RÁDIO REGIONAL
REGIÕES

LISBOA: NEGACIONISTAS MANIFESTARAM-SE CONTRA ALTERAÇÕES À CONSTITUIÇÃO

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Algumas dezenas de pessoas desfilaram este domingo em Lisboa numa manifestação em que os políticos foram genericamente classificados como corruptos e na qual se rejeitou qualquer alteração da Constituição, depois de uma votação simbólica em sua defesa.

Um grupo de dezenas de manifestantes, conotados com o negacionismo da pandemia, começou a reunir-se pelas 18:00 no Marquês de Pombal, em Lisboa, como agendado, onde, em dia de eleições autárquicas, organizaram uma votação paralela, simbólica, na qual opuseram duas listas: uma “Pela Constituição da República Portuguesa” e outra “Pela Ditadura Totalitária”, depois de largos minutos de discurso ao megafone de uma das manifestantes, com o atual sistema político e os políticos e a defesa da Constituição como ‘slogan’ principal.

A urna encabeçou depois o desfile, que partiu do Marquês de Pombal já depois das 18:30 e chegou ao destino, o Terreiro do Paço, já ao anoitecer, um pouco mais de uma hora depois, sempre acompanhado de perto pela PSP, sem que se tenham registado incidentes.

O percurso, que desceu a Avenida da Liberdade, passou pelos Restauradores, Praça do Rossio e Rua do Ouro até ao Terreiro do Paço, foi sempre ruidoso, com um conjunto de palavras de ordem gritadas de modo repetitivo e acompanhado do som de apitos.

“Quem são os nossos inimigos? Os políticos!” e “O que são os nossos políticos? Corruptos”, entoavam também repetidamente os manifestantes, que captavam a atenção de turistas por alguns minutos, e que aproveitaram, por exemplo, no Rossio para registar em vídeos feitos com o telemóvel o momento em que se cantou o hino nacional.

À chegada ao Terreiro do Paço, onde terminaria com um jantar, o desfile conseguiu uma atenção mediática inesperada e que não esteve presente ao longo do percurso, ao cruzar-se com a equipa de jornalistas que aguardava a chegada do candidato autárquico a Lisboa pelo Partido Socialista e atual presidente da câmara, Fernando Medina.

A manifestante que encabeçou o desfile — a mesma cidadã que há algumas semanas ameaçou o presidente da Assembleia da República enquanto este almoçava num restaurante próximo do parlamento — aproveitou o momento e as câmaras de televisão para uma declaração em que recusou que o grupo seja composto por “terroristas”.

“Nós não somos terroristas, não fazemos parte de nenhuma milícia. Nós somos portugueses”, disse, voltando a repetir a ideia de que a Constituição está em risco e exigindo “respeito” da classe política.

Ideias semelhantes foram novamente repetidas poucos segundos depois, no meio da praça, para o grupo de manifestantes e concluídas com um “e agora, vamos jantar!”.

VEJA AINDA:

TRÊS PROJETOS NACIONAIS FINALISTAS NO CONCURSO DA NOVA PONTE SOBRE O DOURO PARA O METRO

Lusa

RECONHECIMENTO AUTOMÁTICO DE PASSAGEIROS ALARGADO A PORTO, FARO E FUNCHAL

Lusa

ASSOCIAÇÃO AQUI MORA GENTE RECEBEU ‘DEZENAS DE QUEIXAS’ SOBRE O RUÍDO NA NOTURNO

Lusa

AÇORES: ILHA DO CORVO APAGA ILUMINAÇÃO PÚBLICA ATÉ 08 DE NOVEMBRO PARA SALVAR AVES MARINHAS

Lusa

MAIS DE 190 MÉDICOS SOLIDÁRIOS COM DIRETORES DEMISSIONÁRIOS DO CENTRO HOSPITALAR DE SETÚBAL

Lusa

PORTO: TÉCNICOS DE EDUCAÇÃO ESTÃO HOJE (SEXTA-FEIRA) EM GREVE

Lusa