RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

UCRÂNIA: PERDAS ECONÓMICAS LIGADAS À GUERRA ESTIMADAS EM MAIS DE 500 MIL MILHÕES

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Governo ucraniano estimou em mais de 500 mil milhões de euros as perdas económicas causadas pela guerra com a Rússia, indicou hoje no Facebook a ministra da Economia ucraniana, Iulia Sviridenko.

A ministra calculou em “564,9 mil milhões de dólares” (515,8 mil milhões de euros) “o impacto direto da destruição” causada desde o início da invasão russa da Ucrânia, no passado dia 24 de fevereiro, um montante ao qual se juntam “os efeitos indiretos dos combates” na economia, nomeadamente os que estão ligados à explosão do desemprego, à forte diminuição do consumo das famílias ou ainda à redução das receitas do Estado.

É ao nível das infraestruturas que as perdas são mais elevadas, indicou Sviridenko, com “perto de 8.000 quilómetros de estradas destruídas ou danificadas”, o mesmo acontecendo com “dezenas de estações e de aeroportos”, num montante de 108,5 mil milhões de euros.

Dez milhões de metros quadrados de habitação e 200.000 veículos foram destruídos em mais de um mês, acrescentou, citada pela AFP.

Sviridenko, que é também vice-primeira-ministra, calculou a queda do Produto Interno Bruto (PIB) em 2022 em 102 mil milhões de euros, ou seja, uma contração estimada de mais de 55% da economia em relação a 2021.

“Todos os dias os números mudam e infelizmente aumentam”, apontou Sviridenko na sua página no Facebook.

“Assim, a Ucrânia (…) vai exigir uma indemnização financeira ao agressor”, acrescentou, “seja por decisões judiciais ou pela transferência direta para o Estado dos bens russos (atualmente) congelados na Ucrânia”.

VEJA AINDA:

PUTIN RESPONDE À NATO E SOBRE A UCRÂNIA ASSEGURA QUE ‘NADA MUDOU’ – GUERRA

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

UCRÂNIA PODE CONTAR COM APOIO DA NATO ‘O TEMPO QUE FOR NECESSÁRIO’ – STOLTENBERG

Lusa

CRESCIMENTO DA AQUICULTURA LEVA PRODUÇÃO A NÍVEL RECORDE EM 2020

Lusa

LIMITAR AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5 GRAUS REDUZIRÁ SIGNIFICATIVAMENTE RISCOS PARA HUMANOS

Lusa

STOLTENBERG: ‘FINLÂNDIA E SUÉCIA TORNARÃO A NATO MAIS FORTE’

Lusa