RÁDIO REGIONAL
REGIÕES

BARRANCOS: ESTE ANO NÃO HÁ ‘FESTAS’ DEVIDO AO COVID-19

nbsp| RÁDIO REGIONAL

A edição deste ano das Festas de Barrancos, no Alentejo, que incluem touradas de morte legais graças a um regime de exceção, foi cancelada, por não haver condições para se realizar em segurança devido à pandemia de covid-19.

Em comunicado, a comissão organizadora refere que “não há condições para a realização em segurança” das festas, previstas decorrer entre sexta e segunda-feira, “sem colocar em risco a saúde da população” do concelho raiano de Barrancos, no distrito de Beja.

“Nem sequer seguindo as recomendações e orientações da Direção-Geral da Saúde”, que, “na esmagadora maioria de sítios e/ou locais” das festas “seria impossível de adotar”, frisa a comissão de festas em Honra de N. Sra. da Conceição de Barrancos.

Segundo a comissão, não há condições para a realização em segurança de “nenhum” dos eventos e espetáculos das festas, “incluindo as centenárias e tradicionais corridas de touros” de morte, legalizadas graças a um regime de exceção aprovado em 2002.

Por isso, a comissão explica que tomou a decisão “muito difícil” de cancelar as festas deste ano “depois de um longo processo de maturação” e “tendo sempre presente a situação” da pandemia, que “continua a afetar” o mundo e “mantém todas as incertezas quanto à evolução e ao contágio da doença”.

Conhecidas como “Fêra de Barrancos”, as festas tornaram-se “famosas” pelos touros de morte e misturam celebrações religiosas e divertimentos pagãos em honra de N. Sra. da Conceição, a padroeira da vila raiana.

As festas são “o momento único do reencontro anual de toda a comunidade barranquenha com a terra, famílias e amigos e as suas tradições ancestrais”, lembra a comissão.

“Para que estes reencontros continuem a perdurar no tempo, é necessário que os barranquenhos e seus familiares e amigos continuem bem de saúde e possam voltar”, refere a comissão, frisando que “fazer uma pausa de um ano, por razões de saúde pública”, foi “a melhor decisão”.

Em declarações hoje à agência Lusa, o presidente da Câmara de Barrancos, João Serranito Nunes, disse que o cancelamento das festas é “uma machadada com impactos negativos em termos económicos, sociais e culturais, mas foi necessário, porque um valor mais alto se levanta: a saúde”.

“São sobretudo festas de reencontros, convívios e partilhas entre a diáspora, familiares e amigos e, neste ponto de vista, o cancelamento” da edição deste ano da “Fêra de Barrancos” é “uma grande perda que deixa um vazio na comunidade de Barrancos”, lamentou João Serranito Nunes.

Por outro lado, continuou o autarca, o cancelamento das festas vai provocar “um impacto negativo em termos económicos e prejudicar a economia local”.

Segundo o autarca, devido à “fêra”, na segunda quinzena de agosto, com o regresso da diáspora, a população em Barrancos “praticamente duplica” e “há ainda uma grande afluência de visitantes” durante os quatro dias das festas.

O aumento da população e de visitantes “deixa sempre marcas positivas nas vendas do tecido empresarial de Barrancos”, sobretudo nos estabelecimentos de restauração e comércio, as quais “são muito significativas para a economia local” e este ano não se irão registar, devido ao cancelamento das festas, explicou o autarca.

Segundo João Serranito Nunes, até hoje, no concelho de Barrancos, registaram-se dois casos de pessoas infetadas pelo novo coronavírus e que já estão recuperadas.

De acordo com a comissão, a interrupção este ano das festas, “por razões de saúde pública, não terá qualquer repercussão na continuidade” das touradas de morte, que “está garantida pelos usos, costumes, tradições e, mais importante, pela lei”.

A comissão refere que chegou a equacionar, mas abandonou a hipótese de adiar a edição deste ano das festas para o outono, “tendo em conta a clareza da norma da exceção” que legaliza as touradas de morte, a qual “cita claramente” que, “como expressão de cultura popular”, decorrem “nos dias em que o evento histórico se realize, ou seja, entre 28 e 31 de agosto”.

VEJA AINDA:

MIRANDA DO DOURO: MULHER SEPTUAGENÁRIA MORREU VÍTIMA DE ATROPELAMENTO

Lusa

COVID-19: CIENTISTAS INGLESES DESDRAMATIZAM VARIANTE ÓMICRON

Lusa

COVID-19: NOVA VARIANTE PODE REDUZIR SIGNIFICATIVAMENTE EFICÁCIA DAS VACINAS

Lusa

TONDELA: TRIBUNAL CONDENA PRESIDENTE DE CÂMARA A PERDA DE MANDATO E PRISÃO EM PENA SUSPENSA

Lusa

PANDEMIA: O COVID-19 JÁ MATOU 5,2 MILHÕES DE PESSOAS POR TODO O MUNDO

Lusa

AULAS SUSPENSAS NO INÍCIO DE JANEIRO MAS MANTÊM-SE EXAMES DO ENSINO SUPERIOR

Lusa

Moschee Teppich

Moschee teppiche werden nicht kurzfristig gewechselt, d.h. das ein Moschee teppich sehr hohe Anforderungen erfüllen muβ. Speziell entworfene Moschee Teppiche zeichnen sich durch Design und Farben aus. Mit der Weiterentwicklung der Technologie werden heute Tausende von Farben und Modellen in Teppichen hergestellt, die mit Moscheen kompatibel sind.

100% Reine Schurwollteppich kaufen: Schurwollteppiche sind Schwerentflammbar, Robust, Strapazierfahig, Antibakteriel und Schmuzabweisend.

Canlı Maç Sonuçları Run 3 Play Snake Friv Atari Breakout cookie clicker unblocked games Düğün Paketleri uygunsigara.com/ Umzug Basel
saç ekimi hair transplant
Umzug Basel
seslendirme santral anons santral seslendirme