REGIÕES

BRAGANÇA: FALTA DE ALUNOS AFASTA PROFESSORES DE CASA

A falta de alunos no distrito de Bragança tem obrigado a deslocações para cada vez mais longe de casa dos professores do quadro, uma preocupação expressa esta quinta-feira por um dos sindicatos do setor ao Bloco de Esquerda (BE).

Representantes regionais do partido reuniram-se com a direção do Sindicato dos Professores do Norte (SPN) e, segundo resumiu no final da reunião, António Anes do Bloco de Esquerda “as preocupações essenciais dos professores são as colocações, são a diminuição da própria população estudantil que se tem verificado na região nos últimos anos e as deslocações que os professores têm que efetuar”.

“Uma notícia boa” entre as conclusões “é o facto de não existirem assim tantos professores precários no distrito, mas por uma notícia má que é não existirem crianças e de os professores não serem contratados porque os dos quadros chegam e sobram perfeitamente para colmatar as necessidades educativas do distrito”, como indicou outro elemento do BE, Jóni Ledo.

O número de crianças diminui e, depois do encerramento de escolas, veio a diminuição do número de turmas, o que leva a que os professores colocados fiquem com horários incompletos”.

“Ao ficarem com horários incompletos para completarem os horários têm que se sujeitar a deslocações, que leva a que tenham custos acrescidos e correram riscos na deslocação, na estrada”, acrescentou António Anes.

A descrição é relativa a professores vinculados do quadro de zona pedagógico, como observaram, “que andam de um lado para o outro com horários incompletos, com custos acrescidos, desagregação familiar”.

“São uma série de fatores que eles veem para a profissão como não sendo compensados com as progressões a que eles deviam ter direito-razão pela qual fizeram greve há pouco tempo para efetivamente descongelarem a progressão nas carreiras”,, continuou António Anes.

O representante do Bloco defende que “devia haver uma compensação: ou progressão na carreira ou monetária devido a esse desgaste que (os professores) têm no dia-a-dia.

Outra medida defendida era a redução da área do quadro de zona pedagógica para o equivalente ao distrito e não a atual “área muito largada que engloba os distritos de Bragança, Vila Real, parte da Guarda, Viseu e chega quase ao Porto”.

Mesmo sendo reduzida a abrangência dos quadros, continuaria a não haver alunos, mas para o Bloco “há outras medidas em que os professores podiam fazer um acompanhamento extracurricular para que houvesse aproveitamento maior por parte dos alunos”.

Alheio a esta realidade poderá não ser o facto de o distrito de Bragança ser o do país com maior número de professores em destacamento, ou seja que pedem colocação próximo de casa por motivo de doença.

Outra preocupação dos professores partilhada pelo sindicato é a falada descentralização dos serviços das Educação para as Câmara Municipais.

O BE vai ouvir outros representantes regionais da Educação e as conclusões destas reuniões serão transmitidas ao Grupo Parlamentar na Assembleia da República para elas sejam colocadas ao Governo.

LUSA

VEJA AINDA:

ALFÂNDEGA DA FÉ: NÃO HÁ REGISTO DE NOVOS CASOS COVID-19 NAS ESCOLAS

Lusa

VILA VIÇOSA: 14 INFETADOS COM COVID-19 NOS SERVIÇOS DA MISERICÓRDIA

Lusa

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes