REGIÕES

COVILHÃ: AUTARQUIA LANÇA PROJECTO PARA RECICLAGEM DE MÁSCARAS

A Câmara da Covilhã vai lançar um projeto que visa implementar novas soluções para vestuário em fim de vida e que inclui a reciclagem de máscaras a partir das escolas deste concelho do distrito de Castelo Branco.

Em comunicado enviado à agência Lusa, o município liderado por Vítor Pereira explica que o objetivo é desenvolver um sistema inovador de economia circular têxtil amigo do ambiente e que o projeto avança numa parceria com a plataforma TO-BE-GREEN.

“Trata-se de uma solução nova para o vestuário em fim de vida, permitindo o seu descarte, partilha e valorização através de lojas sociais, ‘upcycling’ e reciclagem (downcycling), incluindo o módulo ‘COVID FREE’ para o tratamento de máscaras sociais de proteção covid-19 por alunos do 2.º, 3.º ciclo e secundário das escolas do concelho da Covilhã”.

Segundo a informação, a vertente das escolas avança no próximo ano letivo com a colocação de contentores adequados à saída das escolas onde os alunos poderão entregar as suas máscaras individuais em fim de vida para posterior recolha e tratamento por parte da TO-BE-GREEN.

Os materiais têxteis serão depois convertidos em matéria-prima para outros produtos à base de fibras têxteis, no Centro de Valorização de Resíduos da Universidade do Minho.

Além disso, o município e a plataforma também vão promover uma loja social para a entrega e partilha de peças de vestuário, o que decorrerá em colaboração com as instituições particulares de solidariedade social do concelho e com outras entidades que apoiam os mais desfavorecidos.

“Com esta solução tecnológica, a proximidade às escolas e às novas gerações adotantes ou nativas digitais será muito grande, promovendo ainda mais os comportamentos sustentáveis e ‘green’ destes novos consumidores, aumentando os níveis de reciclagem e reduzindo consequentemente os encargos do município com os seus resíduos domésticos”.

Lembrando a importância da indústria da moda, a respetiva utilização de recursos naturais e os inerentes problemas ambientais, a autarquia da Covilhã, concelho onde a indústria têxtil tem forte peso e tradição, destaca que o projeto permitirá um tratamento “ambientalmente correto”.

Ressalva igualmente que a TO-BE-GREEN se prepara para pedir patente europeia do seu modelo de utilidade, visto ser uma solução inovadora no contexto internacional para o vestuário em fim de vida.

“A TO-BE-GREEN funciona como um e-marketplace de economia circular, suportada numa ‘app’ e plataforma dedicadas e orientadas para as novas gerações de consumidores (Millennials-Y e Zoomers-Z), sendo uma resposta para os problemas crescentes dos resíduos têxteis pós-consumo produzidos nos territórios. Incorpora a digitalização dos artigos em fim de vida entregues pelos utilizadores, permitindo a sua rastreabilidade, e segue a hierarquia dos resíduos que é sugerida pela União Europeia, com foco na Economia Circular têxtil”, acrescenta.

VEJA AINDA:

CRISE: QUASE METADE DOS PORTUGUESES POUPAM MENOS DEVIDO A PANDEMIA

Lusa

MORA: AUMENTOU PARA 26 OS CASOS POSITIVOS DE COVID-19

Lusa

COVID-19: PORTUGAL TEM ‘DÚVIDAS’ QUANTO À ANUNCIADA VACINA RUSSA

Lusa

LOTAÇÃO DA FESTA DO ‘AVANTE’ TERÁ QUE SER INFERIOR À CAPACIDADE TOTAL – MINISTRA

Lusa

CRISE: PORTUGAL COM MAIOR RECUO HOMÓLOGO DA UE NA PRODUÇÃO INDUSTRIAL

Lusa

COVID-19: NOVA ZELÂNDIA ORDENA CONFINAMENTO DE LARES DE IDOSOS

Lusa