Ligue-se a nós

DESPORTO

FUTEBOL: REGRESSO DEPENDE DE CRITÉRIOS TÉCNICOS DE SAÚDE

O primeiro-ministro salientou hoje que a retoma das competições de futebol terá de ser sustentada “em fundamentos técnicos de saúde” por causa da covid-19, avisando que não se poderão correr riscos que coloquem em causa atletas e adeptos.

Online há

em

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O primeiro-ministro salientou hoje que a retoma das competições de futebol terá de ser sustentada “em fundamentos técnicos de saúde” por causa da covid-19, avisando que não se poderão correr riscos que coloquem em causa atletas e adeptos.

Esta mensagem foi transmitida por António Costa na sua conta pessoal da rede social Instagram, depois de ter recebido em São Bento os presidentes da Federação Portuguesa de Futebol, Fernando Gomes, da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, Pedro Proença, do Sporting, Frederico Varandas, do FC Porto, Jorge Nuno Pinto da Costa, e do Benfica, Luís Filipe Vieira.

Segundo o primeiro-ministro, nesta reunião, em que foram analisadas as condições para um regresso das competições profissionais de futebol, houve “uma discussão franca e aberta”.

“A retoma das competições de futebol, quando for decidida, terá de ser sustentada em fundamentos técnicos de saúde. Não podemos correr riscos que ponham em causa a saúde nem dos atletas nem dos adeptos”, advertiu o líder do executivo.

Na sua mensagem, o primeiro-ministro fez também uma referência à importância do futebol na sociedade portuguesa.

“O futebol, quer queiramos quer não, é mesmo o desporto rei. A vontade que sentimos de voltar a assistir ao vivo a um jogo de futebol e de vibrarmos com os golos da nossa seleção é imensa. Sendo essa, acredito, a nossa vontade coletiva, essa decisão não pode ser emocional nem tomada de impulso”, insistiu.

A reunião, que juntou na mesma sala Pinto da Costa, Luís Filipe Vieira e Frederico Varandas, teve como tema central a “análise aos termos em que pode ser efetuada a retoma dos campeonatos profissionais e o levantamento de restrições na área do desporto”.

No que se refere ao regresso das competições de futebol profissional, a Liga Portuguesa de Futebol defende que os clubes deve garantir a higienização nos estádios após a retoma das competições e que à FPF cabe a responsabilidade por testes à covid-19 nas equipas de arbitragem.

Num esboço sobre a retoma progressiva à competição elaborado pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), a que a agência Lusa teve acesso, refere-se que o regresso da I e II Liga estará sempre “dependente das indicações das entidades oficiais”, prevendo-se também um conjunto de regras que os clubes devem cumprir, como a higienização de “todos os espaços” e a disponibilização de desinfetante nos balneários.

Quanto à segurança ao jogo, o documento prevê que os efetivos da segurança pública e da segurança privada a circularem na zona técnica seja “em número reduzido”, mantendo o distanciamento social e uso obrigatório de máscara ou viseira.

Durante os jogos, as tribunas presidenciais deverão ter um número máximo de cinco elementos, “com distanciamento social e uso de equipamento de proteção, nomeadamente máscaras, luvas e desinfetantes”.

Também os apanha-bolas devem estar munidos de máscara e manter uma distância mínima entre si, devendo desinfetar as mãos antes, ao intervalo e no final do jogo. As bolas que saem do estádio apenas podem ser utilizadas depois de desinfetadas.

A principal prova do calendário nacional, cuja ronda 24 terminou em 08 de março, não tem, para já, data de regresso, sendo que está suspensa indefinidamente.

Já a 24.ª jornada da II Liga terminou em 09 de março e desde então a prova também está suspensa.

DESPORTO

LIGA NAÇÕES: PORTUGAL DEFRONTA ESPANHA COM A ‘MIRA’ NA SEGUNDA FINAL FOUR

A seleção portuguesa de futebol precisa apenas de empatar hoje na receção à Espanha, em Braga, no derradeiro encontro do Grupo A2, para conseguir, pela segunda vez em três edições, um lugar na ‘final four’ da Liga das Nações.

Online há

em

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A seleção portuguesa de futebol precisa apenas de empatar hoje na receção à Espanha, em Braga, no derradeiro encontro do Grupo A2, para conseguir, pela segunda vez em três edições, um lugar na ‘final four’ da Liga das Nações.

O triunfo na República Checa (4-0), no sábado, deixou Portugal a depender apenas de si próprio para alcançar a próxima fase da competição, uma vez que, à entrada para a sexta e última jornada, lidera o grupo, com mais dois pontos do que a Espanha, que perdeu na receção à Suíça (1-2).

A formação comandada por Fernando Santos tem, assim, tudo a seu favor para voltar – três anos depois de conquistar a primeira edição, no Dragão – à ‘final four’ da prova da UEFA, até porque o histórico recente com a Espanha só ostenta empates.

Com João Félix recuperado dos problemas físicos que o afastaram do encontro com os checos, o selecionador luso tem disponíveis os 25 jogadores que se encontram às suas ordens, inclusive João Cancelo, que cumpriu suspensão e falhou o duelo em Praga.

