Ligue-se a nós

DESPORTO

PAÇOS DE FERREIRA DESPEDE-SE DOS JOGOS EM CASA COM VITÓRIA (VÍDEO)

O ‘despromovido’ Paços de Ferreira despediu-se hoje dos jogos em casa esta época na I Liga com um triunfo por 3-1 frente ao Rio Ave, em jogo da 33.ª e penúltima jornada do campeonato.

Online há

em

O ‘despromovido’ Paços de Ferreira despediu-se hoje dos jogos em casa esta época na I Liga com um triunfo por 3-1 frente ao Rio Ave, em jogo da 33.ª e penúltima jornada do campeonato.

Já ‘condenados’ à descida à II Liga, os pacenses impuseram-se com golos de Nigel Thomas, aos 34 segundos, Aderllan Santos, na própria baliza, aos 48, e Guedes, de grande penalidade, aos 85. Patrick William, aos três, fez o golo dos visitantes.

O Paços de Ferreira abandona o último lugar, por troca com o Santa Clara, ao somar 23 pontos, mais um do que os açorianos, enquanto o Rio Ave regista o terceiro jogo sem vencer, e é 12.º, com 39.

Fonte: Vídeo Sport TV

DESPORTO

FC PORTO: DEZENAS DE ADEPTOS RECEBERAM OS “DRAGÕES” EM FESTA

Cerca de duas dezenas de adeptos receberam hoje em euforia, no Estádio do Dragão, a equipa do FC Porto, que no domingo conquistou a Taça de Portugal de futebol, depois de vencer o Sporting por 2-1, após prolongamento.

Online há

em

Cerca de duas dezenas de adeptos receberam hoje em euforia, no Estádio do Dragão, a equipa do FC Porto, que no domingo conquistou a Taça de Portugal de futebol, depois de vencer o Sporting por 2-1, após prolongamento.

O autocarro com a equipa portista só chegou ao estádio às 05:20, mas os adeptos mais resistentes fizeram questão de ainda estar presentes.

Depois de longas horas de espera — muitos começaram a juntar-se perto do estádio logo após o apito final do jogo, pelas 20:00 — a comitiva portista, jogadores e equipa técnica foram recebidos com cânticos, palmas e muitas palavras de incentivo.

O treinador Sérgio Conceição, que têm o futuro incerto e já referiu que nesta semana vai divulgar se vai ou não continuar ao comando nos ‘dragões’, também foi alvo dessas palavras de apoio. Muitos adeptos pediram ao treinador, que termina agora a sétima época ao serviço FC Porto, para continuar.

Antes de chegar ao Dragão, o FC Porto fez duas paragens durante a viagem entre Lisboa e Porto. Na primeira paragem, o grupo fez uma visita ao Santuário de Fátima, seguindo-se uma outra paragem na Mealhada, para jantar.

Ao jantar, a equipa encontrou-se com o ex-presidente Pinto da Costa e só abandonou o local por volta das 04:30, seguindo depois para o Estádio do Dragão.

LER MAIS

DESPORTO

PRIMEIRA LIGA: BILHETES, HORÁRIOS E DISTÂNCIAS AFASTAM ADEPTOS DOS ESTÁDIOS

O preço da quota de associado de clube, os horários dos jogos e a distância para os estádios da I Liga portuguesa de futebol são fatores dissuasores para adeptos em Portugal, conclui um estudo da Universidade do Minho.

Online há

em

O preço da quota de associado de clube, os horários dos jogos e a distância para os estádios da I Liga portuguesa de futebol são fatores dissuasores para adeptos em Portugal, conclui um estudo da Universidade do Minho.

O artigo “Porque estão os estádios vazios em Portugal?”, publicado na Soccer & Society em fevereiro, é “uma radiografia feita pelos adeptos” das condições dos estádios do futebol profissional no masculino em Portugal, mais concretamente na I Liga, publicado por Ângela Monteiro, em trabalho de mestrado, e Paulo Reis Mourão.

Entre as principais conclusões, pode ler-se no trabalho, está o peso na decisão do adepto do preço dos bilhetes, os “horários a que as partidas são realizadas, e a distância das viagens de ida e volta dos estádios”, bem como “as quotas de sócio e as vantagens que os clubes oferecem, datadas para os dias de hoje”.

O valor da quota de sócio, que fica “em termos relativos mais caro em Portugal do que em muitos outros campeonatos”, dificulta a adesão, não só nos campeonatos profissionais como abaixo disso, nota o especialista Paulo Reis Mourão, em entrevista à Lusa.

“Temos, de facto, quotas caras, face ao rendimento médio do português, como também temos bilhetes caros face ao rendimento médio”, alerta o investigador.

Segundo Paulo Reis Mourão, este facto, bem como a distância em termos de receitas dos clubes excetuando transferências dos clubes portugueses para o resto da Europa, mostra “um grande desequilíbrio do futebol profissional a nível europeu”, um desequilíbrio “depois reproduzido internamente”.

“O trabalho em si permitiu verificar isso, uma ‘décalage’ nas quotas e o valor alto dos bilhetes, isto face ao rendimento médio no país. Mostra que, quando temos um estádio cheio em Portugal, esses adeptos fizeram um esforço maior perante o rendimento nacional do que se tivessem remunerações alemãs a ver um jogo alemão”, analisa.

Os horários, que são valorizados na vertente da transmissão televisiva, fazem com que a estratégia se delineie “sem pensar no adepto que tem família, que trabalha no dia seguinte”, o que é “somado à distância, com os adeptos a fazer dezenas ou centenas de quilómetros para ver um jogo”, o que comporta custos e gasto de tempo.

“Perguntávamos aos respondentes o que gostariam de ter nos jogos para complementar ou tornar o preço menos caro e referiam a possibilidade de ter refeições nos estádios, oferecidas, o parqueamento assegurado, confortável e seguro, mas também os descontos em marcas ou produtos ao longo da semana a partir do bilhete pago”, elenca Paulo Reis Mourão, como sugestões.

O investigador explica que a radiografia da situação permite “refletir em novas formas de negócio que os clubes podem gerar, de forma a tornar o produto como é o jogo de futebol profissional mais interessante para o adepto do século XXI”.

Esta questão leva a uma expectativa, legítima segundo os investigadores, de que a filiação ou associação entre a pessoa e uma agremiação desportiva “lhe proporcione ganhos de vária ordem, como descontos, ‘vouchers’, confortos durante o jogo para si e a família”.

“O adepto, para lá do bilhete, o custo primário, gasta em média mais 15 a 20 euros noutras despesas associadas. O adepto não está disposto a pagar muito mais. O adepto português já se sente exausto em termos de capacidade de despesa quando vai a um estádio de futebol”, aponta Paulo Reis Mourão.

Olhando para a frente, há “algumas pistas” que saltam do artigo, a começar pela necessidade de Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) “olharem para modelos de negócio, que estimulem junto dos clubes, que possibilitem uma oferta alargada” ao adepto.

“O adepto, no século XXI, tem exigências diferente do do século XX. Valoriza poder perceber que o clube o ajuda com alguns gastos primários, nomeadamente a alimentação ou o merchandising, que o adepto não tem de ficar com essa despesa sob o seu ónus”, explica o investigador.

Segundo o docente universitário, a ligação entre clubes “e a economia envolvente” e os descontos em rede, mas também a comunicação mais eficiente das suas parcerias, são aspetos a trabalhar.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS