polícia Judiciária de Vila Real, não havendo, no entanto, indício da prática de crime, pelo que o processo deverá ser concluído em breve.

Em fevereiro de 2019, naquela zona da A4, localizada entre os nós do Pópulo e de Murça, perto de uma das saídas de emergência, desapareceu um camionista de 45 anos após um acidente com um camião.

Na altura, a GNR de Vila Real informou que quando os militares chegaram ao local encontraram o camião tombado na autoestrada, sem, no entanto, encontrarem indícios do condutor.

Aquela força policial disse que, de acordo com testemunhas e com as câmaras de videovigilância da A4, o homem saiu da autoestrada perto do local do acidente.

A GNR efetuou buscas nas imediações e nas aldeias próximas, com recurso a cães, e a militares do comando de Vila Real e do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS).

VEJA AINDA:

AVEIRO: UNIVERSIDADE ULTRAPASSA OS 500 CASOS DE COVID-19

Lusa

MOITA FLORES ACUSADO DE CORRUPÇÃO E BRANQUEAMENTO POR OBRA QUANDO FOI AUTARCA EM SANTARÉM

Lusa

COVID-19: PARLAMENTO NA MADEIRA COM NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À PANDEMIA

Lusa

MATOSINHOS: AUTARQUIA INVESTE 150 MIL EUROS NAS MESAS DE VOTO – PRESIDENCIAIS

Lusa

MADEIRA: INÍCIA HOJE RECOLHER OBRIGATÓRIO DEVIDO À PANDEMIA DE COVID-19

Lusa

COVID-19: PORTUGAL COM 57 CONCELHOS EM RISCO EXTREMO, MAIS DO DOBRO DA ANÁLISE ANTERIOR

Lusa