Portugueses ou espanhóis vão fechar o lote das seleções presentes na ‘final four’, para a qual já se apuraram Croácia, Itália e Países Baixos, que venceram os grupos A1, A3 e A4, respetivamente.

O encontro entre Portugal e Espanha, da sexta e última jornada do Grupo A2 da Liga das Nações de 2022/23, tem início marcado para as 19:45, no Estádio Municipal de Braga, com arbitragem do italiano Daniele Orsato.

Após cinco rondas, a formação das ‘quinas’ lidera o agrupamento, com 10 pontos, contra oito da Espanha, seis da Suíça e quatro da República Checa, sendo que o primeiro classificado segue para a ‘final four’ e o último é despromovido à Liga B.

LER MAIS

DESPORTO

TRÊS ADEPTOS DO ESTORIL FORA DOS ESTÁDIOS POR INTOLERÂNCIA

Os três adeptos do Estoril Praia acusados de intolerância com apoiantes do FC Porto estão impedidos de entrar em estádios, devido aos incidentes no encontro entre os dois clubes para a I Liga de futebol, em 16 de setembro.

Online há

em

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Os três adeptos do Estoril Praia acusados de intolerância com apoiantes do FC Porto estão impedidos de entrar em estádios, devido aos incidentes no encontro entre os dois clubes para a I Liga de futebol, em 16 de setembro.

Em comunicado, a Autoridade para a Prevenção e Combate à Violência no Desporto (APCVD) deu hoje conta da decisão proferida na semana passada, relativamente ao caso dos insultos a um homem, com uma criança ao colo, ambos vestidos com camisolas do FC Porto, que terão sido cuspidos enquanto se encontravam numa zona da bancada destinada aos adeptos anfitriões.

“Os três adeptos do Estoril identificados pela GNR, a propósito dos incidentes do jogo Estoril Praia-FC Porto de 16 de setembro, estão já proibidos de entrar em recintos desportivos. Os suspeitos foram notificados pela PSP da decisão da APCVD, que impõe medida cautelar de interdição de acesso a recintos desportivos, e assim aguardarão a conclusão do respetivo processo de contraordenação”, lê-se na referida nota.

Estes três indivíduos podem ser punidos com coimas entre os 1.000 e os 10.000 euros e com pena de interdição de acesso a recintos desportivos até dois anos.

Na sequência do incidente ocorrido no recinto cascalense, e segundo apurado pela APCVD, o pai e a criança com a camisola do FC Porto, vítimas de atos de intolerância, mantiveram-se na mesma bancada, ainda que com a necessidade de os deslocar alguns metros para manter salvaguardada a sua integridade física.

Criança e pai continuaram assim com a camisola do respetivo clube, acolhidos entre adeptos do Estoril, que se demarcaram e mostraram indignados com os atos de intolerância ocorridos.

No dia seguinte, o Estoril Praia lamentou o ocorrido, condenando “todo e qualquer ato de violência, seja ele de que natureza for”.

“Lamentamos profundamente a situação vivida pela filha do adepto do FC Porto no Estádio António Coimbra da Mota, pedindo-lhe desculpas e desejando que nunca deixe de apreciar a verdadeira essência do Desporto. Condenamos as atitudes de quem não consegue controlar as suas emoções e permite que atitudes provocatórias de supostos adeptos de futebol se transformem num momento lamentável de agressividade que não tem lugar num estádio de futebol”, lê-se no comunicado do emblema cascalense.

O Estoril Praia rematou a nota disponibilizando-se “para continuar a colaborar com as entidades competentes na procura das soluções adequadas que possam impedir este género de episódio de voltar a ocorrer num recinto desportivo”.

Antes, já o secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Paulo Correia, e o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença, tinham repudiado este incidente.

Esta foi a segunda vez no espaço de uma semana que tanto o secretário de Estado da Juventude e do Desporto como o presidente da LPFP lamentaram incidentes ocorridos com adeptos em estádios da I Liga.

Em 10 de setembro, uma criança foi obrigada a despir uma camisola do Benfica no estádio do Famalicão, por se encontrar, juntamente com o pai, numa bancada com maioria de adeptos locais.

LER MAIS

DESPORTO

PORTUGAL JÁ NÃO PERDE COM A ESPANHA HÁ MAIS DE UMA DÉCADA

A seleção portuguesa de futebol está invicta face à Espanha há mais de uma década e os últimos quatro encontros acabaram empatados, mas a desvantagem luso, no total de todos os duelos, ainda é ‘imensa’.

Online há

em

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A seleção portuguesa de futebol está invicta face à Espanha há mais de uma década e os últimos quatro encontros acabaram empatados, mas a desvantagem luso, no total de todos os duelos, ainda é ‘imensa’.

Em 42 encontros, entre oficiais e particulares, a ‘roja’ lidera claramente, com 17 vitórias — mas outros tantos empates -, contra apenas oito lusas, duas nem reconhecidas pela FIFA, devido à Guerra Civil espanhola, e mais 31 golos marcados (79 contra 48).

