RÁDIO REGIONAL
ECONOMIA & FINANÇAS

INFLAÇÃO ESTÁ A AFETAR CRESCIMENTO E PODER DE COMPRA NA UNIÃO EUROPEIA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O presidente do Eurogrupo admitiu hoje que a subida da inflação “está a afetar o crescimento e o poder de compra” dos cidadãos europeus, mas disse confiar que o Banco Central Europeu (BCE) fará o necessário para garantir a estabilidade dos preços.

“Quando falamos da situação económica, temos de falar da inflação, que tem vindo a aumentar acentuadamente desde meados de 2021. Escusado será dizer que avaliar as perspetivas de inflação para a zona euro é, antes de mais, a tarefa do BCE, e fá-lo com total independência”, começou por dizer Paschal Donohoe, que compareceu hoje perante a comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu.

Assumindo que “a subida da inflação está a afetar o crescimento e o poder de compra dos cidadãos”, Donohoe afirmou que isso “é algo que preocupa naturalmente os ministros das finanças, razão pela qual o Eurogrupo está a prestar muita atenção aos desenvolvimentos relacionados com a inflação”.

O ministro irlandês notou que a narrativa sobre a inflação também mudou um pouco, uma vez que os fatores que têm vindo a fazer subir os preços estão a demorar mais tempo a dissipar-se do que o esperado.

“Estamos a falar principalmente dos preços da energia, mas também de uma forte procura, de estrangulamentos na oferta e de fatores técnicos”, observou.

Notando ainda que “a inflação está a afetar os bens e serviços mais ou menos transversalmente”, o presidente do fórum informal de ministros das Finanças da zona euro sublinhou que “espera-se, no entanto, que a inflação comece a diminuir este ano e, subsequentemente, desça abaixo do objetivo de 2% do BCE em 2023”.

“A política monetária não pode resolver as restrições de oferta, mas podemos estar confiantes de que o BCE fará, como o fez anteriormente, o que for necessário para cumprir o seu mandato de estabilidade de preços”, disse, complementando que, “pelo seu lado, os Estados-membros estão a tomar ou a explorar medidas para proteger as famílias e as empresas do impacto negativo dos preços elevados da energia”.

A taxa de inflação homóloga da zona euro registou, em janeiro, um novo máximo de 5,1%, segundo uma estimativa rápida do Eurostat hoje divulgada.

A tendência de subida de preços mantém-se desde o segundo semestre de 2021, puxados pelo setor da energia, tendo a inflação homóloga da zona euro atingido um novo recorde desde o início da série, em 1997.

De acordo com o serviço de estatísticas da União Europeia, os 5,1% de taxa de inflação homóloga comparam-se com os 0,9% de janeiro de 2021 e os 5% registados em dezembro.

Considerando as principais componentes da inflação da zona euro, a energia deverá apresentar a taxa homóloga mais alta em janeiro (28,6%, face aos 25,9% de dezembro de 2021), seguindo-se a alimentação, álcool e tabaco (3,6%, que se comparam com os 3,2% de dezembro), os serviços (2,4% estável face ao mês anterior) e os bens industriais não energéticos (2,3%, contra 2,9% de dezembro).

VEJA AINDA:

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa

UCRÂNIA: PELO MENOS 343 CRIANÇAS MORRERAM NA SEQUÊNCIA DA INVASÃO RUSSA

Lusa

COMBUSTÍVEIS: PESADOS DE MERCADORIAS COM DESCONTO EXTRAORDINÁRIO NO GASÓLEO

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

CRESCIMENTO DA AQUICULTURA LEVA PRODUÇÃO A NÍVEL RECORDE EM 2020

Lusa

LIMITAR AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5 GRAUS REDUZIRÁ SIGNIFICATIVAMENTE RISCOS PARA HUMANOS

Lusa