Ligue-se a nós

REGIÕES

VINHAS VELHAS É APOSTA DA PRODUÇÃO DE VINHO EM MOGADOURO

Dois jovens empreendedores na área da vitivinicultura estão a apostar em “vinhas velhas” com mais de 70 anos em Bemposta, no concelho de Mogadouro, para produzir vinhos de “qualidade”, num investimento que poderá chegar aos 400 mil euros.

Online há

em

Dois jovens empreendedores na área da vitivinicultura estão a apostar em “vinhas velhas” com mais de 70 anos em Bemposta, no concelho de Mogadouro, para produzir vinhos de “qualidade”, num investimento que poderá chegar aos 400 mil euros.

A “aventura” de Frederico Machado e Ricardo Alves começou em abril de 2017, após um mestrado em Enologia e a passagem por países como a Austrália, Estados Unidos, África do Sul, França, Alemanha e Espanha, onde recolheram conhecimentos que agora estão a ser aplicados na produção de vinhos de mesa, brancos e tintos.

“No primeiro ano de produção conseguimos uma vinha com pouco mais de hectare, desde aí começaram a surgir novas vinhas e novas oportunidades e estamos de momento com cerca de dez hectares de vinhas velhas”, explicou à Lusa, Frederico Machado.

Em pouco mais de um ano, a Arribas Wine Company, designação dado ao novo projeto vitivinícola, sedeado no distrito de Bragança, cerca de 2.900 garrafas de vinho tinto, esperando os produtores atingir o mesmo número em 2018, apesar de consideraram que o ano “foi fraco” para a produção de vinho.

“Este ano vamos, ainda, tentar produzir 1.500 litros de vinho branco e testar uma nova experiência, que ainda mantemos em segredo”, vincou o empresário.

Os mentores do projeto pretendem dar um passo “seguro”, com a construção de raiz de uma adega em Bemposta e partir para comercialização dos seus vinhos no mercado nacional e internacional.

“O terreno já foi adquirido. Pretendemos atingir uma produção máxima de 50.000 garrafas de vinho por ano e investir cerca de 300 mil euros, só neste projeto”, indicaram os empreendedores.

O vinho tinto produzido pela Arribas Wine Company começa a ter procura internacional com exportações previstas para França e Inglaterra. O mercado nacional já começa a conhecer o “Saroto”, o nome dado ao vinho, o qual já chegou a “restaurantes portugueses, de renome internacional”.

Frederico Machado e Ricardo Alves são “companheiros de aventuras” que se conheceram enquanto frequentavam um mestrado em Enologia na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), que não se deixaram levar pelos “encantos” das grandes cidades e apostaram a suas careiras nas arribas do Douro Internacional.

“O vinho produzido por vinhas velhas apresenta uma boa qualidade, para além de algumas diferenças em relação aos vinhos mais correntes. O facto de a vinha ser antiga, e estar implantada há muitos anos no mesmo sítio, dá-nos uma qualidade não vista em vinhas novas”, explicou Ricardo Alves.

Os dois vitivinicultores mostraram-se apostados em preservar a qualidade e tradição das vinhas velha no Douro Internacional.

“Nós trabalhamos um vinho mais leve e fresco, que seja mais fácil de beber, tanto de verão como de inverno, o que se trata de um produto diferenciador”, vincou.

Frederico Machado, observou que no território onde estão a produzir o vinho, assiste-se a um abandono das vinhas velhas devido à idade avançadas dos seus proprietários.

“Estamos a assistir ao arranque de vinhas velhas para serem substituídas por outras culturas. Dentro da nossa capacidade, iremos tentar preservar este património”, enfatizou.

Os jovens produtores garantem que há gostos muito vincados, no que respeita à aprovação dos vinhos por parte dos consumidores portugueses. “Perante este facto vamos tentar ser consensuais”, afiançam.

A variedade das castas existentes nas vinhas velhas pesou bastante na escolha para a fixação dos dois vitivinicultores, aliadas às características “singulares” do terreno.

