Ligue-se a nós

ARTE & CULTURA

CINEMAS PORTUGUESES TÊM EM JULHO MELHOR MÊS DESDE COMEÇO DA PANDEMIA

Os cinemas portugueses receberam, em julho, 588.492 espectadores, um aumento face ao período homólogo de 2020, mas também face a junho, tratando-se do melhor mês desde o começo da pandemia de covid-19, revelou hoje o ICA.

Online há

em

Os cinemas portugueses receberam, em julho, 588.492 espectadores, um aumento face ao período homólogo de 2020, mas também face a junho, tratando-se do melhor mês desde o começo da pandemia de covid-19, revelou hoje o ICA.

Segundo os dados divulgados pelo Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), as salas de cinema portuguesas faturaram 3,3 milhões de euros em julho, face aos 398 mil euros registados no mesmo mês de 2020 e acima dos 2,7 milhões de euros que se verificaram em junho.

No acumulado deste ano, já foram ao cinema 1.474.709 pessoas, numa faturação total de 8,2 milhões de euros.

Por comparação com julho de 2019, pré-pandemia, nesse mês os cinemas tinham recebido 1,8 milhões de espectadores e tiveram uma receita bruta de 9,7 milhões de euros. No acumulado desse ano até julho, os cinemas já tinham ultrapassado os 45 milhões de euros de receita e os oito milhões de espectadores.

Para os dados alcançados pelos cinemas em julho deste ano contribuiu a chegada às salas do mais recente capítulo de “Velocidade Furiosa”, de Justin Lin, que, desde a estreia em 24 de junho, contou com 309.100 espectadores.

Publicidade

Também a apoiar a recuperação terá estado a estreia de “Viúva Negra”, de Cate Shortland, que contou com 105.010 pessoas desde 08 de julho, sendo os dois filmes mais vistos do ano, apesar de se terem estreado entre o fim de junho e o começo de julho.

O terceiro filme mais visto de julho, que é já a obra portuguesa mais concorrida do ano, foi “Bem Bom”, de Patrícia Sequeira, que alcançou os 53.022 espectadores. “Bem Bom”, sobre as Doce, é o sétimo filme mais visto do ano em Portugal, atrás de “The Conjuring 3: A Obra do Diabo”, “Cruella”, “Um Lugar Silencioso 2” e “Nomadland – Sobreviver na América”.

Os dados do ICA mostram que há 141 recintos de exibição de cinema em Portugal, com 503 ecrãs e 94.078 lugares, o que revela uma descida dos 565 ecrãs e 107.396 lugares que se encontravam nos valores mensais do ICA de julho de 2019.

Publicidade
DEIXE O SEU COMENTÁRIO

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

ARTE & CULTURA

CULTURA: VENDA DE LIVROS CRESCEU 5% EM PORTUGAL – APEL

A venda de livros em Portugal cresceu em valor 5% em 2023, face a 2022, impulsionada sobretudo pelas faixas etárias mais novas e pelas redes sociais, mantendo uma tendência de crescimento registada nos dois anos anteriores, embora menos acentuada.

Online há

em

A venda de livros em Portugal cresceu em valor 5% em 2023, face a 2022, impulsionada sobretudo pelas faixas etárias mais novas e pelas redes sociais, mantendo uma tendência de crescimento registada nos dois anos anteriores, embora menos acentuada.

A Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL) divulgou hoje os principais dados do estudo conduzido pela Gfk, entidade independente que faz auditoria e contagem das vendas de livros ao longo do ano, sobre o mercado livreiro nacional.

Este crescimento de 5% do mercado livreiro indica a continuação da tendência de crescimento registada em 2022 (15%) e 2021 (16%), embora de forma menos expressiva, num “sinal claramente positivo para o setor”, que aponta para uma “resiliência” do mercado em época de retração económica.

Para o presidente da APEL, Pedro Sobral, este é ainda um “crescimento razoável”, porque quando se olha para o mercado antes da pandemia verifica-se que, por exemplo, em 2013/2014, o setor registava “um crescimento à volta de 1%, um mercado estável, quase estagnado, até porque, acima de tudo, até 2019, o livro era mais comprado para oferta do que para leitura”.

