Ligue-se a nós

REGIÕES

MAIA: DOUROGÁS INVESTE 1,2 MILHÕES EM NOVO POSTO DE ABASTECIMENTO

A Dourogás investiu 1,2 milhões de euros num novo posto de abastecimento de gás natural veicular (GNV) na Maia, distrito do Porto, integrado na rede do consórcio europeu Eco-Gate e preparado para receber hidrogénio e gás natural, foi anunciado esta quarta-feira.

Online há

em

A Dourogás investiu 1,2 milhões de euros num novo posto de abastecimento de gás natural veicular (GNV) na Maia, distrito do Porto, integrado na rede do consórcio europeu Eco-Gate e preparado para receber hidrogénio e gás natural, foi anunciado esta quarta-feira.

“Com este novo posto, o Grupo Dourogás aumenta a rede de abastecimento de GNV para 10 pontos de venda, conseguindo fazer chegar este combustível a todo o território nacional — acompanhando a capilaridade das cadeias de abastecimento nacionais”, informou a empresa, em comunicado.

De acordo com a mesma nota, este novo posto está integrado na rede do consórcio europeu Eco-Gate, que estabeleceu uma rede de postos GNV nos corredores de abastecimento, em Portugal, Espanha, França e Alemanha. Desta forma, a empresa que abastece a frota de autocarros da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) reforça a sua oferta também no segmento de transporte de passageiros.

“Este investimento permite, assim, a Portugal dar cumprimento à Diretiva Europeia dos Combustíveis Alternativos (2014/94/CE) que compromete Portugal a implantar no território nacional postos de abastecimento de GNV”, acrescentou.

O Governo aprovou no final de maio a estratégia nacional para o hidrogénio (EN-H2), que prevê investimentos de 7.000 milhões de euros “no horizonte 2030”, levando a uma redução da importação de gás natural de 300 a 600 milhões de euros.

Publicidade

Em conferência de imprensa, na ocasião, o ministro do Ambiente e da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, explicou que produzir hidrogénio faz parte da estratégia de eletrificação e redução das emissões de gases com efeito de estufa.

A EN-H2 contempla um grande projeto em Sines, que custará entre 4 e 4,5 mil milhões de euros dos 7.000 milhões, sendo o restante valor dividido por unidades mais pequenas, disse o ministro, explicando que dessa verba 85% será investimento privado.

De acordo com Matos Fernandes, “produzir hidrogénio em Portugal pode ser muito barato”, além de que os gasodutos existentes em Portugal estão em 70% prontos para distribuir hidrogénio”. Sines, disse o ministro, poderá em 2030 estar a produzir um gigawatt de energia com o hidrogénio.

O ministro do Ambiente lembrou também que em 2030 se pretende que no consumo final de energia 47% provenha de fonte renovável. Nessa altura o objetivo é também reduzir para 65% a dependência energética e em 35% o consumo de energia primária.

Matos Fernandes explicou ainda na mesma altura que o “hidrogénio verde” vai poder ser usado como fonte de energia no setor dos transportes, com a criação em paralelo de postos de abastecimento.

Publicidade
Publicidade
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

REGIÕES

VILA REAL: IDOSA MORRE EM INCÊNDIO NUMA HABITAÇÃO EM VILARINHO

Uma idosa morreu hoje na sequência de um incêndio que deflagrou numa habitação em Vilarinho, no concelho de Vila Real, disse o comandante dos bombeiros da Cruz Branca.

Online há

em

Uma idosa morreu hoje na sequência de um incêndio que deflagrou numa habitação em Vilarinho, no concelho de Vila Real, disse o comandante dos bombeiros da Cruz Branca.

Orlando Matos afirmou à agência Lusa que a irmã da vítima ficou em estado de choque, foi considerada ferida ligeira e transportada para observação ao Hospital de Vila Real.

O comandante referiu que a vítima mortal tem uma idade compreendida entre os 70 e os 80 anos e que o óbito foi declarado no local pela equipa da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER), do INEM.

O alerta para o incêndio foi dado pela irmã da idosa pelas 01:30 e, segundo Orlando Matos, quando os meios chegaram ao local a habitação estava tomada pelas chamas.

O fogo, acrescentou, terá tido início no quarto da vítima, onde esta foi encontrada pelos bombeiros, e as causas que estiveram na sua origem vão ser investigadas pela Polícia Judiciária (PJ), que esteve no local durante a madrugada.

Publicidade

Para o combate ao incêndio foram mobilizados 16 bombeiros da Cruz Branca, com cinco viaturas, e ainda militares da GNR.

A aldeia de Vilarinho pertence à União de Freguesias de Pena, Quintã e Vila Cova, no concelho de Vila Real.

LER MAIS

REGIÕES

MIRANDELA: ACIDENTE DE TRABALHO MATA HOMEM “SOTERRADO” EM BETÃO

Um homem de 49 anos morreu soterrado esta tarde num acidente de trabalho numa empresa de pré-fabricados de betão, em Vila Nova das Patas, concelho de Mirandela, disse à Lusa fonte dos bombeiros locais.

Online há

em

Um homem de 49 anos morreu soterrado esta tarde num acidente de trabalho numa empresa de pré-fabricados de betão, em Vila Nova das Patas, concelho de Mirandela, disse à Lusa fonte dos bombeiros locais.

“Foi um acidente de trabalho às 15:12. Era um trabalhador da fábrica Pavimir. Supostamente terá caído numa máquina de receção de betão, tendo ficado submerso. Aliás, o alerta foi para um soterrado, o trabalhador ficou submerso com o betão”, indicou o comandante dos Bombeiros Voluntários de Mirandela, Luís Soares.

O comandante adiantou ainda que foram os colegas a encontrar o homem, que estranharam a ausência prolongada da vítima. À chegada do socorro, o trabalhador foi retirado da máquina pelos bombeiros, já em paragem cardiorrespiratória.

O óbito foi declarado ainda na empresa pela equipa médica do helicóptero do INEM de Macedo de Cavaleiros, chamada também para a ocorrência.

Luís Soares explicou ainda que se trata de uma estrutura recetora de betão, com alguma dimensão.

Publicidade

Foi ativado apoio psicológico para colegas e familiares.

A Guarda Nacional Republicana esteve local, tendo comunicado os factos ao tribunal e à Autoridade para as Condições de Trabalho.

LER MAIS

MAIS LIDAS