EM VILA REAL NÃO HÁ ALOJAMENTO “ACESSÍVEL” A ESTUDANTES

A Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD) manifestou-se preocupada com a falta de alojamento a preços acessíveis para os estudantes em Vila Real e reivindicou soluções a médio prazo.

A Associação Académica da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (AAUTAD) manifestou-se preocupada com a falta de alojamento a preços acessíveis para os estudantes em Vila Real e reivindicou soluções a médio prazo.

A academia transmontana teve mais de 1.300 estudantes colocados na primeira fase de acesso ao ensino superior, apresentando o maior aumento a nível nacional.

No entanto, segundo salientou a AAUTAD, em comunicado, o “alojamento em Vila Real não tem vindo a cobrir as necessidades dos estudantes”.

António Vasconcelos, presidente da Associação Académica, apontou para “a dificuldade de os alunos encontrarem quartos ou casas a preços acessíveis” e referiu que “muitos acabaram por ficar em zonas que não estão cobertas pelos transportes públicos do concelho”.

Uma dificuldade que, salientou, “já foi notória no final do ano letivo anterior” e “que é, dia após dia, mais preocupante”.

“Não nos podemos esquecer que a UTAD é uma universidade com um largo número de alunos deslocados e, neste momento, não existem quaisquer políticas públicas que facilitem a criação de habitações para estudantes nem estão previstos aumento de números de camas nos alojamentos dos serviços de ação social da UTAD”, frisou.

Esta é uma das instituições, fora dos grandes centros urbanos, com maior percentagem de alunos deslocados, designadamente cerca de 70% do total e, além disso, cerca de metade do corpo estudantil é beneficiário da ação social escolar.

António Vasconcelos referiu que a AAUTAD já abordou esta problemática na última reunião do conselho geral da UTAD e está a elaborar uma carta aberta, em colaboração com os núcleos dos cursos, onde “irá verter as suas preocupação e recomendações, no sentido de mitigar esta contrariedade”.

“A AAUTAD congratula-se pelo crescimento da cidade, no entanto considera que terão de ser encontradas soluções a curto e médio prazo para acomodar os estudantes da academia transmontana, tendo em conta os transportes públicos urbanos e a acessibilidade económica”, sublinhou.

LUSA

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.