RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

UCRÂNIA: TRIBUNAL INTERNACIONAL DE JUSTIÇA ANALISA A 7 E 8 DE MARÇO ACUSAÇÃO A MOSCOVO

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) anunciou hoje que vai realizar audições nos dias 7 e 8 de março no processo movido por Kiev, que acusa Moscovo de planear um genocídio na Ucrânia.

A juíza presidente da instituição alertou a Rússia “para a necessidade de agir de forma a que qualquer ordem” do Tribunal “possa ter os efeitos desejados”, refere em comunicado a instituição, principal órgão judicial das Nações Unidas.

Na petição, Kiev acusa a Rússia de planear atos de genocídio na Ucrânia e afirma que Moscovo mata intencionalmente pessoas de nacionalidade ucraniana e prejudica gravemente a sua integridade física.

A petição da Ucrânia foi apresentada sábado perante a instituição, também conhecida como Tribunal de Haia, onde tem sede, e criado em 1946 para resolver disputas entre Estados. As suas decisões são vinculativas e sem recurso, mas o Tribunal não tem meios para as aplicar.

Kiev pede a intervenção através da imposição de medidas cautelares, as chamadas medidas de emergência.

A juíza Joan Donoghue, presidente do TIJ, enviou hoje uma “comunicação urgente” ao ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, “com uma cópia ao governo da Ucrânia”, segundo o tribunal.

Nessa comunicação, pede a atenção da Federação Russa para a necessidade de agir de forma “a que qualquer despacho do Tribunal sobre o pedido de medidas provisórias possa ter os efeitos desejados”, refere o comunicado.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e mais de 660 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

VEJA AINDA:

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa

UCRÂNIA: PELO MENOS 343 CRIANÇAS MORRERAM NA SEQUÊNCIA DA INVASÃO RUSSA

Lusa

PUTIN RESPONDE À NATO E SOBRE A UCRÂNIA ASSEGURA QUE ‘NADA MUDOU’ – GUERRA

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

UCRÂNIA PODE CONTAR COM APOIO DA NATO ‘O TEMPO QUE FOR NECESSÁRIO’ – STOLTENBERG

Lusa

STOLTENBERG: ‘FINLÂNDIA E SUÉCIA TORNARÃO A NATO MAIS FORTE’

Lusa