RÁDIO REGIONAL
NACIONAL

CAVACO SILVA: “BE E PCP SÃO MÁ INFLUÊNCIA”

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Cavaco acusa BE e PCP de “influência negativa” na governação. Ex-Presidente da República recorda um dos seus últimos vetos políticos: a revogação aprovada a 18 de dezembro de 2015 às alterações à lei da interrupção voluntária da gravidez votadas por PSD e CDS-PP.

O ex-Presidente da República Cavaco Silva acusa BE e PCP de exercerem uma “influência negativa” na governação do país, com o executivo socialista a depender, “para a sua sobrevivência política”, do apoio destes partidos.

No livro “Quinta-feira e outros dias”, que chegou hoje às livrarias e será apresentado ao final da tarde pelo antigo chefe de Estado, Cavaco Silva centra-se na coabitação entre 2006 e 2011 com o então primeiro-ministro socialista José Sócrates.

Contudo, no 13.º capítulo, sobre “a interrupção voluntária da gravidez”, o ex-Presidente da República fala brevemente do atual Governo, liderado pelo socialista António Costa, que tem o apoio parlamentar de BE, PCP e PEV, recordando um dos seus últimos vetos políticos: a revogação aprovada a 18 de dezembro de 2015 às alterações à lei da interrupção voluntária da gravidez votadas por PSD e CDS-PP antes do verão.

Com as alterações então introduzidas, lembra o antigo Presidente, reforçavam-se os direitos de informação das mulheres, estabelecia-se a obrigatoriedade de acompanhamento psicológico e revogava-se a norma que impedia os médicos de invocar objeção de consciência, indo assim ao encontro das “preocupações” que Cavaco Silva tinha manifestado em 2007, quando promulgou a lei sobre a despenalização do aborto.

A lei, aprovada por PSD e CDS-PP ,”veio a ser alvo da falta de bom senso e do afã revisionista da coligação parlamentar formada pelo PS, pelo BE, pelo PCP e pelo partido ecologista ‘Os Verdes'”, escreve Cavaco Silva.

A revogação das alterações, continua o antigo chefe de Estado, foi feita “de modo apressado e irrefletido”, sem que tivesse ocorrido debate público, uma adequada ponderação dos interesses em causa ou qualquer auscultação de entidades ou personalidades de referência.

Por considerar que a revogação das alterações representava um “claro retrocesso na defesa dos diversos valores” e em “defesa do interesse nacional”, Cavaco Silva vetou a “lei revogatória”.

Era um caso típico em que o Presidente da República não podia ter qualquer dúvida em enfrentar a maioria parlamentar, mesmo que, por radicalismo ideológico, esta se revelasse obstinada, e confirmasse a lei – como veio, de facto a verificar-se”, refere.

Cavaco Silva estabelece mesmo uma comparação entre o “sentido de equilíbrio” demonstrado em 2007 por José Sócrates, na sequência da vitória do “sim” no referendo, e a atitude da maioria que aprovou oito anos depois a revogação das alterações introduzidas meses antes.

O PS e o seu líder tinham então demonstrado um sentido de equilíbrio que estivera ausente na reversão aprovada pelo parlamento em dezembro de 2015. A explicação, concluo, deve residir no facto de, em 2007, o Governo do PS não depender, para a sua sobrevivência política, dos apoios do BE e do PCP e da influência negativa que estes partidos passaram a exercer na governação do país”, lê-se no final do capítulo reservado à interrupção voluntária da gravidez.

Mais à frente, no capítulo intitulado “a última quinta-feira”, no qual relata a última reunião semanal que teve com José Sócrates, a 16 de junho de 2011, volta às críticas aos comunistas e bloquistas.

Não obstante muitas críticas e acusações ao antigo primeiro-ministro, nomeadamente de lhe ter mentido, Cavaco Silva reconhece o facto de José Sócrates nunca se ter deixado “capturar” pelo PCP ou pelo BE.

Sempre o vi bem consciente de que o caminho defendido por estes partidos seria desastroso para Portugal e para os portugueses. O caminho leninista que querem implementar só tem gerado miséria e totalitarismo”, diz Cavaco, considerando que se José Sócrates “tivesse ido por aí”, a herança deixada pelos seus Governo teria sido muito pior.

“A verdade é que não existe na Europa, nem tão pouco no mundo, qualquer país que seja desenvolvido e que registe um caminho de sucesso tendo partidos da extrema-esquerda a determinar a condução da política económica”, acrescenta.

Nos parágrafos finais do livro, com perto de 600 páginas, Cavaco Silva volta a falar do Governo liderado por António Costa, confessando que logo no dia a seguir às eleições de 04 de outubro de 2015 teve “a perceção” que o agora primeiro-ministro, “rompendo com a tradição de 40 anos do seu partido, já estava trabalhar num entendimento de Governo com o Partido Comunista Português e o Bloco de Esquerda”.

Falando nas “grandes preocupações” que as confederações patronais, a UGT, os presidentes dos maiores bancos e economistas lhe tinham transmitido em relação à hipótese de um “Governo do PS apoiado pela extrema-esquerda”, Cavaco termina o livro remetendo para o próximo volume da obra.

Mas, essa é uma história que não faz parte deste volume”, conclui.

nbsp| RÁDIO REGIONAL
TVI

VEJA AINDA:

ANDRÉ VENTURA QUESTIONOU O GOVERNO SOBRE O IMPOSTO DAS BARRAGENS DO DOURO

Lusa

PS ESCOLHE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA COMO TEMÁTICA PRINCIPAL DA ATUAL SESSÃO LEGISLATIVA

Lusa

OS PRIMEIROS 100 DIAS DIFÍCEIS DO GOVERNO DE ANTÓNIO COSTA

Lusa

PSD QUESTIONA GOVERNO SOBRE FALHAS DO SERVIÇO POSTAL DOS CTT NO INTERIOR

Lusa

PARLAMENTO APROVA MUDANÇAS NA PROTEÇÃO DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO ‘ONLINE’

Lusa

PARLAMENTO CHUMBA LEI QUE ACABAVA COM AS ISENÇÕES FISCAIS DOS PARTIDOS POLÍTICOS

Lusa