NACIONAL

IPO: RASTREIOS GRATUITOS

O Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto promove esta quinta-feira um rastreio gratuito de cabeça e pescoço, lançando ao mesmo tempo acções de informação, sensibilização e alerta para a importância da prevenção e diagnóstico precoce deste tipo de cancro.

A iniciativa, que se realiza na clínica de cabeça e pescoço do IPO entre as 11h e as 14h, é essencialmente dedicada aos utentes com factores de risco ou sintomas como nariz entupido ou hemorragia nasal, úlceras e/ou manchas brancas ou vermelhas na boca, dor de garganta, rouquidão persistentes ou nódulos do pescoço há mais de três semanas, disse fonte do instituto.

Além disso, durante a semana, o IPO vai proporcionar um curso de formação intensiva para profissionais de saúde primária, entre eles médicos de família, dentistas e enfermeiros.

“Cerca de 10 profissionais de saúde primária vão integrar a equipa multidisciplinar de cabeça e pescoço do IPO-Porto, observando e absorvendo a complementaridade de métodos terapêuticos distintos”, afirmou a mesma fonte.

Em Portugal, há cerca de 2500 novos casos da doença, 85 por cento dos quais em fumadores ou ex-fumadores com taxas de incidência e mortalidade das mais elevadas da Europa.

A doença atinge principalmente fumadores e pessoas que consomem excessivamente álcool. Contudo, existe um número crescente de casos associados a outros factores de risco como a infecção pelo Vírus do Papiloma Humano (HPV).

O consumo de álcool e tabaco são ainda os principais factores de risco do cancro da cavidade oral, laringe, orofaringe e hipofaringe que representam 75 por cento do carcinoma da cabeça e pescoço.

VEJA AINDA:

PORTUGAL DESPEDE-SE DE 2020 COM RECORDE DE NOVOS CASOS DE COVID-19

Lusa

COVID-19: MAIS 76 MORTES E 7627 NOVOS CASOS NAS ÚLTIMAS 24 HORAS

Lusa

PANDEMIA FEZ ATÉ HOJE QUASE DOIS MILHÕES DE MORTOS POR TODO O MUNDO

Lusa

COVID-19: PANDEMIA FEZ ATÉ HOJE 1.791.033 MORTOS EM TODO O MUNDO

Lusa

GRANDE PORTO: MAIS DOIS CASOS DE LEGIONELLA, 14 INTERNADOS E NOVE MORTOS

Lusa

ESTUDO: TRÊS EM CADA QUATRO PORTUGUESES ACEITA TOMAR ANTIBIÓTICOS E 14% RECUSA

Lusa