Ligue-se a nós

INTERNACIONAL

GUERRA: SANTOS SILVA VISITOU KIEV E FALOU COM ZELESNKY

O presidente do parlamento português reuniu-se hoje em Kiev com o chefe de Estado ucraniano, com quem conversou sobre a adesão do país à União Europeia e o papel de Portugal na ligação aos países latino-americanos e africanos.

Online há

em

O presidente do parlamento português reuniu-se hoje em Kiev com o chefe de Estado ucraniano, com quem conversou sobre a adesão do país à União Europeia e o papel de Portugal na ligação aos países latino-americanos e africanos.

Em declarações à Lusa, por via telefónica, a partir de Kiev, onde está entre hoje e quarta-feira em visita oficial, Augusto Santos Silva classificou a reunião com Volodymyr Zelensky como “bastante útil” e destacou o ponto “em que ficou mais claro o valor que Portugal acrescenta na gestão política e diplomática deste conflito”.

“Talvez o ponto mais importante da reunião tenha tido a ver com o papel que Portugal desempenha – e pode ainda desempenhar mais – no diálogo com os países do hemisfério sul, em particular com os países latino-americanos e africanos, com os quais nós temos laços muito próximos e aos quais temos transmitido a nossa posição sobre esta guerra da Rússia contra a Ucrânia”, afirmou.

O presidente da Assembleia da República salientou que “a clareza da posição portuguesa é conhecida desde o primeiro momento” de condenação à invasão da Ucrânia pela Rússia.

“E são conhecidas as dúvidas que vários países latino-americanos e africanos têm exprimido, muitas vezes dizendo que esta é uma guerra que é da Europa e não deles. Convém manter o dialogo com estes países para mostrar-lhes que também está aqui em causa a ordem internacional baseada em regras que todos defendemos”, referiu.

A reunião, que decorreu cerca das 15:00 locais (13:00 em Lisboa), durou perto de uma hora, segundo Santos Silva, e prolongou-se até mais do que o previsto, tendo estado também presentes os representantes do PS, PSD, IL e BE e o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, que Santos Silva já conhecia, uma vez que exerceu essas funções entre 2015 e 2022.

No encontro, foi abordado o processo de candidatura da Ucrânia à União Europeia — que já tem o estatuto de país candidato -, tendo Santos Silva cumprimentado Zelensky pela forma como o país tem feito “a sua parte com muita determinação”, e outro dos pontos presentes na conversa foram as perspetivas de cooperação entre a Ucrânia e a Nato.

“A maioria dos países da Aliança Atlântica e da União Europeia, Portugal incluído, têm apoiado bilateralmente a Ucrânia, e o país tem a perspetiva de considerar que o seu lugar é no Ocidente, é na Europa e isso significa, para além de pertencer à União Europeia, ter uma certa perspetiva em relação à Nato. Evidentemente, o foco neste momento é a guerra que temos de parar com a condição que é necessária: a cessação das hostilidades por parte da Rússia e a retirada do território ucraniano ocupado”, considerou.

Finalmente, o presidente ucraniano agradeceu “muito enfaticamente” o apoio que Portugal tem prestado ao país e deu conta das necessidades mais prementes em matéria de equipamentos militares, de que Santos Silva tomou “boa nota para transmitir ao Governo”.

Na quarta-feira, o presidente da Assembleia da República irá fazer uma intervenção na sessão plenária do parlamento da Ucrânia.

“Intervirei com todo o gosto e toda a honra”, salientou, acrescentando que terá depois um encontro e um almoço de trabalho com o primeiro-ministro do país, Denys Shmygal.

Ao início da tarde de quarta-feira, Santos Silva vai encontrar-se com estudantes de português no Departamento de Filologia da Universidade de Kiev.

“É uma maneira de comemorar o Dia Mundial da Língua Portuguesa que se celebra na próxima sexta-feira. É especialmente simbólico que uma das iniciativas seja um encontro com estudantes de português na Ucrânia”, destacou, salientando que o português é “uma língua de paz e de comunicação”.

Santos Silva está acompanhado nesta vista por uma delegação parlamentar composta pelo deputado e líder parlamentar do PS, Eurico Brilhante Dias, Jorge Paulo de Oliveira (PSD), João Cotrim de Figueiredo (IL)e Isabel Pires (BE), sem representantes das bancadas do Chega ou do PCP.

Na semana passada, o presidente da Assembleia da República anunciou que excluiu o Chega, o terceiro maior partido, das delegações das visitas a parlamentos estrangeiros, após o incidente na sessão de boas-vindas a Lula da Silva, no dia 25 de Abril.

Questionado pela Lusa, o gabinete de Santos Silva justificou a presença das quatro bancadas parlamentares por se ter combinado uma regra de rotatividade nestas deslocações, com um máximo de quatro deputados, e também como um sinal do apoio da Assembleia da República à Ucrânia.

O Presidente da Ucrânia dirigiu-se em 21 de abril do ano passado ao parlamento português por videoconferência, numa sessão solene de boas-vindas que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa, e na qual o PCP foi o único partido com representação parlamentar que não participou por discordar da mesma.

INTERNACIONAL

PORTUGAL ENTRE OS 10 PAÍSES EM QUE A POPULAÇÃO PODERÁ ESTABILIZAR

Portugal é um dos 10 países em que o declínio populacional poderá ser limitado ou mesmo estabilizar em tamanho nas próximas décadas, segundo um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) hoje divulgado.

Online há

em

Portugal é um dos 10 países em que o declínio populacional poderá ser limitado ou mesmo estabilizar em tamanho nas próximas décadas, segundo um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) hoje divulgado.

