CIÊNCIA & TECNOLOGIA

TECNOLOGIA PORTUGUESA NO ESPAÇO

A LusoSpace concebeu os dois magnetómetros do satélite que, segundo o diretor-executivo da empresa, Ivo Yves Vieira, “serão os primeiros instrumentos a serem usados a seguir ao lançamento”.

“São elementos muito críticos que devem funcionar na perfeição de modo a dar medidas fiáveis da orientação do satélite e, assim, permitir que estabilize os painéis solares para o Sol e as antenas de comunicação para a Terra”, explicou à Lusa.

Por definição, um magnetómetro é um instrumento que é utilizado para medir a intensidade, a direção e o sentido de campos magnéticos. Com ele, é possível fazer o mapeamento do campo magnético da Terra em detalhe.

A Omnidea produziu e testou as válvulas que asseguram a limpeza da componente ótica do Aladin, o principal instrumento do satélite, adiantou à Lusa o diretor-geral, Nuno Fernandes. O instrumento está equipado com um telescópio e um `laser doppler`.

O satélite, batizado com o nome de Éolo, o guardião dos ventos na mitologia grega, será lançado a bordo de um foguetão Vega da base espacial europeia de Kourou, na Guiana Francesa.

Segundo a Agência Espacial Europeia (ESA), o satélite dispõe de tecnologia `laser` de ponta que irá permitir medir os ventos terrestres e obter informações sobre as nuvens, ao descer aos 30 quilómetros mais baixos da atmosfera.

O engenho irá disparar pulsos de luz ultravioleta (invisível) na atmosfera da Terra, um método considerado inovador para estabelecer o perfil de ventos a partir do espaço.

Os dados recolhidos quase em tempo real vão, de acordo com a ESA, melhorar a compreensão de como a atmosfera funciona, contribuir para a investigação sobre as alterações climáticas e ajudar na previsão meteorológica de fenómenos extremos como furacões ou o El Niño.

Atualmente, a informação sobre os ventos é obtida a partir de balões meteorológicos, instrumentos em terra, aeronaves, rastreamento do movimento das nuvens e instrumentos de satélite que medem o vento próximo da superfície dos oceanos, refere num comunicado a ESA, que esta semana mostrou o Éolo na sala de descontaminação da empresa construtora Airbus, em Toulouse, França.

Na fotografia, Ivo Yves Vieira, CEO da LusoSpace, que desenvolveu tecnologia para um satélite “Éolo” da ESA – Agência Espacial Europeia.

VEJA AINDA:

PORTUGUESES AJUDAM A DESCOBRIR UM PLANETA COM ÁGUA EM ESTADO LÍQUIDO

Lusa

ESTUDO: COVID-19 PODE AFETAR O CÉREBRO E CAUSAR LESÕES AOS NEURÓNIOS

Lusa

INVESTIGADORES ALERTAM: A IMUNIDADE DE GRUPO É UMA ESTRATÉGIA PERIGOSA

Lusa

DANILO APOSTA NA ORGANIZAÇÃO FRENTE À SEMPRE DIFÍCIL SELECÇÃO FRANCESA

Lusa

COVID-19: PORTUGAL VOLTA A ULTRAPASSAR BARREIRA DOS 1000 INFETADOS NUM DIA

Lusa

PORTUGAL E ESPANHA UNEM-SE PARA ORGANIZAR O MUNDIAL 2030

Lusa