NACIONAL

65% DAS CRIANÇAS NÃO COMEM FRUTA E LEGUMES

Mais de metade (65%) das crianças em Portugal, entre os 2 e os 10 anos, não cumpre a recomendação internacional da Organização Mundial de Saúde (OMS) para uma ingestão mínima de três porções de fruta e duas porções de legumes diárias.

Esta é uma das principais conclusões do mais recente estudo divulgado recentemente pela Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI). Segundo a análise, o grupo etário dos 6 aos 7 anos foi o que reportou um maior consumo de fruta e de legumes inferior às recomendações com uma percentagem de 68,2%.

O estudo também observou as diferenças regionais relativamente à ingestão de fruta e legumes, tendo observado que a Região dos Açores apresentou a maior percentagem de crianças com consumo inferior às recomendações com 84,7%, seguindo-se a Região do Algarve com 78,2%, a Região da Madeira com 69,8%, a Região de Lisboa e Vale do Tejo com 66,8%, as Regiões do Norte e do Alentejo ambas com 63,4% e por fim a Região Centro com 62,5%.

Os investigadores concluíram que 85,8% dos alunos almoça diariamente no refeitório da escola e que mais de metade desses alunos (54,5%) que refere não incluir legumes no prato também não chega a atingir a recomendação da OMS para a ingestão de pelo menos 2 porções de legumes por dia.

Por outro lado, os dados demonstram também que as crianças obesas são as que menos legumes ingerem, com uma prevalência de 38,3% de consumo inferior às recomendações.

Mudanças nos hábitos dos alunos:

A equipa de investigadores da APCOI, analisou os efeitos da implementação da 6ª edição do projeto “Heróis da Fruta – Lanche Escolar Saudável” nas alterações de hábitos alimentares dos alunos participantes. Comparando os dados iniciais, com os recolhidos após as 12 semanas de participação no projeto observou-se que globalmente 41,9% das crianças aumentou o seu consumo diário de fruta.

Para além disso, observou-se que 43,3% das crianças terminaram a sua participação no projeto com um consumo de fruta de acordo com as recomendações, correspondendo a uma subida de 12,2% comparativamente com os hábitos de consumo que mantinham no momento inicial do projeto.

Todas as regiões verificaram um aumento da prevalência de crianças a reportarem consumir três ou mais porções de fruta após a implementação do projeto, tendo sido a Região do Algarve a registar a maior subida com uma percentagem de aumento de 17,3%. Seguindo-se a Madeira com um aumento de 15,4%, o Norte com 15%, Lisboa e Vale do Tejo com 12,4%, o Centro com 10,6%, os Açores com 10% e finalmente o Alentejo com 8,3%.

De notar ainda que a Região dos Açores apresentava a maior percentagem de crianças com um consumo de fruta inferior às recomendações no momento inicial com 88,2% e que a Região Norte registou a maior percentagem de crianças com consumo de fruta de acordo com as recomendações no final da sua participação no projeto com uma prevalência de 45,2%.

A amostra global deste estudo é composta por 17.698 crianças com idades compreendidas entre os 2 e os 10 anos de 388 estabelecimentos de ensino pertencentes a 139 concelhos dos 18 distritos continentais e das duas regiões autónomas: Açores e Madeira.

Nuno Noronha

VEJA AINDA:

BRAGA: CRIANÇA DE DOIS ANOS MORRE ATROPELADA EM SÃO PAIO DA POUSADA

Lusa

COVID-19: CRIANÇAS TÊM PAPEL MAIS IMPORTANTE DO QUE SE PENSAVA – ESTUDO

Lusa

IMPOSTO SOBRE REFRIGERANTES REDUZIU CONSUMO E NOVOS IMPOSTOS PODERIAM TER O MESMO EFEITO

Lusa

PRESIDENTE CHINÊS ORDENA FIM DE BANQUETES TRADICIONAIS PARA COMBATER DESPERDÍCIO

Lusa

PANDEMIA AGRAVOU SITUAÇÕES DE DEPRESSÃO E PERTURBAÇÕES ALIMENTARES NOS JOVENS

Lusa

TOMAR: JUDICIÁRIA DETEVE SUSPEITOS DE ABUSO SEXUAL SOBRE OITO CRIANÇAS

Lusa