RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

REINO UNIDO DIZ QUE ‘TODA A UCRÂNIA’ DEVE SER LIBERTADA, INCLUINDO A CRIMEIA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Governo britânico garantiu esta quinta-feira que os seus objetivos na Ucrânia não mudaram, numa tentativa equilibrar os comentários de quarta-feira da ministra dos Negócios Estrangeiros, Liz Truss, que referiu que “toda a Ucrânia” deve ser libertada, incluindo a Crimeia.

O ministro da Defesa do Reino Unido, Ben Wallace, assegurou que as declarações de Truss estão alinhadas com as posições ocidentais desde que a Rússia anexou a península da Crimeia, em 2014. “Temos dito sempre que a Rússia deve deixar o território soberano da Ucrânia e essa posição não mudou”, afirmou, em declarações ao canal Sky News.

Questionado sobre se o Reino Unido apoiaria militarmente a Ucrânia numa ofensiva para retomar a península da Crimeia, o ministro sublinhou que “ainda há um longo caminho a percorrer” antes de as tropas ucranianas entrarem na Crimeia. “Apoiamos a integridade da soberania da Ucrânia. Isso, obviamente, inclui a Crimeia”, admitiu o ministro da Defesa, referindo, no entanto, que “antes de tudo” o que se pretende é “afastar a Rússia do seu plano de invasão”.

A chefe da diplomacia britânica afirmou na quarta-feira, em perante diplomatas e líderes empresariais, que o Reino Unido “redobrou” o seu apoio à Ucrânia.

“Continuaremos a ir mais longe e mais rápido para expulsar a Rússia de toda a Ucrânia”, disse, apelando aos países ocidentais para aumentarem a produção militar, nomeadamente de tanques e aviões, para ajudar Kiev.

Ben Wallace adiantou hoje que os tanques e caças britânicos não seriam dados diretamente à Ucrânia, servindo antes para substituir os equipamentos da era soviética enviados por países como a Polónia.

O ministro sublinhou ainda que o Presidente russo, Vladimir Putin, está “a preparar o cenário” para um grande anúncio que marque o “”Dia da Vitória” da II Guerra Mundial, a 09 de maio.

“Ele terá de admitir, se quiser mobilizar ainda mais o povo russo” que “está em guerra”, afirmou, em declarações à BBC.

Vladimir Putin continua a usar a expressão “operação militar especial” quando se refere à invasão da Ucrânia.

Putin “não pode admitir que estava errado. Terá de tentar culpar outros”, como a NATO, considerou Wallace.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de 2.700 civis, segundo dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, mais de 5,3 milhões das quais para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

VEJA AINDA:

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa

UCRÂNIA: PELO MENOS 343 CRIANÇAS MORRERAM NA SEQUÊNCIA DA INVASÃO RUSSA

Lusa

PUTIN RESPONDE À NATO E SOBRE A UCRÂNIA ASSEGURA QUE ‘NADA MUDOU’ – GUERRA

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

UCRÂNIA PODE CONTAR COM APOIO DA NATO ‘O TEMPO QUE FOR NECESSÁRIO’ – STOLTENBERG

Lusa

CRESCIMENTO DA AQUICULTURA LEVA PRODUÇÃO A NÍVEL RECORDE EM 2020

Lusa