Connect with us

ECONOMIA & FINANÇAS

OFICIAIS ALERTAM: HÁ UMA “ROTURA” IMINENTE NA POLÍCIA

O Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia (SNOP) alertou hoje para a situação de “rotura iminente” na PSP, considerando que “a dimensão catastrófica e quase insustentável da instituição” está a comprometer “seriamente a capacidade de resposta”.

Datas:

em

O Sindicato Nacional de Oficiais de Polícia (SNOP) alertou hoje para a situação de “rotura iminente” na PSP, considerando que “a dimensão catastrófica e quase insustentável da instituição” está a comprometer “seriamente a capacidade de resposta”.

O sindicato que representa os oficiais de topo da polícia pediu uma reunião urgente ao Presidente da República, primeiro-ministro e ministro das Finanças para dar a conhecer “as consequências penosas e dantescas que se têm avolumado no seio da instituição PSP”, devido a “uma política com olhar menor para a importância estratégica que representa no aparelho do Estado”.

Em comunicado, o sindicato dos oficiais admite a realização de formas de luta caso não seja dada uma resposta em relação às promoções e progressões na carreira.

“Se inexistirem respostas cabais a estes dois pontos, até ao final do mês de abril, entendemos estarem reunidas as condições para todos os polícias, independentemente de serem ou não sindicalizados, avançarem para formas de luta dramáticas que resultarão, de forma inequívoca, em prejuízos sérios para a imagem de Portugal e para a segurança dos portugueses”, avança o sindicato que representa a maioria dos comandantes e dos diretores da Polícia de Segurança Pública.

O SNOP sustenta que a situação porque passam os polícias tem de ser “alvo de ações que vão muito para além da retórica parlamentar e de promessas vãs sucessivas, como as que têm sido proferidas publicamente pelo ministro da Administração Interna, e que teimam em ser desmentidas mês após mês, mesmo depois de múltiplas recomendações, alertas e impulsos que aludem, real e preocupantemente, para a dimensão catastrófica e quase insustentável da instituição, comprometendo seriamente a sua capacidade de resposta”.

O sindicato adianta que ainda não se concretizaram as promoções enviadas em Janeiro de 2017 pelo Ministério da Administração Interna ao Ministério da Finanças.

O SNOP considera que estas promoções “não são favores”, nem “benesses”, tratando-se do “estritamente necessário para o regular e equilibrado funcionamento” da PSP e “revelam-se de primordial importância para garantir o necessário enquadramento do dispositivo”, bem como legitimar as funções que vêm sido exercidas por centenas de polícias desde agentes a oficiais.

O sindicato refere também que “continua a ser adiada” a progressão horizontal dos polícias previstas no estatuto profissional que entrou em vigor em janeiro de 2016.

“Não obstante as garantias sucessivamente declamadas pela tutela de que esta seria, finalmente, efetivada a partir de março de 2018. Chegados a abril, confirmamos que não só, mais uma vez, se faltou à verdade de forma descarada, como se mantém a completa ausência de respostas, o que assumimos como uma rotura no princípio da boa-fé por parte da administração”, sustenta.

O sindicato que representa os oficiais de topo da PSP sublinha ainda que o Governo “não tem tratado com a devida dignidade os polícias”, recordando que são os legítimos responsáveis para que Portugal seja o terceiro país mais seguro do mundo.

No entanto, frisa, esta situação pode alterar-se devido “ao ponto de rutura em que se encontra” a PSP, tendo em conta “o desinvestimento político na polícia e falta de olhar estratégico para a sua importância no aparelho do Estado e no desenvolvimento do país”.

Na quarta-feira, o Ministério da Administração Interna (MAI) divulgou que as forças de segurança vão ter um total de 3.346 promoções este ano, correspondendo a 1.500 efectivos da PSP e a 1.265 da GNR, que se somam a 581 já realizadas na Guarda.

Segundo o MAI, na PSP as promoções representam “o número mais elevado desta década, estando o Ministério dirigido por Eduardo Cabrita a analisar com as Finanças o ritmo da aplicação das progressões em 2018 e 2019 com vista “à sua concretização tão breve quanto possível”.

LUSA

PUBLICIDADE
OUVIR A RÁDIO REGIONAL AQUI
CLIQUE PARA COMENTAR

DEIXE O SEU COMANTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado.

PUBLICIDADE MUSICBOX

OUVIR RÁDIO

OUVIR MÚSICA

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

REGIÕESPublicado há 15 horas

MACEDO DE CAVALEIROS REFORÇA APOIO AOS BOMBEIROS

A Câmara de Macedo de Cavaleiros vai reforçar em 35 mil o apoio financeiro aos bombeiros voluntários do concelho, prevendo...

REGIÕESPublicado há 15 horas

FURACÃO LESLIE: PREJUÍZOS DE 1,5 MILHÕES EM CONDEIXA-A-NOVA

A tempestade Leslie, que atingiu, sobretudo, a região Centro, provocou estragos superiores a 1,5 milhões de euros nos equipamentos municipais...

JUSTIÇAPublicado há 17 horas

JOÃO RENDEIRO CONDENADO A 5 ANOS DE PRISÃO

O antigo presidente Banco Privado Português (BPP) João Rendeiro foi hoje condenado a cinco anos de prisão com pena suspensa...

REGIÕESPublicado há 1 dia

FURACÃO LESLIE: ALUNOS NA FIGUEIRA DA FOZ SEM AULAS

O vereador da Educação da Figueira da Foz, Nuno Gonçalves, disse hoje à agência Lusa que na segunda-feira não haverá...

SOCIEDADEPublicado há 2 dias

FURACÃO LESLIE “DESLIGA” 50 MIL CLIENTES MEO

A Altice Portugal disse hoje que cerca de 50 mil clientes da rede fixa estão com serviços afetados, na sequência...

REGIÕESPublicado há 2 dias

FURACÃO LESLIE DERRUBA ESTAÇÃO EMISSORA DE RÁDIO

Também a comunicação social foi vítima do Furacão Leslie. Na Região Centro a tempestade derrubou a estação emissora da Rádio...

REGIÕESPublicado há 2 dias

FURACÃO LESLIE TROUXE A MAIOR RAJADA DE VENTO DA HISTÓRIA

Uma rajada de vento atingiu os cerca de 176 quilómetros por hora no sábado à noite na Figueira da Foz,...

SOCIEDADEPublicado há 2 dias

GOVERNO DIZ QUE “NÃO HÁ” PROVAS DE FALHAS DO SIRESP

A notícia é do Jornal Público, mas não pode deixar de ser publicada. O Governo "diz" que afinal não há...

ECONOMIA & FINANÇASPublicado há 3 dias

MOODY’S TIRA PORTUGAL DO “LIXO” FINANCEIRO

A agência de notação financeira Moody's subiu hoje o 'rating' de Portugal para 'Baa3', com perspetiva estável, retirando o país...

ECONOMIA & FINANÇASPublicado há 3 dias

HORAS EXTRA VÃO DESCONTAR MENOS PARA O IRS

Os rendimentos com horas extra poderão vir a beneficiar de uma taxa de retenção na fonte de IRS menor no...

PUBLICIDADE LINHA CANCRO

AS MAIS LIDAS