Ligue-se a nós

DESPORTO

FC PORTO VENCE A 23ª SUPERTAÇA FRENTE AO DESPROMOVIDO CD TONDELA

O FC Porto conquistou hoje pela 23.ª vez, em 44 edições, a Supertaça Cândido de Oliveira em futebol, ao vencer o estreante Tondela, da II Liga, por 3-0, no Estádio Municipal de Aveiro.

Online há

em

blank

O FC Porto conquistou hoje pela 23.ª vez, em 44 edições, a Supertaça Cândido de Oliveira em futebol, ao vencer o estreante Tondela, da II Liga, por 3-0, no Estádio Municipal de Aveiro.

O iraniano Taremi, aos 30 e 82 minutos, e o brasileiro Evanilson, aos 33, marcaram os golos dos portistas, campeões nacionais em título e detentores da Taça de Portugal.

Os ‘azuis e brancos’ somaram o terceiro troféu sob o comando de Sérgio Conceição, que igualou o recordista Artur Jorge, e a 25.º vitória consecutiva dos ‘grandes’, sendo que, com 23 troféus, fugiram ainda mais a Sporting (nove) e Benfica (oito).


Como em 22 de maio, no Jamor, na final da Taça de Portugal, o iraniano Taremi voltou a ser a figura do jogo e a ‘bisar’, aos 30 e 82 minutos, sendo que participou ainda no outro golo, com um remate ao ‘ferro’ que Edmilson emendou, aos 33.

Face a um conjunto que caiu na II Liga e está impedido de inscrever novos jogadores, a vitória portista era ‘obrigatória’ e aconteceu com toda a naturalidade, tal a sua supremacia, bem visível durante todo o encontro e que só não teve outros números por culpa do guarda-redes tondelense Niasse.

Num embate em que estreou o reforço brasileiro Gabriel Veron, que entrou apenas aos 87 minutos, o treinador Sérgio Conceição abriu, assim, a sua sexta época no Dragão com o sétimo título e terceira Supertaça, registos que igualam os do recordista Artur Jorge.

O FC Porto entrou com uma grande novidade, na presença de Danny Loader – somou apenas dois jogos, como suplente utilizado, na equipa principal na época passada -, que atuou nas costas dos pontas de lança Taremi e Evanilson.

Completaram o ‘onze’ o guarda-redes Marchesín, que estará de partida para o Celta de Vigo, os defesas João Mário, Pepe, Marcano e Zaidu e os médios Uribe, mais recuado, Grujic e Pepê.

Por seu lado, o Tondela começou com Tiago Almeida e Khacef nas laterais e Jota, Marcelo e Manu Hernando como centrais, à frente de Niasse, Iker Undabarrena e Pedro Augusto como médios mais defensivos e Arcanjo e Bebeto a tentarem apoiar Daniel dos Anjos.

O conjunto da II Liga, que procurava transformar o ’5-4-1’ em ‘3-4-3’, para atacar, deu o primeiro sinal de perigo, logo aos três minutos, num livre de Arcanjo que ninguém desviou, com o mesmo jogador a atirar para Marchesín segurar, aos oito.

Estes dois lances foram, porém, exceções, já que o FC Porto assumiu o comando do jogo desde o início e, mesmo sem impor um ritmo elevado, foi acumulando oportunidades e fazendo de Babacar Niasse a figura do encontro.

O guarda-redes nascido no Senegal e também com nacionalidade mauritana negou o golo a Danny Loader, aos seis e 29 minutos, a Evanilson, aos 10 e 26, e a Uribe, aos 27, para ‘desespero’ dos adeptos do FC Porto, em esmagadora maioria nas bancadas.

O golo, que parecia desde o início nada mais do que uma questão de tempo, acabou por acontecer, inevitavelmente, aos 30 minutos: no sexto canto para os ‘dragões’, João Mário marcou à esquerda, Evanilson desviou de cabeça ao primeiro poste e, ao segundo, Taremi apareceu sozinho para inaugurar o marcador.

A vantagem mínima só durou três minutos, já que, aos 33, Taremi ‘furou’ por entre os centrais tondelenses e atirou ao poste esquerdo, com Evanilson a chegar mais rápido à recarga e a apontar o segundo, para exasperação de Niasse.

O jogo pareceu, claramente, ficar resolvido, sendo que, até ao intervalo, o FC Porto ainda poderia ter chegado ao terceiro, novamente por Loader, que, em boa posição, rematou fraco para a defesa fácil de Niasse, após assistência de Grujic.

Os ‘dragões’ também tiveram a noção de que não precisavam de fazer muito mais, o que, perante um Tondela incapaz de sequer assustar, transformou a segunda parte numa ‘interminável’ monotonia, sempre comandada pelos campeões nacionais.

Depois de uma tentativa falhada de ‘chapéu’ de Danny Loader, aos 49 minutos, o lance seguinte verdadeiramente empolgante só aconteceu aos 82, quando, lançado por Pepê, Taremi se desviou dos defesas e voltou a bater Niasse com um remate colocado.