As principais castas usadas para vinhos tintos são a tinta gorda, o bastardo, rufete, tinta Francisca, ou alvarilhão. Já para a produção de vinhos brancos há malvasia, verdelho, posto branco, ou bastando branco.

Segundo os também investigadores, a mistura das castas surgiu porque quem plantava vinhas há 70 ou 80 anos, queria ter sempre vinho, mesmo em anos maus.

LUSA

REGIÕES

LISBOA-SEIXAL: POLÍCIA DESMANTELA “ESQUEMA” DE TRÁFICO DE DROGA

A PSP anunciou hoje o desmantelamento de uma célula de tráfico de droga que abastecia os concelhos de Lisboa e do Seixal, no distrito de Setúbal, tendo sido detidas duas pessoas e apreendidas várias armas.

Online há

em

A PSP anunciou hoje o desmantelamento de uma célula de tráfico de droga que abastecia os concelhos de Lisboa e do Seixal, no distrito de Setúbal, tendo sido detidas duas pessoas e apreendidas várias armas.

Em comunicado, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP (Cometlis) refere que efetuou na quinta-feira buscas domiciliárias nas freguesias do Lumiar (Lisboa) e de Fernão Ferro (Seixal), tendo detido dois homens, de 37 e 51 anos, suspeitos de tráfico de droga.

Na sequência desta operação, as autoridades apreenderam 8.931 doses de cocaína, 82.204 de haxixe, assim como 366.280 euros, três armas de fogo, 37 munições, três automóveis e dois motociclos de alta cilindrada, entre outros objetos.

Os detidos foram presentes ao Tribunal Judicial de Lisboa para primeiro interrogatório, aguardando medida de coação.

“A PSP tem vindo, de forma incisiva, a combater o tráfico na capital e a quem a ele se dedica, estratégia que se materializa na prossecução de dezenas de operações de investigação criminal nesta área”, sublinha a nota do Cometlis.

LER MAIS

REGIÕES

PORTO: DUAS FAMÍLIAS DESPEJADAS DE CASAS MUNICIPAIS DEVIDO AO TRÁFICO DE DROGA

A Câmara do Porto despejou, na quinta-feira, duas famílias de casas municipais nos bairros de Pinheiro Torres e de Lordelo, que utilizavam a habitação para o tráfico de droga, foi revelado esta sexta-feira.

Online há

em

A Câmara do Porto despejou, na quinta-feira, duas famílias de casas municipais nos bairros de Pinheiro Torres e de Lordelo, que utilizavam a habitação para o tráfico de droga, foi revelado esta sexta-feira.

Fonte da autarquia esclareceu esta sexta-feira à Lusa que as duas famílias foram notificadas a 10 de maio pela empresa municipal responsável pela gestão do parque habitacional, Domus Social, de que teriam de sair das habitações.

A “ordem de despejo” foi acionada depois de um dos elementos das respetivas famílias ter sido condenado em tribunal.

“Num dos casos ficou ainda provado que a arguida pertencia a um grupo organizado, cabendo-lhe especificamente a função de armazenar a droga na habitação municipal e de fornecer outros traficantes com estupefacientes ali guardados”, refere.

Segundo o município, a família terá recorrido da ordem de despejo, mas o tribunal deu razão à Câmara do Porto.

“O município do Porto não permitirá a utilização das casas de habitação social para tráfico de droga e/ou quaisquer outros fins ilícitos”, salienta.

No final de março, a Câmara do Porto despejou outras quatro famílias, três no Agrupamento da Pasteleira e uma no bairro Dr. Pinheiro Torres, que também eram usadas para tráfico de droga.

“A resolução deste tipo de situações, para além de proteger e zelar pelo património municipal, visa, acima de tudo, garantir a segurança e qualidade de vida dos restantes moradores do parque de habitação pública e dos munícipes em geral”, acrescenta.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO
A RÁDIO QUE MARCA GOLOS
FAMALICÃO X BENFICA


RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS