RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
seslendirme santral anons santral seslendirme

Moschee Teppich

Moschee teppiche werden nicht kurzfristig gewechselt, d.h. das ein Moschee teppich sehr hohe Anforderungen erfüllen muβ. Speziell entworfene Moschee Teppiche zeichnen sich durch Design und Farben aus. Mit der Weiterentwicklung der Technologie werden heute Tausende von Farben und Modellen in Teppichen hergestellt, die mit Moscheen kompatibel sind.

100% Reine Schurwollteppich kaufen: Schurwollteppiche sind Schwerentflammbar, Robust, Strapazierfahig, Antibakteriel und Schmuzabweisend.

Shell Shockers Unblocked Atari Breakout Play Snake Friv Canlı Maç Sonuçları iqoskits.com Düğün Paketleri
NACIONAL

COVID-19: VARIANTE DELTA PREDOMINANTE EM PORTUGAL CONTINENTAL DAQUI A 2 OU 3 SEMANAS

nbsp| RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL

O microbiologista João Paulo Gomes considera que, dentro de duas a três semanas, a variante delta será predominante em Portugal continental e diz que a ‘delta plus’, por enquanto, não é preocupante pois tem pequena expressão e está “relativamente controlada”.

“Não podemos dizer com precisão, mas a velocidade em termos de prevalência desta variante no nosso país (em maio era 4% e em junho 55,6%) leva-nos a crer que dentro de duas a três semanas estará em todo o país a 80% a 90%”, afirmou o especialista do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA).

Em declarações à agência Lusa no dia em que foi divulgado o mais recente relatório de situação sobre a diversidade genética do SARS-CoV-2 em Portugal, o especialista sublinha que relativamente à variante delta “há ainda uma heterogeneidade entre regiões”, o que pode alterar as previsões.

Segundo o relatório do INSA, a distribuição da variante delta varia entre 3,2% (Açores) e 94,5% (Alentejo).

O documento indica que a frequência relativa da variante delta é de 82,8% na região Centro, 76,4% em Lisboa e Vale do Tejo e 75% no Algarve. Na região Norte a variante dominante ainda é a alfa (conhecida inicialmente como variante do Reuni Unido), com 62,7%, tendo a variante delta uma expressão de 32,1%.

“Tendo em conta a tendência observada entre maio e junho, é expectável que esta variante [delta] se torne dominante em todo território nacional durante as próximas semanas”, afirmou João Paulo Gomes, referindo que nas ilhas predomina a variante alfa: “tem estado a 100% na Madeira há três meses, agora é que variou um pouco”.

O especialista diz que a variante delta “está a crescer a uma velocidade surpreendente também noutros países” e, quando questionado sobre a ‘delta plus’ diz que não é preocupante pois existe em apenas ‘alguns clusters’ relativamente controlados.

Serão, segundo o especialista, menos de 50 casos da ‘delta plus’, identificados “em contexto próprio”.

“[A delta plujs] representa uma pequena percentagem de todas as delta, o que é positivo, e mostra apenas uma expressão residual e que não se estará a disseminar”, afirmou.

O especialista do INSA disse ainda que, pelas características genéticas, sabe-se que “muitos dos casos fazem parte de cadeias de transmissão muito especificas”, o que significa que “não se trata de múltiplas introduções que originaram múltiplas cadeias de transmissão, mas são ‘clusters’ muito bem definidos”.

“Na região do Alentejo, por exemplo, há um ‘cluster’ com pouco mais de uma dezena de casos da ‘delta plus’. Está relativamente controlado. É menos preocupante do que encontrar [a variante] espalhada por múltiplos pontos do país”, disse o responsável.

VEJA AINDA:

ESPERANÇA DE VIDA À NASCENÇA EM PORTUGAL AUMENTOU PARA 81,06 ANOS

Lusa

COVID-19: ‘TASK FORCE’ APELA A DOENTES RECUPERADOS PARA SE VACINAREM

Lusa

COVID-19: GOVERNO ACABA COM RECOMENDAÇÃO DO TELETRABALHO

Lusa

COVID-19: USO DE MÁSCARAS NOS RECREIOS DAS ESCOLAS DEIXA DE SER OBRIGATÓRIO – GOVERNO

Lusa

COVID-19: CERTIFICADO DIGITAL DEIXA DE SER EXIGIDO EM RESTAURANTES E HOTÉIS

Lusa

COVID-19: HOSPITAIS DAS FORÇAS ARMADAS ACOLHERAM 1092 DOENTES

Lusa