“Depois do confinamento há uma alteração de paradigma e isso acabou por se demonstrar, quer em 2021, quer em 2022, com um crescimento para dois dígitos, e que ainda transparece em 2023. Isto é, estes 5% de crescimento em valor – mesmo descontando a inflação, porque o crescimento dos preços efetuado pelos editores foi muito abaixo da taxa de inflação de 2023 -, indiciam que continuamos a fazer um caminho interessante e que a compra de livros é cada vez mais feita para consumo próprio do que para oferta”, sublinhou.

Publicidade

Questionado sobre como explica, ainda assim, esta queda de 15% para 5%, Pedro Sobral justificou com as “variáveis macro”: Em 2020 o mercado do livro perdeu cerca de 17%; em 2021 teve uma subida abrupta em que “praticamente recupera o que tinha perdido em 2020”; em 2022 o país viveu um “período franco de algum crescimento económico, essencialmente através do Índice de consumo privado, que também verteu para os livros”.

“2023 já não foi assim, as condições macro apertaram muito o rendimento disponível familiar, nomeadamente por causa do disparo das taxas de juro e da inflação”, pelo que estes 5% são sinal de “alguma resiliência”.

Na semana passada, a APEL revelou — citando igualmente dados da Gfk – que em 2023 se venderam 13,1 milhões de livros em Portugal, com um encaixe de 187,2 milhões de euros, o que significava um aumento de 7% face a 2022.

Os dados hoje indicados revelam uma “análise mais fina”, que tem apenas em conta o mercado de livros em português, apenas de edições gerais e vendidos pelos retalhistas com lojas, explicou o presidente da APEL.

Segundo o responsável, os dados por atacado, que se traduzem no aumento de 7%, incluem a Livraria Lello, que “vende bilhetes que são convertidos em livros”, os livros importados, as campanhas (números genéricos utilizados na grande distribuição para venda de saldos e a categoria de livros ligados ao apoio escolar.

Publicidade

De acordo com o levantamento hoje apresentado, este contínuo crescimento do mercado livreiro advém do aumento de livros comprados nas categorias com maior peso no mercado, nomeadamente a categoria de ficção, que cresceu 9% face a 2022, e a categoria de ficção infantojuvenil, que cresceu também 9%.

Segue-se a categoria de não-ficção, principalmente livros de turismo, com um crescimento de 8%, e das áreas de vida prática, lazer e atualidades, com um crescimento de 4%.

Uma análise feita pela APEL permitiu constatar “que o mercado continua a crescer pela compra efetuada nas faixas etárias mais novas, nomeadamente na categoria de ficção, onde os livros que mais venderam são quase todos fenómenos alavancados nas e pelas redes sociais como, por exemplo, o TikTok”.

No entanto, a APEL salvaguarda que não teve acesso a dados de venda em portais ‘e-commerce’ e outras redes de venda, como redes sociais ou clubes de leitura, por exemplo.

O crescimento nas faixas etárias mais jovens deve-se também às vendas na categoria de BD/Manga que, apesar de um peso pequeno no mercado, passou de um valor de cerca de 2% em 2019 para 5% em 2023.

Publicidade

No caso da categoria do livro infantil o crescimento foi de 15%, o que se deve a uma “tendência notória” de “maior preocupação dos pais, cuidadores e educadores em comprar livros como parte integrante do processo de crescimento e de educação e formação da criança”.

“Estes dados permitem-nos inferir qualitativamente que estão a ser formadas novas gerações de leitores e de compradores de livros para consumo próprio. Prevê-se que o mercado continue a apresentar uma taxa de crescimento positivo fruto desta nova vaga de leitores”, afirmou Pedro Sobral.

A APEL destaca ainda o crescimento do canal de livrarias face ao canal de grande distribuição, que vem confirmar uma perda contínua de valor ao longo dos anos.

“Registaram-se, de facto, maiores vendas no canal livreiro face à grande distribuição, local de excelência do livro e para quem tem o hábito regular da leitura e da compra de livros”, refere o responsável.

Para a APEL, esta é a “altura ideal para resolver as fragilidades que ainda imperam no setor”, quer através do cheque-livro, quer pela “reforma da Lei do Preço Fixo para potenciar esta preferência pelas livrarias, possibilitando a sobrevivência de mais livrarias pelo país e de mais projetos livreiros capazes de minorar a dificuldade de acesso ao livro em muitas zonas do país”.

Publicidade

Outra questão que a APEL considera imperativa é a “existência de orçamentos capazes e robustos para aquisição de livros quer para as bibliotecas municipais e locais, como para as bibliotecas escolares”.

