BALANÇO 2018-2019: VITÓRIA FUTEBOL CLUBE (SETÚBAL)

À semelhança do que tem acontecido na história recente, o Vitória de Setúbal esteve longe de ter uma época tranquila e só assegurou a permanência na I Liga de futebol na penúltima jornada.

À semelhança do que tem acontecido na história recente, o Vitória de Setúbal esteve longe de ter uma época tranquila e só assegurou a permanência na I Liga de futebol na penúltima jornada.

O triunfo em Chaves, por 2-1, permitiu à equipa, ao contrário do ano anterior, evitar esperar pela derradeira ronda para saber qual o seu destino, numa época em que Sandro Mendes substituiu Lito Vidigal no cargo de treinador à 19.ª ronda.

Depois de ter somado 19 pontos na primeira volta, a equipa teve uma ligeira quebra na segunda, ao conquistar 17, terminando na 13.ª posição depois de ter ‘virado’ na 12.ª.

Apesar de o objetivo da permanência ter sido alcançado, as expectativas dos dirigentes sadinos passavam por realizar uma prova tranquila, o que não veio a acontecer, numa época muito marcada pela suspensão da carreira do defesa de Nuno Pinto, que em dezembro revelou estar a lutar contra um linfoma, doença que revelou ter vencido em março.

O penúltimo jogo de Nuno Pinto – em 08 de dezembro, com o Benfica (derrota por 1-0), antes do regresso simbólico na derradeira jornada, atuando sete minutos – marcou o início de uma série de 15 jornadas dos setubalenses sem vencerem [sete com Lito Vidigal, que nessa altura também viu a equipa ser afastada da Taça de Portugal e da Taça da Liga, e oito com Sandro Mendes].

Pela positiva, o Vitória de Setúbal conseguiu alcançar quatro triunfos importantes em cinco partidas, entre as jornadas sete e 11. Os 12 pontos somados possibilitaram a subida à sétima posição com 17 pontos, à 11.ª ronda, chegando a ser apontada na altura como equipa ‘sensação’.

A contrastar com o facto de ter tido a sexta melhor defesa da competição, com 39 golos sofridos, esteve o rendimento ofensivo, uma vez que apenas marcou 28 golos, o terceiro pior ataque. O venezuelano Jhonder Cádiz, com nove tentos, foi o goleador da equipa.

Em termos coletivos, a época vitoriana ficou marcada pelos incidentes registados no Estádio do Bonfim, na 32.ª jornada, diante do Boavista (derrota por 3-0), com três jogadores expulsos [José Semedo, Zequinha e Jhonder Cádiz] entre os 67 e 73 minutos pelo árbitro Fábio Veríssimo.

Em termos individuais, a deceção foi o guarda-redes Joel Pereira, que chegou a Setúbal cedido pelos ingleses do Manchester United. As nove partidas realizadas no campeonato não foram convincentes e o jogador deixou o Bonfim em janeiro.

LUSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.