ECONOMIA & FINANÇAS

PREÇO MÉDIO DE ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAI 13,5% NO FIM DE 2020 – BARÓMETRO

O preço médio para arrendamento de imóveis desceu 13,5% no final de 2020, depois da quebra de 20,9% no período de desconfinamento, na comparação com igual período de 2019, revela o barómetro anual do portal Imovirtual.

“Terminamos o ano com uma diminuição dos preços de 13,5% (de 1.198 euros em 2019 para 1.036 euros em 2020)”, segundo a análise hoje divulgada com base nos imóveis anunciados no Imovirtual.

No início de 2020, o preço médio caiu 9,6% face ao período homólogo, para 1.191 euros, tendo no período do confinamento registado um decréscimo de 13,3%.

“No período do desconfinamento assistimos a uma quebra acentuada de 20,9% quando comparado com o mesmo período no ano anterior, passando de 1.355 euros para 1.072 euros”, refere o portal em comunicado.

Porto foi o distrito com o decréscimo mais acentuado do preço médio para arrendamento com uma queda em dezembro de 19,2% face ao mês homólogo, para 904 euros.

Seguiu-se Castelo Branco, onde o preço caiu 14,9% no final do ano para 407 euros e Lisboa com uma queda de 13,9% em dezembro face ao mês homólogo, para 1.319 euros.

Já o preço médio dos imóveis anunciados para venda aumentou em 2020 face a 2019, com o período de confinamento a registar a maior subida, de 11,3%, para 352.339 euros, segundo o barómetro.

“O panorama do preço médio dos imóveis anunciados no Imovirtual para venda em Portugal durante o ano de 2020 quando comparado com o ano de 2019 é bastante positivo”, sublinha o portal, no comunicado.

Segundo o barómetro, no início de 2020 houve um aumento de 8% do preço médio dos imóveis para venda, para 344.417 euros, comparando com o mesmo período de 2019.

Já no período da pandemia e do confinamento, registou-se um aumento homólogo do preço médio de apartamentos e moradias em 11,3%, passando para 352.339 euros.

De acordo com o documento, no “período do desconfinamento” que se seguiu, o preço médio aumentou 7,2% em termos homólogos, tendo atingido 348.223 euros em dezembro, uma subida de 1,6% face ao mesmo mês de 2019.

Setúbal, Vila Real, Aveiro e Évora foram os distritos com maiores subidas dos preços ao longo do ano.

Segundo os resultados do barómetro, Setúbal apresentou em janeiro um aumento de 17,5% e depois uma subida de 19,6% no período do confinamento, tendo o preço médio atingido 291.863 euros em 2020.

No período do desconfinamento, o aumento em Setúbal foi de 14,2%, “acompanhado do aumento da procura na ordem dos 21,6%”, indica o portal Imovirtual.

No distrito de Vila Real, o portal destaca o período de confinamento e desconfinamento, com aumentos de 11,8% e 13,9% respetivamente. Em dezembro, o preço médio foi de 177.763 euros (mais 4,5% homólogos).

Já o distrito de Aveiro começou o ano com um aumento dos preços em 11,3% que se manteve durante o confinamento, mantendo um crescimento de 9,9% no final do ano, para 215.092 euros face a 2019.

No caso de Évora, o distrito fechou o ano com um aumento do preço médio de 16,9% para 205.187 euros, depois de subidas de 19,7 e 15,1% no início do ano e na pandemia, respetivamente.

Ao contrário, Portalegre e Guarda foram os distritos com um decréscimo mais acentuado do preço médio.

Portalegre iniciou o ano com um decréscimo do preço médio que se manteve no confinamento, de 14,5% e de 13,5%, respetivamente e, no período de desconfinamento, registou uma queda de 21,4% para 132.082 euros.

O ano termina com Lisboa, Faro, Região Autónoma da Madeira e Porto no ‘top’ dos distritos mais caros para comprar um imóvel, segundo o portal.

Em Lisboa, destaca-se o período do confinamento, com um aumento em 12,1%, terminando o ano com um preço médio de 557.595 euros.

No final do ano, o preço médio dos imóveis para venda em Faro atingiu 453.378 euros (mais 1,8% em relação a 2019), seguindo-se a Madeira onde o preço fechou o ano nos 331.472 euros, um aumento de 1% comparado com o período homólogo.

Segundo o Imovirtual, no Porto houve um aumento do preço médio no período do confinamento de 12,9%, para 315.417 euros e o distrito terminou o ano com um aumento de 1,9% para 311.443 euros face ao período homólogo.

Já olhando para a venda de apartamentos e moradias ao longo de 2020, o preço médio de venda em Portugal manteve uma variação de 1%, à exceção do período do desconfinamento onde se verificou um decréscimo de 0,11%.

“Quando comparado o primeiro mês do ano com o último, observa-se um aumento (+1,1%), passando o preço médio de 344.417 euros em janeiro para 348.223 euros em dezembro”, lê-se no documento.

VEJA AINDA:

PRESIDENCIAIS: VOTO VAI SER RECOLHIDO EM LARES, MAS IDOSOS TÊM DE SE INSCREVER NA PLATAFORMA DO VOTO ANTECIPADO

Lusa

COVID-19: PARLAMENTO NA MADEIRA COM NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À PANDEMIA

Lusa

COVID-19: SUPERMERCADOS SEM RESTRIÇÕES DE HORÁRIOS E COSTA PEDE QUE NÃO HAJA ‘CORRIDAS’

Lusa

MADEIRA: INÍCIA HOJE RECOLHER OBRIGATÓRIO DEVIDO À PANDEMIA DE COVID-19

Lusa

COVID-19: PORTUGAL COM 57 CONCELHOS EM RISCO EXTREMO, MAIS DO DOBRO DA ANÁLISE ANTERIOR

Lusa

LISBOA: CENTRO HOSPITALAR CENTRAL AVANÇA PARA O ÚLTIMO NÍVEL DE CONTINGÊNCIA

Lusa