INTERNACIONAL

COVID-19: AGÊNCIA EUROPEIA DO MEDICAMENTO APROVA VACINA DA MODERNA

A Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu hoje “luz verde” à utilização da vacina da farmacêutica Moderna contra a covid-19 na União Europeia (UE), a segunda aprovada pelo regulador europeu.

Em comunicado, o regulador europeu indica que “recomendou a concessão de uma autorização condicional de comercialização da vacina covid-19 Moderna para prevenir a doença do coronavírus 2019 em pessoas a partir dos 18 anos de idade”.

Esta aprovação surge depois de o comité de medicamentos para uso humano da EMA (CHMP) ter “avaliado exaustivamente os dados sobre a qualidade, segurança e eficácia da vacina e ter recomendado por consenso a concessão de uma autorização formal condicional de comercialização pela Comissão Europeia”, adianta o regulador comunitário na nota de imprensa.

A vacina da Moderna, com uma eficácia comprovada superior a 90%, é a segunda a ter aval da EMA, após a aprovação, a 21 de dezembro de 2020, do fármaco desenvolvido pelas farmacêuticas Pfizer e BioNTech, que está a ser utilizado no espaço europeu desde 27 de dezembro.

A diretora executiva da EMA, Emer Cooke, afirma, citada pelo comunicado, que a vacina da Moderna é mais “outro instrumento para superar a atual emergência” gerada pela pandemia de covid-19.

“É uma prova dos esforços e empenho de todos os envolvidos termos esta segunda recomendação positiva de vacina, apenas um ano desde que a pandemia foi declarada pela OMS”, adianta a responsável.

Um amplo ensaio clínico promovido pela Moderna, envolvendo 30 mil pessoas, revelou que a vacina desta farmacêutica norte-americana foi eficaz na prevenção da covid-19 em pessoas com mais de 18 anos, com uma eficácia geral de 94,1% e de 90,9% nos casos graves.

Tal como a vacina da Pfizer e BioNTech, a da Moderna é administrada por duas injeções no braço separadas no tempo, tendo neste caso 28 dias de intervalo.

E à semelhança de outras vacinas, esta da Moderna para a covid-19 tem efeitos secundários ligeiros como dor e inchaço no local da injeção, cansaço, arrepios, febre, gânglios linfáticos inchados ou sensíveis debaixo do braço, dor de cabeça, dores musculares e articulares, náuseas e vómitos.

A EMA adianta no comunicado que “a segurança e eficácia da vacina continuará a ser monitorizada à medida que for sendo utilizada em toda a UE, através do sistema de farmacovigilância e de estudos adicionais realizados pela empresa e pelas autoridades europeias”.

A covid-19 já matou pelo menos 1.869.674 pessoas no mundo desde o início da pandemia em dezembro de 2019.

Mais de 86.395.630 casos de infeção foram oficialmente diagnosticados desde o início da epidemia, dos quais pelo menos 53.992.400 pessoas já foram consideradas curadas.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

VEJA AINDA:

COVID-19: ESCOLAS DE ACOLHIMENTO SERVIRAM 37 MIL REFEIÇÕES DIÁRIAS

Lusa

O OUTRO LADO DA PANDEMIA – ENTREVISTA A MARLI VITORINO (16:00)

Vítor Fernandes

COVID-19: TESTES VÃO SER ALARGADOS AOS CONTACTOS DE BAIXO RISCO

Lusa

ORDEM DOS MÉDICOS DIZ QUE ‘NÃO SE PODE DESCONFINAR JÁ’

Lusa

PORTUGAL VAI CONTINUAR ‘CONFINADO’ ATÉ MEADOS DE MARÇO DIZ MINISTRA DA SAÚDE

Lusa

COVID-19: PRIMEIRA FASE DE VACINAÇÃO PROLONGADA ATÉ ABRIL

Lusa