RÁDIO REGIONAL
MAGAZINE

MAIS DE UM TERÇO PREFERE COMPRAR MEDICAMENTOS SUJEITOS A RECEITA DE MARCA DO QUE GENÉRICOS

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Mais de um terço dos portugueses (35%) preferem comprar medicamentos sujeitos a receita médica de marca em vez de recorrerem aos genéricos, revela um estudo da Deco Proteste.

O estudo indica ainda que 18% diz mesmo não acreditar que os efeitos terapêuticos dos medicamentos genéricos, que apresentam um preço entre 20 a 35% inferior aos de marca, sejam iguais.

Embora reconheçam que o preço é mais baixo, mais de um terço (36%) não sabe que os genéricos permitem poupanças ao Serviço Nacional de Saúde.

Segundo a Deco Proteste, 89% dos inquiridos referiu que sempre que existe um genérico mais barato, este deve ser indicado pelo farmacêutico. Contudo, 44% afirmou ter sido obrigado a comprar medicamentos de marca no último ano por não haver genéricos, “algo que pode ser justificado pela falta de provisão ou pela inexistência dessa mesma solução para o medicamento em questão”, acrescenta.

O genérico só pode ser produzido depois de expirada a patente do laboratório que desenvolveu o fármaco original. Em regra, as patentes duram, no mínimo, 20 anos.

O estudo conclui que a maioria (68%) acredita que o medicamento genérico é tão eficaz como o medicamento de referência, mas só menos de metade dos inquiridos (47%) concordam que os genéricos não causam mais reações adversas do que os medicamentos de marca.

Citando dados do Infarmed, a Deco Proteste lembra que, este ano, quase metade das embalagens vendidas foram de genéricos, que são medicamentos que têm a mesma substância ativa, a mesma forma farmacêutica (comprimido, xarope, etc.) e a mesma indicação terapêutica que o fármaco de marca que lhes serviu de referência.

O trabalho da Deco Proteste resultou de um inquérito feito nos meses de março e abril deste ano a 1.515 portugueses.

VEJA AINDA:

GOVERNO FIXA OS PREÇOS DA BOTIJA DE GÁS

Lusa

MÉDIA CAPITAL: CANAIS DE TELEVISÃO COM MAIOR RENDIMENTO NO PRIMEIRO SEMESTRE

Lusa

ESPANHA: COMBUSTÍVEIS JÁ CUSTAM MENOS DO QUE ANTES DA GUERRA NA UCRÂNIA

Lusa

CRIPTOMOEDAS: PLATAFORMA HODLNAUT SUSPENDEU LEVANTAMENTOS E DEPÓSITOS

Lusa

FISCO ESCLARECE APLICAÇÃO DA TAXA SOBRE EMBALAGENS DE ‘TAKE AWAY’

Lusa

RIQUEZA DAS FAMÍLIAS CRESCEU ENTRE 2017 E 2020 E RÁCIO DE ENDIVIDAMENTO BAIXOU

Lusa