Ligue-se a nós

ECONOMIA & FINANÇAS

COVID-19 AFETOU MAIS AS CONDIÇÕES MATERIAIS DO QUE A QUALIDADE DE VIDA

A pandemia de covid-19 diminuiu o bem-estar da população em 2020, mas afetou mais as condições materiais do que a qualidade de vida, de acordo com a análise do Instituto Nacional de Estatística (INE) hoje divulgada.

Online há

em

A pandemia de covid-19 diminuiu o bem-estar da população em 2020, mas afetou mais as condições materiais do que a qualidade de vida, de acordo com a análise do Instituto Nacional de Estatística (INE) hoje divulgada.

“Comparando a evolução das duas grandes perspetivas do Bem-estar, verifica-se que foram as Condições Materiais de Vida que apresentaram o maior decréscimo em 2020, tendo recuperado ligeiramente em 2021, contrariamente ao que sucedeu com a perspetiva da Qualidade de Vida que não recuperou em 2021”, destacou o INE.

Os dados preliminares de 2021 apontam para a manutenção do valor do Índice de Bem-estar (IBE) do ano anterior. Entre 2004 e 2020, o IBE passou de 20,9 para 45,8, uma evolução que o INE atribuiu sobretudo aos “progressos verificados nas condições materiais de vida”, embora a evolução da qualidade de vida também tenha sido globalmente positiva.

Em 2020, todos os índices associados às condições materiais de vida desceram. O de bem-estar económico foi o que apresentou a evolução mais negativa, “mas também é o que se estima ter mais recuperado em 2021”. A vulnerabilidade económica foi o único domínio que não recuperou em 2021.

Relativamente à qualidade de vida, em 2020 baixaram apenas os índices da educação, participação cívica e governação e relações sociais e bem-estar subjetivo, de acordo com as categorias analisadas pelo INE.

“A análise da evolução, entre 2019 e 2020, por indicador, permite identificar os cinco mais afetados pela pandemia COVID-19. Por ordem e a grande distância dos restantes indicadores, está o índice de consumos culturais, a taxa de intensidade de pobreza, a taxa de risco de pobreza, a desigualdade na distribuição do rendimento e o índice de participação em atividades públicas”, lê-se no relatório disponibilizado pelo instituto.

Segundo a mesma fonte, o índice da perspetiva da qualidade de vida apresentou uma tendência positiva até 2016, tendo mantido a partir desse ano valores “aproximadamente constantes”.

O índice que explica a evolução das condições materiais de vida registou uma evolução negativa no período 2010-2013, atingindo um valor mínimo em 2013. A partir desse ano cresceu até 2019, tendo sofrido um decréscimo em 2020.

ECONOMIA & FINANÇAS

MARCELO PROMULGA DIPLOMA DE RECUPERAÇÃO DO TEMPO DE SERVIÇO DOCENTE

O Presidente da República promulgou hoje o diploma que estabelece o regime de recuperação do tempo de serviço congelado aos professores, anunciou a Presidência da República.

Online há

em

O Presidente da República promulgou hoje o diploma que estabelece o regime de recuperação do tempo de serviço congelado aos professores, anunciou a Presidência da República.

“O Presidente da República promulgou o diploma que estabelece um regime especial de recuperação do tempo de serviço dos educadores de infância e dos professores dos ensinos básico e secundário”, anuncia o ‘site’ da Presidência da República Portuguesa.

A recuperação do tempo de serviço congelado aos professores durante a ‘Troika’ foi um dos principais motivos dos protestos e greves que decorreram no final do anterior Governo, tendo a atual equipa governativa chegado a acordo com a maioria dos sindicatos do setor para uma recuperação faseada do tempo ainda devido.

LER MAIS

ECONOMIA & FINANÇAS

CERTIFICADOS DE AFORRO PERDEM 110,9 MILHÕES DE EUROS DESDE OUTUBRO

O valor total aplicado em certificados de aforro (CA) manteve em junho a tendência de queda, tendo perdido 110,9 milhões de euros desde outubro, segundo mostram os dados do Banco de Portugal (BdP).

Online há

em

O valor total aplicado em certificados de aforro (CA) manteve em junho a tendência de queda, tendo perdido 110,9 milhões de euros desde outubro, segundo mostram os dados do Banco de Portugal (BdP).

De acordo com os dados divulgados hoje pelo supervisor da banca, no final de junho estavam aplicados em certificados de aforro 33.960,6 milhões de euros. O valor traduz uma queda de cerca de três milhões de euros face a maio e confirma a trajetória de queda que começou a observar-se a partir de outubro do ano passado, mês em que os CA atingiram um ‘pico’ de 34.071,5 milhões de euros.

Neste espaço de oito meses, a diferença entre novas aplicações (emissões) em CA e a retirada de dinheiro aplicado nestes títulos de dívida pública (reembolsos), traduziu-se num saldo negativo de quase 111 milhões de euros.

Depois de vários meses a registarem uma forte procura, que começou a mostrar-se de forma mais evidente a partir de meados de 2022 devido à subida das euribor, os certificados de aforro começaram a perder o interesse dos aforradores, após o Governo anterior ter decidido encerrar a série em negociação (a ‘série E’) e ter lançado uma nova (a ‘série F’), remunerada com uma taxa de juro mais baixa.

Segundo os dados, entretanto, também divulgados pela Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), durante o mês de junho foram aplicados 230 milhões de euros em CA e retirados 233 milhões de euros, resultando na diminuição de três milhões de euros no saldo global.

Já no que diz respeito aos certificados do tesouro (CT) – outro dos títulos de dívida pública que os aforradores particulares podem subscrever aos balcões dos CTT – o saldo global registado em junho era de 10.324,88 milhões de euros, menos 66,38 milhões de euros do que no mês anterior, segundo a informação divulgada pelo BdP.

Os dados do IGCP, por seu lado, mostram que durante o mês de junho os aforradores retiraram 70 milhões de euros dos CT, enquanto as novas entradas de dinheiro rondaram os quatro milhões de euros.

Os CT atingiram 17.865,38 milhões de euros em outubro de 2021, o valor mais elevado desde que este produto foi lançado. De então para cá, a tendência tem sido de queda.

LER MAIS

MAIS LIDAS