RÁDIO REGIONAL
REGIÕES

LISBOA: CHEGA CONTRA REFUGIADOS QUE NÃO SEJAM ‘VERDADEIROS UCRANIANOS’

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Chega na Assembleia Municipal de Lisboa manifestou-se, esta terça-feira, contra o acolhimento de refugiados da guerra na Ucrânia que não sejam “verdadeiros ucranianos”, posição que a vereadora dos Direitos Humanos e Sociais, Laurinda Alves, definiu como “racista”.

“Para o Chega, uma coisa é receber todos os refugiados de guerra que vêm da Ucrânia, outra coisa é receber — e é isso que somos completamente contra — gente que vem do Bangladesh, do Nepal, de uma série de outros países que nada têm que ver com esta guerra […] vêm da Ucrânia, mas nós não temos que os atender, não temos que os atender, são de outros países, não são ucranianos”, declarou o deputado municipal do Chega Bruno Mascarenhas.

Em resposta, o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas (PSD), afirmou a visão de uma cidade multicultural: “Sobre isso não há dúvidas, nem pode haver, em relação ao meu posicionamento e àquilo que deve ser uma cidade aberta”.

Momentos antes, no âmbito da prestação de contas à Assembleia Municipal do trabalho enquanto presidente do executivo camarário, Carlos Moedas destacou o apoio aos refugiados da Ucrânia, indicando que foi já possível “ajudar mais de 2.000 pessoas”.

Sobre as declarações do deputado do Chega, a vereadora dos Direitos Humanos e Sociais, Laurinda Alves (independente eleita pela coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança), considerou “lamentável que se dê voz a uma voz que exprime racismo” na casa da democracia da cidade de Lisboa, neste caso a assembleia municipal.

“Senhor deputado, a sua voz foi uma voz racista e é absolutamente intolerável. Vou-lhe dizer o número de pessoas que o senhor deixaria de fora como sendo pessoas de condição infra-humana, à porta da cidade, à porta do país, numa cave do mundo que imagine que possa existir: 53 pessoas do Bangladesh, 93 pessoas do Nepal, 345 pessoas da Índia, 107 pessoas do Paquistão, 199 pessoas da Bielorrússia. Se quiser faça as contas e diga-me o que é que faz a estas pessoas, porque olhando à sua cor de pele e olhando à sua cultura de origem, o senhor não as aceita, mas estas pessoas residiam todas na Ucrânia, são tão refugiadas como as pessoas ucranianas e amanhã pode acontecer isto consigo”, expôs Laurinda Alves, posição que teve um forte aplauso por parte da grande maioria dos deputados.

Em defesa da honra, Bruno Mascarenhas voltou a intervir e disse: “A senhora vereadora confunde racismo com defesa dos contribuintes, aquilo que nós estamos aqui a falar é o seguinte: nós não temos recursos para todos”.

“Isto não tem nada que ver com cor de pele. Tem que ver com nós temos aqui muitos portugueses, muitos lisboetas que vivem situações muitíssimo complicadas, portanto como a câmara não é rica e não pode acolher a todos, aquilo que se pretende é que essas pessoas sejam priorizadas, e eu não tenho o mínimo problema de lhe dizer cara a cara que eu prefiro proteger os portugueses a proteger aqueles que vêm de fora, sendo que a nossa exceção é para os verdadeiros ucranianos, não é para migrantes económicos”, apontou o deputado do Chega.

A palavra final foi da vereadora Laurinda Alves: “A nossa opção é para os verdadeiros seres humanos”.

Antes desta discussão, os deputados aprovaram um voto de pesar do MPT pelos civis mortos na estação ferroviária de Kramatorsk, na Ucrânia, que teve a abstenção do PCP e os votos a favor dos restantes.

Neste âmbito, o PCP também apresentou um voto de pesar pelas vítimas na estação de Kramatorsk e da guerra na Ucrânia, que foi aprovado com os votos contra de PSD, PAN, MPT, Aliança e Chega, que consideram “cínica” a posição dos comunistas, a abstenção de CDS-PP e Iniciativa Liberal e os votos a favor de PS, BE, PCP, PEV, PPM, Livre e deputados independentes do Cidadãos por Lisboa (eleitos pela coligação PS/Livre).

VEJA AINDA:

LAMEGO: ESPERAM-SE DEZENAS DE MILHARES NAS FESTAS DA SENHORA DOS REMÉDIOS

Lusa

TRÁS-OS-MONTES: CIM DESAFIA GOVERNO A DESCENTRALIZAR GESTÃO DA ÁGUA

Lusa

COIMBRA: AUTARQUIAS PONDERAM CONCERTAÇÃO PARA DEFENDER INTERESSES REGIONAIS

Lusa

UTAD CRIA UM SISTEMA ‘VIGILANTE FLORESTAL’ PARA DETEÇÃO DE INCÊNDIOS

Lusa

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa

UCRÂNIA: PELO MENOS 343 CRIANÇAS MORRERAM NA SEQUÊNCIA DA INVASÃO RUSSA

Lusa