Connect with us

DESPORTO

BALANÇO 2018-2019: SPORT LISBOA E BENFICA (CAMPEÃO)

O Benfica chegou ao 37.º título de futebol da sua história, numa época em que teve duas caras e renasceu com a entrada, quase a meio do campeonato, do treinador Bruno Lage.

Data:

em

O Benfica chegou ao 37.º título de futebol da sua história, numa época em que teve duas caras e renasceu com a entrada, quase a meio do campeonato, do treinador Bruno Lage.

Na edição 2018/19 da I Liga é obrigatório dividir o percurso das ‘águias’ num ‘antes’ e ‘depois’: em vitórias, em golos, em jogadores reabilitados, e, claro, no treinador, com a chegada de um homem ‘da formação’ a ser em janeiro a vitamina que se revelou eficaz.

Com uma campanha sofrível até novembro e dezembro — eliminado também da ‘champions’ -, o clube ainda resistiu à saída do anterior técnico, Rui Vitória, segurado pelo presidente Luís Filipe Vieira no final de novembro de 2018.

Para tudo mudar foi preciso esperar pelo início de janeiro e por nova derrota no campeonato, a terceira (com Portimonense fora e antes com Belenenses fora e Moreirense em casa), a que se juntam dois anteriores empates (Sporting e Chaves).

Rui Vitória, o treinador que esteve nos títulos de 2015/16 e 2016/17, deixou de ter margem de manobra e a solução, que parecia de recurso, recaiu em Bruno Lage, jovem treinador de 42 anos, até então na equipa B.

O futebol, muitas vezes, ‘pobre’, deu gradualmente espaço a uma equipa renovada, confiante, dominadora e goleadora, capaz de chegar hoje a uma série invencível de 19 jogos, com 18 triunfos e um empate.

Números que permitiram ao Benfica passar — com a entrada de Lage – de quarto classificado à 15.ª ronda, a sete pontos do FC Porto, para líder do campeonato, uma reviravolta consumada no Estádio do Dragão (com triunfo por 2-1 em 02 de março).

As ‘águias’ ficaram à 24.ª jornada apenas dependentes de si para serem campeãs, num percurso em crescendo, em sentido inverso ao realizado pelo FC Porto, com várias perdas de pontos em momentos capitais.

Às vitórias, a cada fim de semana, juntaram-se a números impressionantes e dois golpes nos principais rivais, nos seus redutos: em Alvalade, com uma exibição de gala a dar uma vitória por 4-2, e, depois, no Dragão.

O ‘novo’ Benfica mostrou ainda uma inacreditável veia goleadora, com sucessivas vitórias por quatro ou mais golos, chegando até à maior goleada nos últimos 55 anos em jogos da Liga, ao vencer na Luz o Nacional por 10-0, na 21.ª jornada.

Com Bruno Lage, o Benfica marcou 72 golos, o que lhe permitiu um total de 103, igualando o registo de 1963/64, então num campeonato disputado por 14 equipas.

A entrada de Bruno Lage deu ainda sentido e elogios à formação, com o treinador a aproveitar desde logo João Félix, que, de pouco aproveitado por Rui Vitória, passou a indiscutível, com a equipa a mudar taticamente.

Félix, que tinha sido duas vezes titular até janeiro, tornou-se o exemplo de um novo Benfica, marcou golos, deu a marcar, e tornou-se o ‘rosto’ de uma equipa renascida, que aproveitou também os jovens ‘B’ Ferro e Florentino, e viu aparecer o melhor Rafa de sempre.

Com ele mostraram-se também Gabriel, até o médio brasileiro se lesionar, que tinha apenas quatro jogos a titular, ou o grego Samaris, que de ‘proscrito’ (com seis minutos na ‘era’ Rui Vitória), passou a peça nuclear no campeão.

O Benfica campeão, que contou ainda com a melhor época do avançado suíço Seferovic, que apontou um total de 23 golos na competição, depois de agarrar o lugar devido a um castigo de Jonas na derrota em Portimão, tem o rosto de Bruno Lage, sem medo de dar jogo a Félix (19 anos), Florentino (19 anos) ou Ferro (22 anos), na aposta que fez em Gabriel ou na reabilitação de Samaris. Mas também pela tática, a coragem, a ousadia de jogar para o espetáculo, com resultados.

LUSA

AS MAIS LIDAS