A superioridade assenta, sobretudo, nos jogos disputados em solo espanhol (11 triunfos, contra um), sendo que, em matéria de jogos oficiais, também só há registo de uma vitória de Portugal contra quatro da Espanha, mais cinco empates.

O encontro de sábado, o 43.º entre as duas seleções, é, porém, em solo luso, onde Portugal lidera o histórico, com mais uma vitória (seis contra cinco), em 19 jogos, não incluindo nestes contas o 1-0 em ‘campo neutro’ (Alvalade) no Euro2004.

A formação das ‘quinas’ tem vantagem em casa e está também, estatisticamente, invicta desde o desaire por 1-0, selado por um golo de David Villa, nos oitavos de final do Mundial de 2010, precisamente a edição que a Espanha arrebatou.

Na ‘ressaca’ desse encontro, meses volvidos, Portugal goleou na Luz por 4-0, com um ‘bis’ de Hélder Postiga e tentos de Carlos Martins e Hugo Almeida, seguindo-se cinco igualdades, ainda que a primeira tenha redundado numa derrota lusa nos penáltis.

Em 2012, nas meias-finais do Europeu, num embate disputado em Donetsk, os 120 minutos chegaram sem golos, ficando para a estatística uma igualdade, mas quem seguiu para a final foi a Espanha, ao impor-se por 4-2 na ‘lotaria’.

Os quatro últimos encontros não tiveram tempo extra ou penáltis e acabam mesmo empatados, o primeiro dos quais na estreia das duas formações no Europeu de 2018, em Sochi, na Rússia, marcado por um ‘hat-trick’ de Cristiano Ronaldo.

Num encontro frenético, com seis golos, Portugal esteve a vencer por 1-0 e 2-1, mas Diego Costa respondeu a Ronaldo e Nacho selou a reviravolta, antes do ‘capitão’ luso ter a última ‘palavra’, aos 88 minutos, empatando o jogo de livre direto.

Em contraste com este ‘jogão’, os dois confrontos que se seguiram acabaram como começaram, com empates a zero, o primeiro em Alvalade, em 07 de outubro de 2020, e o segundo no Wanda Metropolitano, em Madrid, em 04 de junho de 2021.

O derradeiro jogo entre as duas seleções aconteceu em 02 de junho de 2022 e acabou empatado a um, na primeira jornada do Grupo A2 da edição 2022/23 da Liga das Nações.

No Estádio Benito Villamarín, em Sevilha, a casa do Betis, os espanhóis adiantaram-se no marcador aos 25 minutos, por Álvaro Morata, mas a formação lusa ainda conseguiu resgatar a igualdade, com um tento do suplente Ricardo Horta, aos 82.

Caso volte a empatar com a Espanha, na terça-feira, Portugal segue para a ‘final four’ da Liga das Nações 2022/23, repetindo o que conseguiu em 2019. Então, em solo luso, a seleção das ‘quinas’ impôs-se (3-1 à Suíça e 1-0 aos Países Baixos).

Em matéria de jogos em casa com os espanhóis, e antes do 4-0 de Alvalade, em 2010, Portugal venceu por 1-0 em 1938, 4-1 em 1947, 3-1 em 1956, 2-1 em 1964 e 2-0 em 1981, sempre em particulares.

Há ainda a registar o triunfo, por 1-0, conseguido também na casa do Sporting, na terceira e última jornada da fase de grupos do Europeu de 2004, que é considerado, estatisticamente, como sendo disputado em campo neutro.

Em 20 de junho, num embate decisivo, a formação comandada por Luiz Felipe Scolari levou a melhor, seguindo para os quartos de final, graças a um golo do suplente Nuno Gomes, que, aos 57 minutos, bateu Casillas com um remate de fora da área.

O 43.º encontro entre Portugal e Espanha, e 11.º oficial, da sexta e última jornada do Grupo A2 da Liga das Nações 2022/23, está marcado para terça-feira, no Estádio Municipal de Braga, a partir das 19:45, com arbitragem do italiano Daniele Orsato.

LER MAIS

DESPORTO

LIGA NAÇÕES: PORTUGAL VENCE REPÚBLICA CHECA E LIDERA GRUPO A2

A seleção portuguesa ascendeu hoje à liderança do Grupo A2 da Liga das Nações 2022/23, ao golear a República Checa por 4-0, em Praga, em encontro da quinta e penúltima jornada.

Online há

em

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A seleção portuguesa ascendeu hoje à liderança do Grupo A2 da Liga das Nações 2022/23, ao golear a República Checa por 4-0, em Praga, em encontro da quinta e penúltima jornada.

Diogo Dalot, aos 33 e 52 minutos, Bruno Fernandes, aos 45+2, e o suplente Diogo Jota, aos 82, marcaram os tentos da formação das ‘quinas’, enquanto Patrik Schick falhou um penálti para os checos, aos 45+6, após mão na bola de Cristiano Ronaldo.

Face ao triunfo helvético em Saragoça (2-1), Portugal voltou ao comando do Grupo A2, com 10 pontos, contra oito da Espanha, seis da Suíça e quatro da República Checa, pelo que rumará a ‘final four’ se não perder terça-feira com a Espanha, em Braga.

LER MAIS

MAIS LIDAS