RÁDIO REGIONAL
CIÊNCIA & TECNOLOGIA

ESTUDO INDICA QUE VÍRUS DA HEPATITE B JÁ CIRCULA HÁ MILÉNIOS ENTRE OS HUMANOS

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O vírus da hepatite B (HBV) já circula entre os humanos há pelo menos 10.000 anos, avança um estudo do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana com contribuições de investigadores de todo o mundo.

O estudo, publicado hoje na revista Science, assentou na análise dos genomas do vírus – que é atualmente responsável por perto de um milhão de mortes por ano – presentes em vestígios de 137 antigos habitantes da região da Eurásia e nativos americanos datados de entre há 10.500 anos até há 400 anos e analisou a evolução do HBV e as vias de disseminação, que acompanham rotas de migrações humanas.

Os investigadores concluíram que o HBV já estaria presente em grande parte da Europa antes da expansão da agricultura. “Pensa-se que muitos agentes patogénicos humanos surgiram após a introdução da agricultura, mas o HBV já estava claramente a afetar populações de caçadores recoletores pré-históricos”, referiu Johannes Krause, diretor do Departamento de Arqueogénese do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva e um dos supervisores do estudo, citado num comunicado do instituto sobre a investigação.

Após a transição para o período Neolítico (entre 10.000 e 3.000 anos antes de Cristo) na Europa, as estirpes do HBV transportadas pelos caçadores recoletores foram substituídas por novas variantes com a dispersão dos primeiros agricultores na região, sendo que estas estirpes prevaleceram na Eurásia ocidental durante aproximadamente 4.000 anos.

Os investigadores detetaram uma queda inesperada da diversidade do vírus durante o segundo milénio a.C., que coincidiu com o colapso de algumas das maiores civilizações, e as antigas estirpes de HBV recuperadas na Eurásia ocidental após este período pertenceram a novas linhagens virais que ainda hoje prevalecem na região.

Contudo, o estudo indica que uma variante ligada à anterior diversidade pré-histórica do vírus na região conseguiu resistir até aos dias de hoje, evoluindo para um genótipo raro, que, por razões que ainda não são compreendidas, emergiu de novo na altura da disseminação do HIV.

Paralelamente, a investigação incidiu também sobre o continente americano, com Denise Kühnert, líder do grupo de pesquisa e igualmente supervisora do estudo, a notar que os dados recolhidos “sugerem que todos os genótipos conhecidos do HBV descendem de uma linhagem que infetou os antepassados dos primeiros americanos e os seus parentes eurasiáticos mais próximos na altura em que estas populações divergiram”.

A população nativa americana apresenta uma predominância de dois dos nove genótipos das atuais estirpes do HBV e o estudo realizado aponta provas de descendência de uma linhagem do vírus que divergia em torno do final do período Pleistoceno (também conhecida por Idade do Gelo) e foi transportada por alguns dos primeiros habitantes das Américas.

VEJA AINDA:

PORTUGUESES CONSOMEM EM MÉDIA DUAS VEZES MAIS CALORIAS DO QUE O RECOMENDANDO

Lusa

MAIS DE 190 MÉDICOS SOLIDÁRIOS COM DIRETORES DEMISSIONÁRIOS DO CENTRO HOSPITALAR DE SETÚBAL

Lusa

ESTUDO DA UNIVERSIDADE DO MINHO DEFENDE A LEGALIZAÇÃO DA PROSTITUIÇÃO

Lusa

COVID-19: CERCA DE METADE DOS RECUPERADOS APRESENTAM SINTOMAS DE ‘COVID LONGA’

Lusa

MÉDICOS AVANÇAM PARA GREVE DE TRÊS DIAS EM NOVEMBRO

Lusa

MÉDICOS DA URGÊNCIA METROPOLITANA DE PSIQUIATRIA DO PORTO DEMITEM-SE EM BLOCO

Lusa