RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
REGIÕES

ODEMIRA: AUTARCA QUER ‘COMPENSAÇÃO’ PELOS PREJUÍZOS CAUSADOS PELA CERCA SANITÁRIA

O presidente da Câmara de Odemira, José Alberto Guerreiro, alertou hoje para os “prejuízos” causados pela cerca sanitária, devido à covid-19, e defendeu a necessidade de uma “compensação”, embora se tenha congratulado pelo fim desta medida.

“É um momento que todos aguardávamos desde há alguns dias” e “sentimos, desde já, o regresso, obviamente ainda lento, à normalidade”, afirmou hoje o autarca alentejano, em declarações à agência Lusa.

Mas, devido à cerca sanitária em duas das 13 freguesias do concelho, decretada pelo Governo e em vigor desde 30 de abril, “muitos tiveram situações de danos, prejuízos e de alguma dificuldade no dia-a-dia das suas vidas”, lembrou.

O que “se traduz em perdas de rendimento”, pelo que o município vai discutir com o Governo “forma de haver compensação”, revelou o autarca.

A cerca sanitária nas freguesias de São Teotónio e Longueira-Almograve, no concelho de Odemira, distrito de Beja, foi levantada às 00:00 de hoje, depois do anúncio feito, na terça-feira, pelo primeiro-ministro, António Costa, numa cerimónia naquela vila.

O presidente da câmara agradeceu e elogiou o “esforço muito grande” da população e das entidades e avisou que “há um balanço que é necessário ainda fazer” em relação aos 11 dias de cerca sanitária nas duas freguesias.

Segundo José Alberto Guerreiro, o valor dos prejuízos provocados pelas limitações impostas no âmbito da cerca sanitária “não está ainda apurado”, mas vai ser determinado pelo município “em colaboração com as freguesias”.

“A cerca terminou, mas os problemas ficaram cá”, assinalou, ressalvando que “nem todos”. José Alberto Guerreiro frisou que “alguns” problemas “quase desapareceram de um dia para o outro”, nomeadamente os relacionados com “alguma ilicitude em alguns negócios”.

O autarca apontou a necessidade de se fazer “a discussão de um modelo económico” relacionado com a agricultura que está a ser desenvolvido em Odemira, o qual, no seu entender, ainda tem “evidências de que seja algo de futuro para esta região”.

“Estamos assentes numa estrutura territorial que tem muitas condicionantes, muitos valores e muita sensibilidade e que tem um parque natural, Rede Natura e que tem aptidão para o turismo e para a agricultura”, observou.

Nesse sentido, vincou que este território “exige um modelo de muita responsabilidade de todos” e criticou o Estado: “Durante vários anos, demitiu-se de algumas das suas responsabilidades”.

No concelho de Odemira tem de existir “um modelo de regulação” para a aplicação dos instrumentos de gestão do território “a todos por igual”, que “os responsabilize no cumprimento das regras locais”.

Uma situação que “atualmente não se verifica e não se verificou no passado”, insistiu, revelando que a câmara já enviou “um caderno de encargos” sobre este assunto ao Governo, que espera ver reconhecido.

A cerca sanitária em Longueira-Almograve e São Teotónio foi decretada pelo Governo, em Conselho de Ministros, no dia 29 de abril e entrou em vigor no dia seguinte, devido à elevada incidência de casos de covid-19, sobretudo em trabalhadores do setor agrícola, muitos deles imigrantes.

Na terça-feira, em Odemira, o primeiro-ministro indicou que o Governo recebeu, nesse mesmo dia, uma comunicação do coordenador de saúde pública do Litoral Alentejano a dar conta de que “a maior parte” dos casos atuais de covid-19 corresponde “a cadeias de transmissão já identificadas”, que não há transmissão comunitária e a propor o fim da cerca.

António Costa frisou que, nos cerca de 15 dias em que vigorou a cerca sanitária, este território registou uma “diminuição muito significativa do ritmo de transmissão”, mas alertou que a decisão do Governo “não significa que o problema tenha desaparecido”.

VEJA AINDA:

IDANHA-A-NOVA: MENINO DE DOIS ANOS QUE DESAPARECEU FOI ENCONTRADO VIVO

Lusa

BRAGANÇA: ALEGADA MENSAGEM DE GIOVANI SURPREENDE JULGAMENTO

Lusa

MONTALEGRE: CHUVA E GRANIZO INUNDAM CASAS E LEVAM AO CORTE DE ESTRADAS

Lusa

COVID-19: APROVADO PROLONGAMENTO DE APOIOS ÀS RENDAS HABITACIONAIS E COMERCIAIS ATÉ FIM DO ANO

Lusa

ALERTA DE MAU TEMPO PARA SEIS DISTRITOS ATÉ ÀS 21 HORAS

Lusa

COVID-19: PORTUGAL COM MAIOR NÚMERO DE NOVOS CASOS DIÁRIOS DESDE FEVEREIRO

Lusa