RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

APÓS 47 ANOS A PLACA DO CDS-PP FOI RETIRADA DA ASSEMBLEIA DA RÉPUBLICA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

O CDS-PP esteve na Assembleia da República 47 anos, mas hoje foram precisos poucos segundos para que a placa que indicava o grupo parlamentar centrista fosse retirada da porta da sala, no Andar Nobre, que agora será do Chega.

Os resultados eleitorais das eleições legislativas de 30 de janeiro mudaram de forma visível a reconfiguração do parlamento, com CDS-PP e PEV a perder a sua representação e a deixar a Assembleia da República na legislatura que agora termina.

Se no hemiciclo as mudanças serão visíveis – o desaparecimento de partidos, o crescimento do Chega e da IL ou a queda do BE, PCP e PAN, por exemplo – também nos corredores e nas salas do parlamento estes resultados obrigaram a mudanças de fundo.

Ainda não era 10:30 quando um funcionário do parlamento, com um saco branco na mão, se aproximou da entrada da sala que o CDS-PP vai ter agora que entregar ao Chega – e que era sua há décadas – para retirar a placa que indicava que aquele era o espaço dos centristas.

O momento simbólico – eternizado por duas câmaras de televisão e duas máquinas fotográficas – durou poucos segundos e, com recurso a uma chave de fendas, o funcionário do parlamento arrancou a placa onde se podia ler “Grupo Parlamentar do Partido Popular (CDS/PP) – Presidente”.

Na parede restam agora – até entrar a próxima placa – dois pequenos buracos que indicam que ali existiu algo que já não estará mais na legislatura que começará em breve.

Mas não foi só na sala do CDS-PP que aconteceram mudanças. Uns metros ao lado, no mesmo corredor, também o BE – que passou de 19 para cinco deputados – deixou a Sala Lisboa para a entregar à IL – que deixou a condição de deputado único para um grupo parlamentar de oito deputados.

Ao longo dos últimos dias, pelos corredores do parlamento, circularam carrinhos com documentos, pastas e mobília, tendo também o BE esvaziado a sua sala e ficando, neste andar nobre, apenas com uma sala contígua que já era sua e que servirá como o espaço dos bloquistas neste piso.

O mesmo funcionário – com o mesmo saco branco e a mesma chave de fendas – voltou alguns minutos depois e fez à placa do BE o mesmo que tinha feito à do CDS-PP, com a diferença que a dos bloquistas permanecerá noutro espaço mais reduzido, tal como seu grupo parlamentar.

A agência Lusa questionou o gabinete do Secretário-Geral da Assembleia da República sobre esta reorganização espacial do parlamento na sequência das eleições, tendo sido explicado que os grupos parlamentares do PS e do PSD “mantêm os gabinetes que ocupam nos quatro pisos do Novo Edifício bem como os que ocupam no Andar Nobre, junto ao Hemiciclo”.

O PS, que com a maioria absoluta conseguida aumentou o número de mandatos, passa ainda a ocupar os gabinetes que o PAN e o PEV tinham no corredor entre a Biblioteca e o Novo Edifício.

Já o Chega, agora terceira força política e com 12 deputados, além de ficar com o espaço do CDS, vai manter os gabinetes que tinha como deputado único na Sobreloja do Palácio, bem como mais sete gabinetes no mesmo espaço.

O grupo parlamentar da IL, para além da sala que era do BE no Andar Nobre, ficará com seis gabinetes na Sobreloja, entre o Andar Nobre e o piso das comissões parlamentares no rés-do-chão.

A Sobreloja também acolherá os deputados únicos dos deputados únicos do PAN e do Livre.

VEJA AINDA:

PARLAMENTO APROVA MUDANÇAS NA PROTEÇÃO DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO ‘ONLINE’

Lusa

PARLAMENTO CHUMBA LEI QUE ACABAVA COM AS ISENÇÕES FISCAIS DOS PARTIDOS POLÍTICOS

Lusa

PAN: QUER INCLUIR O CRIME CONTRA O AMBIENTE (ECOCÍDIO) NO CÓDIGO PENAL

Lusa

IMUNIDADE PARLAMENTAR DE ANDRÉ VENTURA LEVANTADA PARA RESPONDER EM DOIS PROCESSOS

Lusa

REFLEXÃO: ‘NOVA REALIDADE DAS REDES SOCIAIS EXIGIRIA QUE DEVÊSSEMOS REVER REGRAS?’

Lusa

SABROSA: ‘TROCA DE VEREADORES’ PARA GARANTIR ESTABILIDADE AUTÁRQUICA

Lusa