RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

UNIÃO EUROPEIA VAI CONCEDER À UCRÂNIA ESTATUTO DE “PAÍS CANDIDATO”

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O embaixador russo junto da União Europeia (UE), Vladimir Chizhov, considerou hoje que Bruxelas vai conceder na sexta-feira à Ucrânia o estatuto de país candidato.

“Amanhã [sexta-feira], e caso não ocorra nada de extraordinário, a Comissão Europeia fará uma recomendação positiva. E então a questão passará para as mãos dos países membros”, disse Chizhov durante uma intervenção no Fórum Económico Internacional de São Petersburgo.

A Rússia, que antes apenas se opunha à integração de Kiev na NATO, agora reconhece que também se poderá opor à entrada da Ucrânia na UE.

Moscovo acusou vários Estados-membros do bloco europeu de fornecerem armamento pesado ao Exército ucraniano com o objetivo de garantir uma derrota das forças russas no atual conflito militar.

“No que se refere às nossas relações, encontram-se no momento mais baixo, não apenas desde que assumi o cargo, mas durante toda a sua história. Mas não seremos nós a bater com a porta”, assinalou o diplomata.

Chizhov também considerou que Bruxelas “não baterá com a porta”, pelo facto de “apesar de poderem ser dadas muitas voltas” a UE irá permanecer o maior parceiro comercial da Rússia.

No entanto, prognosticou que caso a UE não reveja a sua posição em relação à Rússia, e as duas partes se mostrem incapazes de fomentar novos terrenos de cooperação, a Europa converter-se-á “no último canto do desenvolvimento mundial”.

Hoje, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou que a integração na União Europeia é o caminho eleito pelo seu país e que a concessão do estatuto de candidato será o primeiro passo.

“A maioria da população do continente apoia a nossa aspiração”, disse Zelensky em conferência de imprensa após um encontro com Kiev com os seus homólogos da França e Roménia e com os primeiros-ministros da Alemanha e Itália.

Após o encontro, o chanceler alemão, Olaf Scholz, indiciou que Berlim apoia a perspetiva de o Conselho Europeu, que se reúne na próxima semana, conceder o estatuto de candidato à Ucrânia, pelo facto de o país se incluir “na família europeia”.

“A Europa está do vosso lado, e estará durante todo o tempo necessário até à vitória”, indicou por sua vez o Presidente francês Emmanuel Macron.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 15 milhões de pessoas de suas casas — mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 7,5 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa – justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou que 4.452 civis morreram e 5.531 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 112.º dia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a zonas cercadas ou sob intensos combates.

VEJA AINDA:

GUERRA: BIELORRÚSIA DIZ QUE EM CASO DE CONFLITO A POLÓNIA SERÁ O PRIMEIRO ALVO

Lusa

POLÓNIA ACUSA RÚSSIA DE PIRATEAR E DIVULGAR E-MAILS DO GOVERNO

Lusa

HACKERS RUSSOS PUBLICAM LISTA DE ALEGADOS ESPIÕES UCRÂNIANOS

Lusa

NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS PELA FOME AUMENTA 150 MILHÕES DURANTE A PANDEMIA

Lusa

GD CHAVES: NÉLSON MONTE REGRESSA DA UCRÂNIA E ASSINA PELOS TRANSMONTANOS

Lusa

COMISSÃO EUROPEIA QUER FORMAR UM MILHÃO DE JOVENS EM ALTA TECNOLOGIA

Lusa