Até ao final, destaque para a entrada do ‘menino’ Gabriel Veron (ex-Palmeiras), que foi para o campo aos 87 minutos e, aos 90+2, quase cumpria uma estreia de sonho, o que não aconteceu porque o seu cabeceamento saiu pouco ao lado do poste direito.

DESPORTO

MUNDIAL 2022: A VITÓRIA SOFRIDA DE PORTUGAL SOBRE O GANA (3-2)

Portugal entrou hoje a vencer no Mundial2022 de futebol, por 3-2, diante do Gana, mas, depois de dois minutos de absoluta eficácia, quase permitiu que duas desatenções estragassem a estreia no Grupo H.

Online há

em

blank

Portugal entrou hoje a vencer no Mundial2022 de futebol, por 3-2, diante do Gana, mas, depois de dois minutos de absoluta eficácia, quase permitiu que duas desatenções estragassem a estreia no Grupo H.

Cristiano Ronaldo adiantou a seleção portuguesa de penálti, aos 65 minutos, tornando-se no primeiro futebolista a marcar em cinco mundiais, só que o experiente André Ayew repôs a igualdade, aos 73, antes de João Félix, aos 78, e Rafael Leão, aos 80, praticamente consumarem a vitória lusa.

Contudo, Bukari, aos 89 minutos, devolveu a esperança aos ganeses, que quase chegaram ao empate nos derradeiros momentos do encontro, mas Iñaki Williams foi incapaz de aproveitar uma distração nada comum em Diogo Costa e viu ‘fugir’ uma oportunidade de ‘ouro’.

Portugal, que volta a entrar em campo na segunda-feira, frente ao Uruguai, alcançou, assim, a vitória na estreia no Campeonato do Mundo, algo que não acontecia desde 2006, quando um golo do ‘açor’ Pauleta ‘derrotou’ Angola (1-0), no arranque do Mundial da Alemanha.

A formação comandada por Fernando Santos lidera o Grupo H, com três pontos, à frente de Coreia do Sul, treinada por Paulo Bento, e Uruguai, ambos com um ponto, depois do ‘nulo’ que registaram hoje. O Gana é último da ‘poule’, sem pontos.

As dúvidas que poderiam persistir sobre a condição ideal de Pepe para a estreia ficaram dissipadas quando se soube que Rúben Dias teria como companheiro de eixo defensivo Danilo, o mesmo sucedendo do lado esquerdo, tendo em conta que Nuno Mendes nem foi ao banco de suplentes e permitiu a titularidade de Raphaël Guerreiro.

No resto, Fernando Santos fez o que era expetável, juntando João Félix a Bruno Fernandes (50.º jogo pela seleção) e Bernardo Silva no apoio a Cristiano Ronaldo, enquanto Otávio e Rúben Neves protegiam as ‘costas’ do quarteto ofensivo e ajudavam a ‘libertar’ os laterais Cancelo e Guerreiro.

Na verdade, eram mesmo esses os únicos jogadores que tentaram o jogo exterior, numa equipa repleta de médios e avançados que procuram ter a bola no pé e que ‘afunilam’ qualquer estratégia. No entanto, se Cancelo gosta de explorar a linha, Guerreiro é um lateral mais de toque e sem a ‘explosão’ de Nuno Mendes.

Apesar da enorme oportunidade que Otávio ofereceu a Cristiano Ronaldo, o capitão demonstrou estar algo preso de movimentos e a receção — outrora decisiva nos mais de 700 golos que tem na carreira — apenas contribuiu para a saída eficaz do guarda-redes ganês.

Ronaldo voltaria a tentar, sem sucesso, de cabeça, e Félix estava sem pontaria para alvejar a baliza de Ati, sendo cada vez mais notória a incapacidade lusa para ‘furar’ o bloco ganês, fosse em triangulações, fosse em lances de 1×1.

Fernando Santos tinha prometido, na véspera, uma equipa muito dinâmica, mas nada disso se viu no relvado do Estádio 974. Foi, aliás, o oposto: uma formação sem sequer um ‘fogacho’ de criatividade ou capacidade desequilibradora, muito lenta nas ações, o que a levou a insistir inúmeras vezes em cruzamentos de três quartos do campo.

Tão conhecida pelos inúmeros extremos de valor que foi formando, a ‘escola’ portuguesa apresentou-se no Qatar sem qualquer jogador verdadeiramente de linha e isso fez-se notar neste jogo.

Quando o rapidíssimo Kudus ‘desbravou’ caminho no segundo tempo e ficou a centímetros de inaugurar o marcador, ‘ecoaram’ alertas por toda a equipa lusa, que acabaria por ser tranquilizada com uma grande penalidade assinalada pelo árbitro Ismail Elfath.

Ronaldo foi derrubado por Salisu dentro da grande área e ele próprio rematou com sucesso da marca dos 11 metros, adiantando a seleção nacional, só que o Gana tem uma ‘pérola’ em ‘mãos’, Mohammed Kudus. O jogador do Ajax ameaçou Diogo Costa, primeiro, e logo de seguida fugiu a Cancelo para oferecer o empate a André Ayew.

