PORTO: ÁREA METROPOLITANA VAI PROPOR MEDIDAS DE APOIO NOS TRANSPORTES

A Área Metropolitana do Porto está a preparar um memorando para apresentar ao Governo com medidas de apoio aos municípios e ao setor dos transportes que, avisa, pode entrar em falência se a situação pandémica se mantiver nos próximos meses.

O compromisso foi assumido na reunião informal de hoje daquela entidade, tendo o vice-presidente, Emídio Sousa, ficado incumbido de elaborar um memorando com um conjunto de medidas para fazer face à situação de emergência social criada pela pandemia de Covid-19.

“Acho que toda a gente está a ter a noção de que, se isto dura dois ou três meses, vai tudo à falência. Safa-se a Metro, que é, ainda assim, a que tem mais validações. A STCP depende dos municípios e chega um momento em que os municípios não tem capacidade de lá injetar o dinheiro todo que é preciso. Os privados estão a encostar. Não tem hipótese nenhuma”, defendeu o presidente da Área Metropolitana do Porto (AMP), Eduardo Vítor Rodrigues.

Em declarações à Lusa, o também autarca de Vila Nova de Gaia referiu que esta situação vai provocar um aumento da contribuição financeira dos municípios para o passe único, situação que, entende, deve ser revista.

A solução, a apresentar ao ministro do Ambiente e da Ação Climática, pode passar, adiantou Eduardo Vítor Rodrigues, por rever o modelo do Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART), “numa altura em que se reconhece que se anda menos de transportes públicos” porque as pessoas estão em casa.

Assim, seria possível, acrescentou, “baixar o custo”.

A AMP deverá ainda abordar a questão da contratação pública e do apoio aos municípios confrontados com uma perda de receita “brutal” neste ano e no próximo.

Nesta matéria, a solução pode passar por um “alívio por via dos limites de endividamento”, disse.

As propostas constantes deste memorando vão ser objeto de deliberação na reunião de sexta-feira da AMP, que depois fará chegar aquele documento às respetivas entidades.

A reunião informal de hoje que decorreu por videoconferência foi solicitada pelo vice-presidente da AMP e autarca da Câmara de Santa Maria da Feira, Emídio Gomes, que em declarações à Lusa na segunda-feira, adiantava que ia propor um conjunto de medidas “concertadas” de apoio a empresas e famílias, entre as quais a redução de rendas e a suspensão de taxas municipais

Para o autarca, o momento exige medidas concertadas, apesar da heterogeneidade dos municípios que compõem a Área Metropolitana.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 791 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 38 mil.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 160 mortes, mais 20 do que na véspera (+14,3%), e 7.443 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 1.035 em relação a segunda-feira (+16,1%).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.