RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

ASSASSINO DE JFK DESVENDADO

ASSASSINO DE JFK DESVENDADOnbsp| RÁDIO REGIONAL

O assassinato de John F. Kennedy, em 1963, foi um trabalho interno, segundo confessou ao cineasta Oliver Stone um ex-membro da guarda presidencial que estava a morrer de cancro.

O homem, cuja identidade foi ocultada sob o pseudónimo de “Ron”, diz ter pertencido à guarda do presidente norte-americano, e afirma que alguém da sua própria equipa tinha disparado contra Kennedy, relata o Daily Mail.

Nas palavras do próprio Ron, o tiro fatal terá sido “um trabalho interno” de um atirador do grupo de seguranças encarregados de proteger o perímetro.

Oliver Stone terá sido contactado por Ron através de cartas, em 1991, depois de o realizador ter dirigido o filme “JFK” – película na qual o consagrado cineasta defende que o assassinato de Kennedy tinha resultado de uma conspiração do governo.

Stone adiantou que inicialmente estava cético, devido às inúmeras teorias da conspiração que têm surgido desde que Kennedy foi morto com dois tiros enquanto viajava numa limusina aberta.

John F. Kennedy foi presidente dos EUA desde 1961 até à sua morte, em 1963, em Dallas.

O ex-fuzileiro naval Lee Harvey Oswald foi preso e acusado do assassinato do presidente, mas foi morto dois dias depois, em frente às câmaras de televisão, por Jack Ruby.

Na altura, os investigadores concluíram que Oswald agiu sozinho no atentado – mas ainda hoje, passados 50 anos, não há certezas acerca da real autoria do atentado.

A confissão de Ron vai ser revelada na íntegra por Matt Zoller Seitz, autor do livro “The Oliver Stone Experience”, que será publicado em Setembro.

Vê aqui o vídeo do assassinato de JFK:

VEJA AINDA:

AUMENTO DA PORNOGRAFIA DE MENORES FEZ DISPARAR INQUÉRITOS SOBRE CRIMES SEXUAIS

Lusa

GUARDA: JUDICIÁRIA DETÉM SETE SUSPEITOS DE TRÁFICO DE ESTUPEFACIENTES

Lusa

EX-JUIZ JULGADO E CONDENADO A 15 MESES DE PRISÃO POR VÁRIOS CRIMES

Lusa

FIFA REÚNE-SE COM SELECIONADORES PARA DISCUTIR CALENDÁRIO E MUNDIAL DE DOIS EM DOIS ANOS

Lusa

PARLAMENTO DISCUTE ALARGAMENTO DO PRAZO DE PRESCRIÇÃO DOS CRIMES SEXUAIS CONTRA CRIANÇAS

Lusa

MAIA: O REELEITO ANTÓNIO SILVA TIAGO PODERÁ NÃO ACABAR O MANDATO

Lusa