RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
NACIONAL

GNR TEM 33 MULHERES EM FUNÇÕES DE COMANDO

A Guarda Nacional Republicana (GNR) destacou hoje o papel que as mulheres têm vindo a assumir na estrutura da Guarda, salientando que há 33 em funções de comando atualmente.

Em comunicado para assinalar o Dia Internacional da Mulher, a GNR adianta que atualmente há 33 mulheres em funções de comando, designadamente 15 em Postos Territoriais e 18 em Destacamentos Territoriais, sendo que em 131 Postos Territoriais, as mulheres representam mais de 10% do efetivo.

A GNR lembra que o primeiro ingresso de mulheres na GNR registou-se em 1994 e, seis anos depois, em 2000, representavam aproximadamente 2% (489) do efetivo global, sendo que, atualmente, esses valores fixam-se em cerca de 9% (2.018).

“Na atualidade, a GNR conta com 1.396 militares da categoria de guardas, 146 sargentos e 83 oficiais, totalizando assim 1.625 mulheres militares ao serviço da Guarda, a que se juntam 393 mulheres civis”, é referido.

A GNR adianta também que na última reserva de recrutamento para o curso de formação de Guardas, as mulheres representaram já mais de 17% das candidatas.

Nas vagas preenchidas para o último curso de formação de sargentos, 20% foram ocupadas por mulheres, destacando-se, também, as 11 novas Guardas-florestais que ingressaram na carreira de guarda-florestal no ano passado.

A GNR lembra ainda que em 2019, foi criada na Guarda a Comissão para a Igualdade de Género e Não Discriminação “para estimular a adequação das melhores práticas para a integração da perspetiva de género, motivando a implementação de medidas que impliquem uma representação equilibrada de homens e mulheres nas esferas de tomada de decisão e de apoio à conciliação da vida profissional, familiar e pessoal”.

No domingo, o Ministério da Administração Interna (MAI) disse que vai incluir nas regras de recrutamento em 2021 indicadores mínimos de 15% de mulheres na incorporação para guardas da GNR e de 20% para agentes da PSP, informou hoje o Governo.

No âmbito da celebração do Dia Internacional da Mulher, que hoje se assinala, o MAI defendeu que “refletir melhor o conjunto da sociedade, desconstruindo preconceitos que ainda limitam a liberdade das mulheres na escolha do seu percurso profissional” é uma “das finalidades a atingir com o aumento da representatividade feminina nas Forças e Serviços de Segurança (FSS)”.

Para o MAI, cujo ministro Eduardo Cabrita preside hoje à reunião da Comissão para a Igualdade de Género e Não Discriminação da GNR, é mais uma oportunidade para promover a igualdade de género nas FSS e na Proteção Civil.

VEJA AINDA:

MILHARES PEÇAS DE VESTUÁRIO CONTRAFEITO APREENDIDAS NA REGIÃO NORTE

Lusa

GOVERNO APROVA ‘BODYCAMS’ NOS UNIFORMES DE POLÍCIAS

Lusa

POLÍCIAS VOLTAM HOJE AOS PROTESTOS POR CAUSA DO SUBSÍDIO DE RISCO EM DIA DE REUNIÃO COM GOVERNO

Lusa

COVID-19: MULHERES VÃO TER MAIS DIFICULDADE EM RECUPERAR EMPREGO – OIT

Lusa

CONCORRÊNCIA ACUSA SETE EMPRESAS DE SEGURANÇA POR CARTEL EM CONCURSOS PÚBLICOS

Lusa

MIRANDELA: GNR ENCERROU ‘NEGÓCIO DE PROSTITUIÇÃO’

Lusa