REGIÕES

CHAVES: MAU TEMPO PROVOCA DANOS MATERIAIS

O presidente da Câmara de Chaves disse que hoje é dia de limpeza e de contabilização dos estragos provocados pela chuva “muito intensa e queda de granizo” que afetaram o concelho e provocaram inundações e quedas de muros.

Nuno Vaz afirmou que, por volta das 22:00 de quinta-feira, Chaves foi assolada por “por uma chuva intensa, acompanhada de granizo, que provocaram inúmeras inundações no hospital, no centro de saúde número dois, em clínicas veterinárias e muitas em lojas comerciais.

“Foi uma hora muito intensa e preocupante porque havia rios de água a correr em muitas das ruas da cidade”, descreveu à agência Lusa.

Nuno Vaz referiu ainda que, junto ao Ribelas, uma linha de água que subiu significativamente, houve também carros que ficaram parcialmente submersos, e que se verificaram situações de quedas de muros de suporte.

Há ainda o registo de caves inundadas, garagens afetadas e de situações em que a água da chuva entrou pelos tetos dos edifícios de habitação.

O autarca destacou a “rápida intervenção” das duas corporações de bombeiros da cidade que ajudaram a drenar a água das vias públicas e resolveram, num curto espaço de tempo, situações como a da urgência do hospital ou do centro de saúde.

“Hoje é dia de limpeza das lamas dos edifícios afetados e das ruas, de sinalização de estragos que não podem ser imediatamente reparados e de identificar pormenorizadamente os estragos e avaliar os prejuízos”, frisou.

Nuno Vaz referiu que espera ainda um relatório por parte das juntas de freguesias sobre a situação no concelho, nomeadamente no que diz respeito aos estragos na agricultura que poderão ter sido provocados pelas “pedras de granizo de grande dimensão, que acompanharam a chuva”.

Na fotografia, Nuno Vaz, Presidente da Câmara Municipal de Chaves.

VEJA AINDA:

ALFÂNDEGA DA FÉ: NÃO HÁ REGISTO DE NOVOS CASOS COVID-19 NAS ESCOLAS

Lusa

VILA VIÇOSA: 14 INFETADOS COM COVID-19 NOS SERVIÇOS DA MISERICÓRDIA

Lusa

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes