REGIÕES

DOURO: MAU TEMPO CAUSA PREJUÍZOS ELEVADOS

Os técnicos da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN) vão hoje para o terreno fazer um levantamento dos prejuízos causados pelo granizo e chuva intensa nas vinhas e pomares do Douro.

O mau tempo atravessou na quinta-feira o distrito de Vila Real e chegou a Viseu, arrastando detritos para as estradas e provocando muitas ocorrências a nível de inundações e também de estragos na agricultura, como em vinhas do Região Demarcada do Douro, pomares de maçãs e hortícolas.

Fonte da DRAPN disse à agência Lusa que os técnicos vão hoje para o terreno começar a fazer o levantamento dos estragos, para se perceber a real dimensão dos prejuízos causados.

A Direção Regional alertou também os produtores para começarem imediatamente a aplicar um tratamento para ajudar a cicatrizar as videiras, nomeadamente adubo foliar com elevada percentagem de cálcio. A DRAPN salientou que o tratamento é “tanto mais eficaz quanto mais rapidamente for efetuado”.

Em Sabrosa, no distrito de Vila Real, a chuva forte chegou acompanhada de granizo, deixando um cenário nas vinhas de “bagos rachados, com a grainha à mostra, e folhas esfarrapadas”.

Quem o descreve é Celeste Marques, da adega de Sabrosa, que disse ainda à Lusa que, esta manhã, os lavradores começaram a deslocar-se à cooperativa para fazer o balanço dos estragos e a participação ao seguro colectivo.

O mau tempo afetou principalmente a corda entre a vila de Sabrosa, Vilarinho de São Romão e Celeirós, zona de produção de vinho de Porto e vinhos de mesa de denominação de origem protegida Douro.

Faz hoje precisamente um ano que este concelho foi também afectado por uma tempestade de chuva e granizo. Uma hora de “chuva torrencial”, a 7 de Julho de 2016, provocou inundações em cerca de 12 lojas e casas de habitação, uma igreja e até na câmara de Sabrosa, além de estragos em vinhas e hortas deste concelho.

Celeste Marques recordou o mau tempo do ano passado, em que a cooperativa perdeu cerca de mil pipas de vinho, e referiu que, em princípio, a dimensão dos estragos este ano “não será tão elevada”.

No entanto ressalvou que, durante o dia de hoje, os lavradores deslocar-se-ão às instalações da adega para informar dos prejuízos e, só depois, se terá a verdadeira noção dos prejuízos.

Em Celeirós, os produtores adiantam quebras na produção na “ordem dos 30%”, principalmente nas vinhas expostas a nascente.

O mau tempo afectou ainda áreas de vinha em Alijó, Santa Marta de Penaguião e Mesão Frio, no distrito de Vila Real.

Nos concelhos do Douro Sul, como Armamar e Tabuaço (Viseu), há estragos em pomares de maçãs e vinha, enquanto, em Vila Pouca de Aguiar (Vila Real) foram atingidas principalmente as hortícolas.

VEJA AINDA:

ALFÂNDEGA DA FÉ: NÃO HÁ REGISTO DE NOVOS CASOS COVID-19 NAS ESCOLAS

Lusa

VILA VIÇOSA: 14 INFETADOS COM COVID-19 NOS SERVIÇOS DA MISERICÓRDIA

Lusa

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes