NACIONAL

DIRETORES ESCOLARES CRITICAM ‘NÃO DECISÃO’ DE FECHAR ESTABELECIMENTOS

O presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) criticou hoje a “não decisão” da Direção-Geral da Saúde de encerrar as escolas casuisticamente, alertando para o perigo de disseminação do vírus que poderá obrigar “a decisões fundamentalistas”.

O Conselho Nacional de Saúde Pública (CNSP) recomendou hoje que só devem ser encerradas escolas públicas ou privadas por determinação das autoridades de saúde, uma posição saudada pela diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, que confirmou que o encerramento será feito de forma casuística “analisando o risco, caso a caso, situação a situação”.

Para o presidente da Associação Nacional de Dirigentes Escolares, Manuel Pereira, o anúncio feito hoje é “uma não decisão”.

“Eu acho que provavelmente não estão a tomar as decisões mais corretas atendendo à gravidade da situação”, disse Manuel Pereira, lembrando as conversas recentes com professores italianos que têm defendido que a situação no seu país poderia ser diferente se tivessem sido tomado medidas mais cedo.

À Lusa, Manuel Pereira recordou os apelos feitos por colegas italianos: “O que sistematicamente me dizem é que ´é preciso que em Portugal não cometam os mesmos erros que cometemos em Itália. É preciso não esperar que a situação fique incontrolável para tomar decisões mais fundamentalistas´. E o que está a acontecer é que aqui em Portugal corremos o risco de estar a tomar decisões caso a caso”.

Com o anúncio de casos de alunos e professores infetados durante o fim-de-semana, o presidente da ANDE defendeu a antecipação em duas semanas das férias da Pascoa, que estão marcadas para o final do mês. A ideia não foi recusada pelo primeiro-ministro, que remeteu uma decisão para o CNSP.

Hoje, ao final da noite, foi anunciado que a situação se iria manter inalterada: “Em cada região, as autoridades de saúde analisam a situação concreta de cada escola”, defendeu Graça Freitas.

O representante dos diretores escolares lembrou que existem atualmente “duas pandemias” em Portugal: “A pandemia provocada pelo vírus e a pandemia provocada pelo medo” que, na sua opinião, pode ser tão grave como outras pandemias.

Manuel Pereira disse que já existe uma “a situação de pânico” nas escolas e que os primeiros sintomas de medo começam já a revelar-se um pouco por todo o país.

“Em muitas escolas do pais, muitos alunos não vieram à escola por opção clara dos encarregados de educação que optaram por tomar decisões contingenciais em relação”, afirmou.

O presidente disse ainda que existe “uma situação de alarme e de muita intranquilidade na comunidade educativa”.

Para Manuel Pereira a decisão de antecipar em duas semanas as férias da pascoa seria uma forma de tentar quebrar a cadeia de transmissão do novo coronavírus e de acalmar a população, porque este não é apenas um problema das escolas mas “de todo o país”.

VEJA AINDA:

COVID-19: MÉDICOS DE SAÚDE PÚBLICA ‘PREOCUPADOS’ COM A MORTALIDADE EM PORTUGAL

Lusa

CRISE: RECUPERAÇÃO DA ECONOMIA SERÁ MAIS LENTA EM PORTUGAL

Lusa

AVEIRO: UNIVERSIDADE ULTRAPASSA OS 500 CASOS DE COVID-19

Lusa

COVID-19: MARCELO ADMITE QUE PERÍODO DE CONFINAMENTO DURE ATÉ MARÇO

Lusa

PRESIDENCIAIS: VOTO VAI SER RECOLHIDO EM LARES, MAS IDOSOS TÊM DE SE INSCREVER NA PLATAFORMA DO VOTO ANTECIPADO

Lusa

COVID-19: PARLAMENTO NA MADEIRA COM NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À PANDEMIA

Lusa