LER MAIS

ARTE & CULTURA

CINEMA: “OPPENHEIMER” É O MAIS NOMEADO PARA OS ÓSCARES

O filme “Oppenheimer”, de Christopher Nolan, é o mais nomeado para os Óscares, os prémios norte-americanos de cinema, numa edição em que a curta-metragem portuguesa de Ary Zara ficou de fora das nomeações.

Online há

em

O filme “Oppenheimer”, de Christopher Nolan, é o mais nomeado para os Óscares, os prémios norte-americanos de cinema, numa edição em que a curta-metragem portuguesa de Ary Zara ficou de fora das nomeações.

Segundo a lista de candidatos à 96.ª edição dos Óscares divulgada hoje, o filme sobre o físico norte-americano J. Robert Oppenheimer, um dos criadores da bomba atómica, soma 13 nomeações, incluindo para Melhor Ator, para Cillian Murphy, Melhor Filme, Realização e Direção de Fotografia.

Além de Cillian Murphy, também Robert Downey Jr. e Emily Blunt estão indicados em papéis secundários.

O filme “Um caroço de abacate”, de Ary Zara, chegou a estar entre os finalistas, na categoria de Melhor Curta-Metragem, mas acabou por não chegar às nomeações finais.

“Barbie”, de Greta Gerwig, que se perfilava também como favorito aos Óscares, soma oito nomeações, nomeadamente para Ryan Gosling e America Ferrara na representação em papéis secundários, e com duas canções nomeadas, mas tanto a realizadora como a protagonista, Margot Robbie, ficaram de fora.

Publicidade

Com 11 nomeações surge “Pobres Criaturas”, do realizador grego Yorgos Lanthimos, e com dez nomeações “Assassinos da Lua das Flores”, de Martin Scorsese, com este cineasta a estar nomeado pela décima vez para o Óscar de Melhor Realização.

De “Pobres Criaturas”, destaque para a nomeação de Emma Stone como Atriz Principal, e como coprodutora do filme, e para a inclusão do filme na categoria de Melhor Banda Sonora Original, composta por Jerskin Fendrix e que inclui um fado cantado pela portuguesa Carminho.

Sobre “Assassinos da Lua das Flores” há ainda a destacar que Lily Gladstone, protagonista do filme, é a primeira pessoa nativa norte-americana a estar nomeada para os Óscares, na categoria de Melhor Atriz Principal.

Para o Óscar de Melhor Realização há apenas uma mulher nomeada — a francesa Justine Triet pelo filme “Anatomia de uma queda” — a quem se juntam Martin Scorsese, Christopher Nolan, Yorgos Lanthimos e Jonathan Glazer (por “A zona de interesse”).

Para o Óscar de Melhor Filme surgem três obras realizadas por mulheres: “Anatomia de uma queda”, “Barbie” e “Vidas Passadas” (de Celine Song), contando ainda com “Os Excluídos”, “Assassinos da Lua das Flores”, “Maestro”, “Oppenheimer”, “American Fiction”, “Pobres Criaturas” e “A zona de interesse”.

Publicidade

Para Melhor Filme Internacional foram selecionados “A sociedade da neve”, de J.A. Bayona (Espanha), “A zona de interesse”, de Jonathan Glazer (Reino Unido), “A sala de professores”, de Ilker Çatak (Alemanha), “Eu Capitão”, de Matteo Garrone (Itália), e “Dias perfeitos”, do realizador alemão Wim Wenders, candidato pelo Japão.

Destaque ainda para a categoria de Melhor Longa-Metragem de Animação, na qual figuram “O rapaz e a garça”, de Hayao Miyazaki, “Nimona”, de Nick Bruno e Troy Quane, “Elemental”, de Peter Sohn, “Robot Dreams”, de Pablo Berger, e “Homem-Aranha: Através do Aranhaverso”, correalizado pelo português radicado nos Estados Unidos Joaquim dos Santos, com Kemp Powers e Justin K. Thompson.

O filme “20 days in Mariupol”, do jornalista Mstyslav Chernov, que relata o cerco a esta cidade ucraniana durante a invasão militar russa, está na categoria de Melhor Documentário, o que representa a primeira nomeação aos Óscares para a agência noticiosa Associated Press em 178 anos de história.

A 96.ª edição dos Óscares está marcada para 10 de março de 2024 em Los Angeles, nos Estados Unidos da América.

Publicidade
LER MAIS

MAIS LIDAS