POLÉMICA: O VÍDEO COMPLETO DA VIOLÊNCIA ENTRE POLÍCIA E MULHER NEGRA EM MASSAMÁ

Tornou-se hoje conhecido o vídeo, aparentemente integral, da violência entre um agente de autoridade da Polícia de Segurança Pública e uma mulher negra, que alegadamente viajava de autocarro sem que a sua filha tivesse passe válido.

Segundo o agente de autoridade, a quem já lhe foi instaurado um processo de averiguação, a mulher terá apresentado um comportamento violento e agressivo. Mas a cidadã em causa diz o contrário, e acusa o agente de autoridade de violência deproporcional, contra o qual já apresentou queixa.

Também a Polícia de Segurança Publica quer ver o caso esclarecido, e já mandou averiguiar.

VEJA AQUI AS IMAGENS COMPLETAS:

POLÉMICA: O VÍDEO COMPLETO DA VIOLÊNCIA ENTRE POLÍCIA E MULHER NEGRA EM MASSAMÁ

Presente a um juiz de instrução criminal, a mulher ficou indiciada do crime de resistência e coação sobre agente da autoridade, enquanto o polícia envolvido “não foi constituído arguido”, avançou à agência Lusa fonte da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP).

A Polícia de Segurança Pública (PSP) abriu um processo de averiguações sobre a atuação policial contra uma mulher que foi detida no domingo na Amadora, ocorrência que envolveu “agressões” e que resultou numa denúncia contra o polícia de serviço.

No âmbito desta ocorrência, a organização SOS Racismo recebeu hoje “uma denúncia de violência policial contra a cidadã portuguesa negra”, indicando que a mulher ficou “em estado grave”, resultado das agressões que sofreu na paragem de autocarros e dentro da viatura da PSP em direção à esquadra de Casal de São Brás, na Amadora.

Sobre as circunstâncias da ocorrência, a Direção Nacional da PSP informou que o polícia acusado de agredir a mulher detida “foi abordado pelo motorista de autocarro de transporte público que solicitou auxílio em face da recusa de uma cidadã em proceder ao pagamento da utilização do transporte da sua filha, e também pelo facto de o ter ameaçado e injuriado”.

De acordo com a PSP, a mulher detida pediu para ser conduzida ao Hospital Fernando da Fonseca, na Amadora, o que aconteceu pelas 22h00 de domingo, assim como o polícia que foi igualmente assistido na mesma unidade hospitalar, encontrando-se de baixa médica e, “até ao momento, não foi decretada a suspensão preventiva de funções”, disse à Lusa fonte policial.

Foi assim que ficou a via pública onde, alegadamente, um agente de autoridade da Polícia se envolveu em actos de violência com uma cidadã, mulher de raça negra, acompanhada da sua filha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.