RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
NACIONAL

JERÓNIMO QUER PRR A FINANCIAR PRODUÇÃO NACIONAL PARA REDUZIR IMPORTAÇÕES

O secretário-geral do PCP defendeu hoje que os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) devem servir para substituir as importações por produção nacional e não agravar a dependência externa ou alimentar especuladores.

“Para o PCP é evidente que que os fundos públicos devem servir para apoiar o investimento público e que este deve satisfazer necessidades públicas e não servir para alimentar especuladores e pagar dividendos aos acionistas dos grupos económicos”, afirmou Jerónimo de Sousa durante a apresentação do candidato da CDU à Câmara de Évora.

Segundo o líder dos comunistas, o que “o que mais se ouve” quando se fala da “tal bazuca dos milhões” é “o grande capital transnacional e nacional a reivindicar o autoproclamado direito de gastar esse dinheiro”, correndo “riscos” e investindo em “tecnologias inovadoras”, mas com a condição de o fazerem “com o dinheiro do povo português”.

“É preciso que esses recursos estejam associados ao desenvolvimento do aparelho produtivo e à substituição de importações por produção nacional, em vez de se destinarem ao agravamento da nossa dependência externa e ao financiamento das multinacionais”, defendeu.

Nesse sentido, frisou que “é fundamental que os fundos comunitários não sejam simplesmente gastos a ir às compras de bens ou serviços”, devendo antes ser aplicados “numa política integrada que contribua para a reconstrução do aparelho produtivo nacional, anime o conjunto da economia e aumente a criação de riqueza” no país.

O líder do PCP criticou ainda as “imposições que, em nome do mercado único e da livre concorrência, nos querem continuar a obrigar a comprar ao estrangeiro o que o país precisa”, dando como exemplos “os comboios que poderiam ser produzidos em Portugal”, bem como “os barcos, os equipamentos informáticos, equipamentos médicos e por aí fora”.

“O que estamos aqui a dizer é que uma parte importante dos recursos do PRR se vão destinar a financiar os setores produtivos de países como a Alemanha, a França, ou mesmo a Espanha”, acusou o secretário-geral dos comunistas.

Antes, e aproveitando o facto de discursar em Évora, no ‘coração’ do Alentejo, Jerónimo de Sousa aproveitou para reforçar a importância do poder local no projeto dos comunistas, uma “questão tão mais importante quando se mantêm presentes, a partir do PS, e com a ativa cumplicidade de PSD e CDS, orientações para o diminuir”.

Jerónimo frisou que “não é sério” falar de “descentralização quando se persiste em negar a regionalização”, de “proximidade quando se recusa a reposição das freguesias extintas pela troika”, ou os “artifícios de mera propaganda eleitoral” do Governo com “anúncios de investimentos tantas vezes divulgados quantas vezes ignorados”.

“Que melhor exemplo que não o do Hospital Central do Alentejo, que passados seis meses de mais um anúncio feito pelo primeiro-ministro, aqui em Évora, sobre o início das obras, e nem as [primeiras] pedras sucessivamente colocadas lá estão”, apontou.

O secretário-geral do Partido Comunista Português discursou no centro histórico da cidade, em frente ao Teatro Garcia de Resende, a pretexto da recandidatura de Carlos Pinto de Sá a um terceiro mandato nas próximas eleições autárquicas.

O ato eleitoral, previsto para outubro, constitui, segundo Jerónimo de Sousa, “uma batalha política de grande importância” pelo que pode contribuir para “dar força à luta” que o partido trava “no plano nacional” em defesa da “melhoria das condições de vida de povo e pela solução dos grandes problemas do país”.

VEJA AINDA:

ANTÓNIO COSTA: ‘PORTUGAL TEM DE ESTAR NA LINHA DA FRENTE DA TRANSIÇÃO TECNOLÓGICA’

Lusa

BRAGANÇA: CDU CONFIRMA CANDIDATURA DE ANTÓNIO MORAIS À AUTARQUIA

Lusa

CRISE: PORTUGAL TEM MAIOR QUEBRA DO PIB DA UE NO PRIMEIRO TRIMESTRE

Lusa

MERCADO AUTOMÓVEL COM SUBIDA DE 19,8% ATÉ MAIO COM 77.090 VEÍCULOS

Lusa

ASSOCIAÇÃO LANÇA CAMPANHA DE PROMOÇÃO DA BATATA PORTUGUESA COM SELO COMUM

Lusa

CONSELHO DE FINANÇAS PÚBLICAS ALERTA PARA DESAFIOS DE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA DO SNS

Lusa