ECONOMIA & FINANÇAS

BRUXELAS TRAÇA UM CENÁRIO ECONÓMICO ‘NEGRO’ PARA PORTUGAL

A Comissão Europeia agravou hoje as suas previsões económicas para Portugal este ano face aos choques da covid-19, estimando agora uma contração de 9,8% do PIB, muito acima da anterior projeção de 6,8% e da do Governo, de 6,9%.

Nas previsões intercalares de verão hoje divulgadas, o executivo comunitário reviu em baixa as projeções macroeconómicas, já sombrias, da primavera para o conjunto da zona euro e da UE, mas mostra-se particularmente mais pessimista relativamente a Portugal, ao agravar a projeção de recessão em três pontos percentuais, apenas parcialmente compensada em 2021 com um crescimento de 6,0% (neste caso ligeiramente mais otimista do que os 5,8% antecipados na primavera).

O executivo comunitário espera então agora uma contração em Portugal acima da média da zona euro (-8,7%) e da UE (-8,3%), quando há dois meses estimava que ficasse abaixo, ao antecipar uma queda da economia portuguesa de 6,8%, contra 7,7% no espaço da moeda única e 7,6% no conjunto dos 27 Estados-membros.

“Com o confinamento a começar a diminuir em maio, a atividade económica está lentamente a retomar, mas para muitas empresas, tais como companhias aéreas e hotéis, é expectável que a mesma permaneça bem abaixo dos níveis registados antes da pandemia durante um longo período. O PIB deverá assim recuar 9,8% em 2020, antes de recuperar em torno dos 6% em 2021”, aponta a Comissão, que adverte ainda para riscos sobretudo para o lado negativo, “devido ao forte impacto do turismo estrangeiro”, setor “onde as incertezas no médio prazo permanecem significativas”.

VEJA AINDA:

REGUENGOS DE MONSARAZ: LAR NÃO CUMPRIA AS ORIENTAÇÕES DA DGS – INQUÉRITO

Lusa

CRISE: EMPRESAS PODEM A PARTIR DE HOJE PEDIR APOIO À RETOMA DA ATIVIDADE

Lusa

TORRES VEDRAS: NÚMERO DE CASOS POSITIVOS COVID-19 EM LAR AUMENTA PARA 72

Lusa

CRISE: PANDEMIA AGRAVOU A ‘PRECARIZAÇÃO’ DO JORNALISMO

Lusa

PORTO: SOBE PARA 8 NÚMERO DE INTERNADOS DEVIDO A FOCO NA RESIDÊNCIA SÉNIOR MONTEPIO

Lusa

PANDEMIA AGRAVOU SITUAÇÕES DE DEPRESSÃO E PERTURBAÇÕES ALIMENTARES NOS JOVENS

Lusa