Foi precisamente a partir deste momento que Portugal ‘despertou’ e se lançou para um triunfo que parecia estar a escapar-se, tudo graças à visão, capacidade de passe e inteligência de Bruno Fernandes em dois lances separados por dois minutos.

João Félix aproveitou a ‘oferta’ do médio e não perdoou no ‘cara a cara’ com Ati, tal como Rafael Leão, que, lançado três minutos antes, finalizou com enorme ‘classe’ e assegurou uma vantagem confortável para a equipa das ‘quinas’.

Quando parecia que o encontro estava decidido, os ganeses ainda foram buscar forças para relançar os minutos finais, beneficiando também da noite desastrosa de João Cancelo, que, depois de ter sido ultrapassado no primeiro golo, voltou a facilitar e permitiu que a bola fosse cruzada para o cabeceamento certeiro de Bukari.

O ‘susto’ esteve perto de se tornar em ‘pesadelo’ no derradeiro lance da partida, numa distração quase cómica de Diogo Costa: o guarda-redes não reparou que Iñaki Williams estava nas suas costas, colocou a bola no chão e foi surpreendido pelo avançado, que só não fez o empate porque acabou por escorregar.

LER MAIS

DESPORTO

MUNDIAL 2022: PORTUGAL SOFREU MAS VENCEU O GANA NA ESTREIA

A seleção portuguesa estreou-se hoje no Mundial do Qatar, com um triunfo por 3-2 sobre o Gana, em encontro da primeira jornada do Grupo H, no Estádio 974, em Doha.

Online há

em

blank

A seleção portuguesa estreou-se hoje no Mundial do Qatar, com um triunfo por 3-2 sobre o Gana, em encontro da primeira jornada do Grupo H, no Estádio 974, em Doha.

Cristiano Ronaldo, aos 65 minutos, de penálti, João Félix, aos 78, e Rafael Leão, aos 80, apontaram os tentos da formação das ‘quinas’, enquanto André Ayew, aos 73, e Osman Bukari, aos 89, faturaram para os africanos.

No primeiro jogo do agrupamento, Coreia do Sul, comandada pelo treinador português Paulo Bento, e Uruguai empataram sem golos, pelo que Portugal, que na segunda-feira enfrenta os sul-americanos, já lidera isolado o grupo, com três pontos.


VEJA AINDA: MUNDIAL 2022: PORTUGAL 3 – 2 GANA (VEJA AQUI OS GOLOS)

LER MAIS

DESPORTO

MUNDIAL 2022: PORTUGAL 3 – 2 GANA (VEJA AQUI OS GOLOS)

A seleção portuguesa estreou-se hoje no Mundial do Qatar, com um triunfo por 3-2 sobre o Gana, em encontro da primeira jornada do Grupo H, no Estádio 974, em Doha.

Online há

em

blank

A seleção portuguesa estreou-se hoje no Mundial do Qatar, com um triunfo por 3-2 sobre o Gana, em encontro da primeira jornada do Grupo H, no Estádio 974, em Doha.

Cristiano Ronaldo, aos 65 minutos, de penálti, João Félix, aos 78, e Rafael Leão, aos 80, apontaram os tentos da formação das ‘quinas’, enquanto André Ayew, aos 73, e Osman Bukari, aos 89, faturaram para os africanos.

No primeiro jogo do agrupamento, Coreia do Sul, comandada pelo treinador português Paulo Bento, e Uruguai empataram sem golos, pelo que Portugal, que na segunda-feira enfrenta os sul-americanos, já lidera isolado o grupo, com três pontos.

VEJA AQUI OS GOLOS

VÍDEOS TVI

PORTUGAL 1 – 0 GANA

PORTUGAL 1 – 1 GANA

PORTUGAL 2 – 1 GANA

PORTUGAL 3 – 1 GANA

PORTUGAL 3 – 2 GANA

LER MAIS

DESPORTO

MUNDIAL 2022: URUGUAI E COREIA DO SUL EMPATAM NA ESTREIA DO GRUPO H

O Uruguai e a Coreia do Sul, orientado pelo técnico luso Paulo Bento, empataram hoje a zero, em encontro da primeira jornada do Grupo H do Mundial de futebol de 2002, que inclui Portugal.

Online há

em

blank

O Uruguai e a Coreia do Sul, orientado pelo técnico luso Paulo Bento, empataram hoje a zero, em encontro da primeira jornada do Grupo H do Mundial de futebol de 2002, que inclui Portugal.

Num embate disputado em Al Rayyan, uruguaios, ‘carrascos’ da formação das ‘quinas’ nos oitavos de final da edição de 2018, e sul-coreanos selaram o quarto jogo sem golos na prova.

O outro embate do agrupamento disputa-se ainda hoje, entre Portugal e o Gana, no Estádio 974, em Doha, com início às 19:00 locais (16:00 em Lisboa).

LER MAIS

JORNAL ONLINE

blank

DESPORTO DIRETO

MUSICBOX

EMISSÃO NACIONAL





EMISSÃO REGIONAL










WEBRÁDIOS TEMÁTICAS MUSICAIS










LINHA CANCRO

PAGAMENTO PONTUAL

KEYWORDS

MAIS LIDAS