RÁDIO REGIONAL | PORTUGAL
NACIONAL

FOOTBALL LEAKS: ADVOGADO DE RUI PINTO LEMBRA INTERESSES CONTRA COMBATE À CORRUPÇÃO

O advogado Francisco Teixeira da Mota, um dos representantes de Rui Pinto no processo Football Leaks, alertou hoje para a existência de “interesses” contrários ao combate à corrupção em Portugal.

Em declarações na pausa do almoço da primeira sessão do julgamento, que decorre no Tribunal Central Criminal de Lisboa, o jurista — que conta também com o advogado William Bourdon na equipa de defesa do criador do Football Leaks – recusou comentar “processos pendentes” e lembrou que “o julgamento faz-se dentro da sala” de tribunal.

No entanto, Francisco Teixeira da Mota salientou a apresentação da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção, pela ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, considerando as declarações da governante “importantes” para a luta contra a corrupção.

“Neste país, ainda há um regime que, em muitos aspetos, tem de ser alterado quanto ao combate à corrupção e quanto à justiça criminal”, afirmou o advogado de Rui Pinto, acrescentando: “Como é evidente, já houve muita gente que protestou, porque há muitos interesses que não têm interesse em que haja um combate à corrupção”.

As medidas da estratégia nacional foram apresentadas na quinta-feira em Lisboa pela ministra da Justiça, Francisca van Dunem, que realçou que a “chave do problema” para enfrentar a corrupção está na prevenção, por se entender que o sistema repressivo, por mais sofisticado que seja, é ” insuficiente para diminuir seriamente o fenómeno”.

Questionada sobre o regime de proteção dos denunciantes, em véspera de se iniciar o julgamento de Rui Pinto, criador da plataforma Football Leaks e que denunciou o caso Luanda Leaks, Francisca vab Dunem indicou que o regime está previsto no quadro da União Europeia e consta de uma diretiva que Portugal terá de transpor para o direito interno.

“Esse regime tem como pressuposto que o denunciante esteja integrado numa organização e tenha conhecimento dos factos (ilícitos) em virtude da sua atividade nessa organização e, em resultado disso, através dos canais de denúncia adequados, faça a denúncia”, precisou a ministra, referindo que, por isso, “não será propriamente essa a situação” com a qual foi confrontada na pergunta sobre a aplicabilidade daquele regime ao arguido e denunciante do Football Leaks Rui Pinto.

Rui Pinto, de 31 anos, vai responder por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, por 14 de violação de correspondência e por seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol e a Procuradoria-Geral da República, e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada. Este último crime diz respeito à Doyen e foi o que levou também à pronúncia do advogado Aníbal Pinto.

O criador do Football Leaks encontra-se em liberdade desde 07 de agosto, “devido à sua colaboração” com a Polícia Judiciária (PJ) e o seu “sentido crítico”, mas está, por questões de segurança, inserido no programa de proteção de testemunhas em local não revelado e sob proteção policial.

VEJA AINDA:

AVEIRO: NOVE CONDENADOS POR TRÁFICO DE DROGA COM ‘RECURSO’ A CRIANÇAS

Lusa

GUIMARÃES: PJ DETÉM SUSPEITO DE MÚLTIPLOS CRIMES SEXUAIS CONTRA CRIANÇAS

Lusa

MILHARES PEÇAS DE VESTUÁRIO CONTRAFEITO APREENDIDAS NA REGIÃO NORTE

Lusa

‘OPERAÇÃO TRAPOS’ DETETA ESQUEMA DE FRAUDE DE 7,5 ME EM IRC, IVA E SUBSÍDIOS

Lusa

VILA REAL: JUDICIÁRIA DETÉM HOMEM SUSPEITO DE VIOLAR MULHER DE 74 ANOS

Lusa

DESMANTELADA REDE IBÉRICA DEDICADA À PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE TABACO – GNR

Lusa