RÁDIO REGIONAL
MAGAZINE

TETRAPLÉGICO RECUPERA MOBILIDADE

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A investigação com sensores, que captam a atividade neuronal, tinha permitido, até agora, transmitir sinais cerebrais a braços articulados externos, mas é a primeira vez que é recuperada a mobilidade nas extremidades de membros de uma pessoa com paralisia.

Uma equipa da Universidade Estatal de Ohio e do Instituto Feinstein para a Investigação Médica, ambos nos Estados Unidos, conseguiu ligar um implante cerebral a um dispositivo com 130 eléctrodos capazes de gerar movimento na mão.

O sistema funciona como um bypass electrónico que contorna a lesão na espinal medula do jovem, sem mobilidade nas pernas e nos braços há cinco anos, e liga de novo o cérebro aos músculos.

A partir de algoritmos de autoaprendizagem, um computador descodifica a actividade neuronal de Ian Burhart, de 24 anos, e detecta quando o jovem está a pensar em realizar determinado movimento.

Com esta informação, o software dá a ordem em tempo real aos eléctrodos do braço para que os músculos executem acções, como fechar a mão, contrair o dedo ou rodar o pulso.

Quando o sistema está operacional, Ian Burhart pode levantar uma garrafa e verter o líquido num copo, ou carregar nos botões de um instrumento musical.

Segundo os cientistas, a tecnologia pode permitir, no futuro, que pessoas com paralisia se possam vestir e alimentar sozinhas.

“Ian pode, agora, realizar movimentos funcionais, o tipo de movimentos necessários para as actividades diárias que as pessoas sem paralisia dão por adquiridas”, afirmou, citado pela agência Efe, o coordenador da investigação, Chad Bouton, apontando como “um dos avanços mais importantes” do trabalho o facto de a sua equipa ter conseguido que o jovem mova cada dedo, individualmente.

Ian Burhart ficou tetraplégico depois de ter sido atingido por uma onda, numas férias na praia na companhia de amigos. Durante mais de um ano, submeteu-se a três sessões de treino semanais, para que a terapêutica fosse aperfeiçoada.

A equipa de Chad Bouton demorou dez anos a desenvolver o microchip cerebral, os algoritmos para interpretar os sinais cerebrais e o dispositivo com eléctrodos para traduzir a informação em movimentos.

Vídeo aqui:

VEJA AINDA:

GOVERNO APROVA ESTATUTO DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE

Lusa

COVID-19: 42% DOS RECUPERADOS COM SINTOMAS DE STRESS PRÓ-TRAUMÁTICO

Lusa

PENAFIEL: INVESTIMENTO DE UM MILHÃO DE EUROS NO SERVIÇO DE PNEUMOLOGIA DO HOSPITAL

Lusa

OBESIDADE CUSTA 1,2 MIL MILHÕES POR ANO AOS PORTUGUESES

Lusa

PORTO: ALA PEDIÁTRICA DO HOSPITAL DE SÃO JOÃO NO PORTO COMEÇA A RECEBER CRIANÇAS EM NOVEMBRO

Lusa

PORTUGUESES CONSOMEM EM MÉDIA DUAS VEZES MAIS CALORIAS DO QUE O RECOMENDANDO

Lusa