O documento do Departamento de Assuntos Económicos e Sociais das Nações Unidas, intitulado “perspetivas da população mundial para 2024”, refere que entre os países que deverão permanecer próximos do tamanho da sua população atual até 2054 estão Portugal, Espanha, a Alemanha, a Geórgia, Federação Russa e Uruguai.

No capítulo destinado às populações, os dados apontam para que “para estes países e áreas, a estabilização populacional pode criar oportunidades adicionais para erradicar a pobreza, expandir o acesso aos cuidados de saúde e à educação, promover a igualdade de género, melhorar os sistemas de proteção social, avançar para padrões de produção e consumo mais sustentáveis e adotar medidas para proteger o ambiente. e mitigar os efeitos negativos das alterações climáticas”.

“Isto, no entanto, exigirá que sejam adotadas políticas adequadas com base nas circunstâncias e prioridades específicas de cada país”, alerta a ONU.

O documento destaca ainda que o progresso contínuo na redução da mortalidade, a única componente demográfica que se prevê contribuir positivamente para a mudança populacional neste grupo, resultou no aumento da esperança de vida à nascença.

Os dados referem que, a nível de grupo, a esperança de vida aumentou de 70,9 anos em 1995 para 78,8 anos em 2024.

Em 2024, Hong Kong (Região Administrativa Especial da China), Japão e República da Coreia do Sul tinham os níveis mais elevados de esperança de vida à nascença (pelo menos 84 anos), no grupo e no mundo.

Portugal encontra-se entre os “outros países com elevada esperança de vida à nascença”, a par de Itália e de Espanha, na Europa, e Guadalupe e Martinica, no Caribe.

Em contrapartida, a esperança de vida à nascença é a mais baixa na Jamaica e em São Vicente e Granadinas, na América Latina, e nas Caraíbas, e na República da Moldávia, na Europa, com níveis inferiores a 72 anos.

“Prevê-se que estas diferenças diminuam, mas não desapareçam, nas próximas décadas”, diz a ONU.

As Nações Unidas acrescentam que nos países onde os níveis de fertilidade já estão abaixo dos níveis de reposição, a emigração de pessoas em idade reprodutiva pode contribuir para um maior declínio populacional.

“Em 62 por cento dos países e áreas do grupo que já registam baixos níveis de fertilidade, a emigração poderá contribuir para reduzir ainda mais a dimensão da população entre agora e 2054”, lê-se.

A migração internacional também tem um impacto indireto no número de nascimentos nos países de destino e nos países de origem. Em países como a Albânia, a Arménia, Guadalupe ou a Jamaica, a emigração de um grande número de mulheres em idade reprodutiva pode reduzir o número de nascimentos que ocorrem nesses locais, enquanto em outros, como Portugal, a Federação Russa ou Espanha a imigração tem o efeito oposto.

Numa perspetiva demográfica, os nascimentos “perdidos na emigração” ou “obtidos através da imigração” têm consequências tanto a curto como a longo prazo, uma vez que as raparigas nascidas hoje são as mulheres em idade reprodutiva da próxima geração.

Em países com elevadas taxas de emigração, a criação de mais oportunidades de trabalho digno e a promoção da migração de retorno podem ser abordagens a explorar e podem ser mais eficazes para abrandar o declínio populacional no curto prazo do que políticas destinadas a aumentar os níveis de fertilidade, conclui o documento.

LER MAIS

INTERNACIONAL

PORTUGAL E ITÁLIA SÃO OS PAÍSES MAIS ENVELHECIDOS DA UNIÃO EUROPEIA

Portugal é, a par de Itália, o país da União Europeia (UE) com maior percentagem de população idosa, existindo quase dois idosos por cada jovem, revelou hoje a PORDATA.

Online há

em

Portugal é, a par de Itália, o país da União Europeia (UE) com maior percentagem de população idosa, existindo quase dois idosos por cada jovem, revelou hoje a PORDATA.

A população idosa em Portugal tem crescido mais de dois por cento ao ano, desde 2019, com o número de pessoas com 100 anos a ultrapassar as 3.000, segundo os dados divulgados pela base de dados no Dia Mundial da População.

“A população em Portugal está a envelhecer”, notou a plataforma de estatística, referindo que a idade mediana aumentou de 38,5 para 47 anos em duas décadas.

Mais de 2,5 milhões de pessoas têm 65 anos ou mais.

“O envelhecimento verifica-se ainda no número de indivíduos em idade ativa por idoso: há 2,6 ativos por cada idoso. Há 20 anos, eram quatro por cada idoso”, segundo a base de dados.

Apenas dois municípios têm mais jovens dos que idosos, Lagoa e Ribeira Grande, nos Açores.

“Há 10 anos, havia 36 municípios portugueses com mais jovens por idosos”, de acordo com a mesma fonte. “O nosso país é o segundo da UE com maior índice de envelhecimento e o quarto do mundo com maior proporção de população idosa”.

A plataforma deu também destaque aos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) este ano, ao referir que o país tem atualmente o maior número de residentes das últimas décadas: 10,6 milhões.

Da análise dos dados ressalta que os portugueses estão “mais sozinhos”, há mais casais sem filhos e mais de um milhão de pessoas vive só.

Mais de metade das pessoas que vivem sozinhas são idosas (55%), o que faz de Portugal o quarto país da União Europeia com maior percentagem de idosos a viver só no total de pessoas nesta condição.

Os casamentos celebrados entre estrangeiros quase duplicaram na última década, passando de 767 em 2013 para 2.163 no ano passado.

Já as celebrações de casamentos entre portugueses e estrangeiros aumentaram três pontos percentuais, representando 15% dos matrimónios no período em análise, num total de 5.409 em 2023.

Os saldos migratórios quase duplicaram nos últimos dois anos.

LER MAIS

MAIS LIDAS