REGIÕES

FOGOS: VILA REAL, SANTARÉM E CASTELO BANCO

Quinze meios aéreos foram mobilizados hoje de manhã para os incêndios nos distritos de Santarém, Vila Real e Castelo Branco, disse Patrícia Gaspar, da Protecção Civil, anunciando que foi elevado para laranja o estado de alerta.

De acordo com a adjunta nacional de operações, da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), cerca das 09:00 estavam por dominar três incêndios nos distritos de Vila Real, Santarém e Castelo, mas sem populações ou aldeias em risco.

Patrícia Gaspar adiantou também que devido às previsões de tempo quente para os próximos dias foi elevado de amarelo para laranja o alerta especial do sistema integrado de operações e protecção de socorro para incêndios florestais até sexta-feira à noite.

“Efectuámos uma série de pré-posicionamentos preventivos para conferir maior capacidade de resposta sobretudo na zona norte e centro do país (…) neste momento não há populações em risco em nenhum dos incêndios. No incêndio em Paredes, Vila Real, continuam 434 operacionais, 130 meios e já foram mobilizados quatro meios aéreos. Este incêndio já teve três frentes activas, neste momento tem uma e está a começar a ceder aos meios”, disse Patrícia Gaspar.

Segundo a responsável, seis pessoas sofreram na quarta-feira ferimentos ligeiros, cinco bombeiros e um civil e tiveram de receber assistência sobretudo devido a inalação de fumo e quedas.

“Na quarta-feira, foram também evacuadas algumas aldeias e algumas pessoas tiveram de ser retiradas para o Regimento de Infantaria 13 em Vila Real, mas algumas já estão a regressar às suas casas. Foi ainda ativado o plano municipal de emergência de protecção civil”, disse.

No que diz respeito ao incêndio na Aldeia do Mato e Souto, concelho de Abrantes, distrito de Santarém, mantém-se no local 553 operacionais, com apoio de 172 veículos, tendo sido mobilizados para o local sete meios aéreos, três Canadair, um Kamov e três helicópteros.

“Neste momento tenho alguma dificuldade em dizer o número de frentes. O incêndio está muito espraiado. Tem sido um incêndio com muito vento no local. Portanto, está activo e não se regista um reverter da situação”, indicou.

Quanto ao fogo em Pedra Figueira, Unhais da Serra, concelho da Covilhã, distrito de Castelo Branco, continua por dominar, mobilizando 157 operacionais, com o apoio de 47 veículos, quatro meios aéreos.

“O fogo de Unhais da Serra começou no dia 07 de agosto [segunda-feira], reativou a 08 [terça-feira] e ontem [quarta-feira] à noite voltou a reativar. Está numa zona com um declive muito acentuado, com muitas pedras, o que dificulta imenso o progresso dos meios no terreno. Ontem [quarta-feira] reativou devido aos ventos com rajadas de 80 quilómetros por hora”, disse.

No entender de Patrícia Gaspar, as condições atmosféricas e o terreno onde lavra o incêndio dificulta o acompanhamento da evolução do fogo.

Quanto a estradas cortas, segundo Patrícia Gaspar, no incêndio do distrito de Santarém estão cortadas as estradas Nacional 358 entre a Aldeia do Mato e Carvalhal, a Estrada Nacional 547-1 entre Paúl e Senhor da Luz, a Municipal 546 entre Carvalhal e a zona industrial de Abrantes e a Municipal 544 entre Aldeia do mato e Abrançalha.

“Em Vila Real temos fechada a Estrada Municipal 1225 Outeiro/Borbelinha. Na Covilhã não há estradas cortadas”, concluiu.

VEJA AINDA:

ALFÂNDEGA DA FÉ: NÃO HÁ REGISTO DE NOVOS CASOS COVID-19 NAS ESCOLAS

Lusa

VILA VIÇOSA: 14 INFETADOS COM COVID-19 NOS SERVIÇOS DA MISERICÓRDIA

Lusa

AVEIRO: 13 ANOS DE PRISÃO PARA HOMEM QUE MATOU A MÃE

Lusa

AÇORES: SITUAÇÃO DE CALAMIDADE PROLONGADA ATÉ 23 DE OUTUBRO

Lusa

MONTIJO: INCÊNDIO NUMA EMPRESA CAUSA DOIS FERIDOS

Lusa

ALVAIÁZERE: SETE UTENTES E DOIS FUNCIONÁRIOS DE LAR INFETADOS COM COVID-19

Vítor Fernandes