RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

ZELENSKY RECUSA CEDER ÁREAS OCUPADAS À RÚSSIA PARA NEGOCIAR FIM DA GUERRA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, rejeitou inequivocamente, esta quarta-feira, a sugestão de alguns ocidentais de que a Ucrânia devia ceder o controlo de áreas ocupadas pelas forças russas para alcançar um acordo de paz.

“Os grandes geopolíticos que sugerem isto estão a desconsiderar os interesses dos ucranianos comuns, dos milhões que realmente vivem no território que estão a propor trocar por uma ilusão de paz”, sublinhou Volodymyr Zelensky, durante o seu discurso noturno diário dirigido à nação.

Para Zelensky, primeiro estão as pessoas e “os valores não são apenas palavras”.

O chefe de Estado ucraniano comparou ainda aqueles que defendem dar à Rússia um pedaço da Ucrânia com os que cederam territórios a Hitler, na esperança de evitar a Segunda Guerra Mundial.

Os interesses da Ucrânia não devem ser superados pelos “interesses daqueles que estão com pressa para encontrar um ditador novamente”, apontou, referindo-se ao Presidente russo, Vladimir Putin.

As forças russas concentraram nas últimas semanas na região lesta da Ucrânia, onde desde 2014 algumas zonas do Donbass são controladas por separatistas pró-russos.

As milícias pró-russas da República Popular de Lugansk, juntamente com o Exército russo na região de Donbass, garantiram esta quarta-feira ter cercado “operacionalmente” a cidade de Severodonetsk, no leste da Ucrânia.

As forças do Exército russo e as milícias de Donbass também afirmam ter cercado as cidades de Zolotoye e Górskoye.

Severodonetsk, uma cidade de cerca de 100.000 habitantes antes da guerra, está sob pressão de tropas russas e combatentes separatistas pró-Rússia há várias semanas.

A cidade está localizada a mais de 80 quilómetros a leste de Kramatorsk, que se tornou o centro administrativo de Donbass, desde que os separatistas apoiados por Moscovo tomaram controlo da região.

Zelensky adiantou também que o seu Exército está a enfrentar o “mais feroz” dos ataques das forças russas, que em alguns lugares têm muito mais armas e soldados.

O governante pediu ainda mais assistência militar ao Ocidente, “sem exceção, sem restrições e o suficiente para vencer”.

A ofensiva militar lançada na madrugada de 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 14 milhões de pessoas de suas casas — mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 6,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 15 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou hoje que 3.974 civis morreram e 4.654 ficaram feridos na guerra, que hoje entrou no seu 91.º dia, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

VEJA AINDA:

PUTIN RESPONDE À NATO E SOBRE A UCRÂNIA ASSEGURA QUE ‘NADA MUDOU’ – GUERRA

Lusa

KIEV SAÚDA ‘POSIÇÃO LÚCIDA’ DA NATO SOBRE A RÚSSIA

Lusa

UCRÂNIA PODE CONTAR COM APOIO DA NATO ‘O TEMPO QUE FOR NECESSÁRIO’ – STOLTENBERG

Lusa

CRESCIMENTO DA AQUICULTURA LEVA PRODUÇÃO A NÍVEL RECORDE EM 2020

Lusa

LIMITAR AQUECIMENTO GLOBAL A 1,5 GRAUS REDUZIRÁ SIGNIFICATIVAMENTE RISCOS PARA HUMANOS

Lusa

STOLTENBERG: ‘FINLÂNDIA E SUÉCIA TORNARÃO A NATO MAIS FORTE’

Lusa