Ligue-se a nós

REGIÕES

LISBOA: ENFERMEIROS CONCENTRADOS NO HOSPITAL SANTA MARIA

Cerca de quatro dezenas de enfermeiros estão concentrados desde as 08:00 de hoje em frente ao Hospital e Santa Maria, em Lisboa para revindicar uma carreira digna e mais contratações.

Online há

em

Cerca de quatro dezenas de enfermeiros estão concentrados desde as 08:00 de hoje em frente ao Hospital e Santa Maria, em Lisboa para revindicar uma carreira digna e mais contratações.

Os enfermeiros de cinco blocos operatórios de hospitais públicos iniciaram hoje uma greve de mais de um mês às cirurgias programadas, que pode adiar ou cancelar milhares de operações.

Sónia Viegas, do Movimento Nacional de Enfermeiros, disse à agência Lusa que os enfermeiros lutam “por uma carreira digna, porque a que existe neste momento não está adequada” à classe.

Alguns enfermeiros concentrados hoje de manhã têm cravos brancos nas mãos e envergam um crachá na lapela onde se pode ler “É tempo de dizer basta — greve cirúrgica”.

“Temos muitos colegas a fazer muito mais horas do que aquelas que estão contratualizadas, o que leva a uma prestação e cuidados mais deficientes”, disse a enfermeira do Hospital de Santa Maria, que pertence ao Centro Hospitalar Lisboa-Norte, salientando que a “situação tem que ser resolvida urgentemente”.

Sobre a adesão à greve, Sónia Viegas disse que está perto dos 100% como se estimava e está a afetar essencialmente os blocos operatórios.

Presente no protesto o presidente do Sindicato Democráticos dos Enfermeiros de Portugal, Carlos Ramalho, disse à Lusa que os enfermeiros estão em protesto para manifestar o seu descontentamento devido a um impasse no processo negocial.

“A greve só se iniciou porque se esgotaram todas as possibilidade de diálogo com o governo”, disse.

“Os enfermeiros que estão aqui à porta do Santa Maria são os profissionais que deviam estar a trabalhar nos vários blocos operatórios, mas estão em greve” [uma paralisação onde estão a ser garantidos os serviços mínimos], mas as restantes cirurgias estão a ser adiadas”, disse o sindicalista.

A Bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, também se juntou hoje à concentração por considerar “justo” o que os profissionais estão a pedir.

“A Ordem não está só ao lado dos enfermeiros, mas também das pessoas, porque hoje os enfermeiros não têm condições para tratar das pessoas com dignidade”, disse à Lusa Ana Rita Cavaco.

“Não podemos falar em dignidade quando há um enfermeiro para 40 pessoas ou quando há um enfermeiro sozinho a trabalhar num serviço a noite inteira. Isso não dá dignidade a ninguém e pior do que isso oferece um risco de segurança muito grande”, disse.

Os enfermeiros de cinco blocos operatórios de hospitais públicos iniciam hoje uma greve de mais de um mês às cirurgias programadas, que pode adiar ou cancelar milhares de operações.

A greve cirúrgica, decretada pela Associação Sindical Portuguesa de Enfermeiros (ASPE) e pelo Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), irá abranger o Centro Hospitalar Universitário de S. João, o Centro Hospitalar Universitário do Porto, o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e o Centro Hospitalar de Setúbal.

A paralisação visa “parar toda a cirurgia programada, mantendo, naturalmente, assegurados os cuidados mínimos decretados pelo tribunal”, referem os sindicatos em comunicado.

Os enfermeiros reivindicam uma carreira transversal a todos os tipos de contratos e uma remuneração adequada às suas funções, tendo em conta “a penosidade inerente ao exercício da profissão”, segundo as estruturas sindicais.

A ideia da paralisação partiu inicialmente de um movimento de enfermeiros que recolheu já mais de 360 mil euros num fundo destinado a compensar os profissionais que ficarão sem salário.

LUSA

REGIÕES

CARRAZEDA DE ANSIÃES: HOMEM CONSTITUÍDO ARGUIDO POR PROVOCAR INCÊNDIO

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

Online há

em

A Guarda Nacional Republicana (GNR) constituiu arguido um homem de 41 anos em Marzagão, Carrazeda de Ansiães, por ter ateado um incêndio de forma negligente enquanto manuseava uma motorroçadora, informou hoje a autoridade.

O caso remonta a 16 deste mês, no distrito de Bragança. A investigação conduzida pela GNR permitiu perceber que a ignição aconteceu durante a realização de atividades agrícolas com uma motorroçadora, de forma negligente, num terreno junto a uma mancha florestal.

A GNR conseguiu identificar o responsável pelos trabalhos que estavam em curso, onde não foram mantidos os cuidados necessários de vigilância. Os factos foram remetidos para o tribunal de Vila Flor.

A Guarda relembrou que a Linha SOS Ambiente e Território – 808 200 520 – funciona em permanência, para a denúncia de infrações ou esclarecimento de dúvidas.

LER MAIS

REGIÕES

COIMBRA: RECLUSOS VÃO TRABALHAR PARA AJUDAR OS SERVIÇOS AUTÁRQUICOS

A Câmara de Coimbra e a prisão local vão celebrar um protocolo de colaboração para que reclusos em regime aberto possam trabalhar em várias áreas do município, como espaços verdes ou resíduos urbanos.

Online há

em

A Câmara de Coimbra e a prisão local vão celebrar um protocolo de colaboração para que reclusos em regime aberto possam trabalhar em várias áreas do município, como espaços verdes ou resíduos urbanos.

O protocolo de colaboração foi hoje aprovado por unanimidade na reunião do executivo camarário, perspetivando a integração laboral de reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra em várias unidades orgânicas da autarquia.

“A Câmara de Coimbra pretende contribuir, assim, para a ressocialização e para a promoção da reinserção social, familiar e profissional desses reclusos, com vista à sua autonomização progressiva”, salientou o município.

O protocolo prevê que os presos possam trabalhar em tarefas como limpeza de matas e caminhos florestais, jardinagem e manutenção de espaços verdes, limpeza urbana, recolha de resíduos urbanos e obras de reparação e manutenção de edifícios, entre outras.

“Poderão, ainda, ser acrescentadas outras áreas de intervenção, consideradas necessárias e oportunas pela autarquia e passíveis de resposta pelos reclusos do Estabelecimento Prisional de Coimbra”, acrescentou a autarquia.

Os trabalhos irão ocorrer em locais definidos pelos serviços municipais e dentro de um horário estabelecido.

Segundo o município, os presos terão direito a receber da autarquia “uma bolsa de ocupação mensal de montante igual ao valor do Indexante dos Apoios Sociais [cerca de 500 euros] e um subsídio de alimentação referente a cada dia de atividade, de valor correspondente ao atribuído à generalidade dos trabalhadores que exerçam funções públicas”.

O protocolo prevê ainda que os participantes possam integrar ações de formação.

Os reclusos que poderão trabalhar na autarquia serão selecionados pela Direção Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.

LER MAIS

MAIS LIDAS