RÁDIO REGIONAL
INTERNACIONAL

GUERRA: RÚSSIA REIVINDICA A MORTE DE 19 PORTUGUESES NA UCRÂNIA

nbsp| RÁDIO REGIONAL

Quase 20 portugueses terão sido mortos pelo exército russo na Ucrânia. A informação, que ainda não foi confirmada pelas autoridades portuguesas, foi avançada pelo Ministério da Defesa russo.

No entanto, depois de a notícia ter começado a circular na imprensa internacional, o site oficial deixou de estar acessível. O Governo português está a par da situação e a averiguar o sucedido.

Os 19 portugueses mortos fazem parte de um total bastante maior. O Exército da Rússia reivindicou ter “eliminado” quase 2.000 “mercenários estrangeiros” que estariam a lutar ao lado das tropas ucranianas. Segundo o comunicado disponibilizado no site, dos cerca de 7.000 combatentes estrangeiros na Ucrânia, 68 são de Portugal e continuam no terreno.

Além do texto, o Ministério da Defesa da Rússia divulgou uma tabela com o número de combatentes estrangeiros que, desde 24 de fevereiro, chegaram à Ucrânia. De Portugal, haveria 103 combatentes, dos quais 19 foram “eliminados”, e 16 já deixaram o país. Atualmente, o número total de portugueses que a Rússia reclama estarem a combater pelo lado ucraniano é de 68.

Segundo os números do lado da Rússia, cerca de 7.000 “mercenários estrangeiros” de 64 países chegaram à Ucrânia desde o início do conflito.

“As nossas listas, de 17 de junho, incluem mercenários e especialistas em armas de um total de 64 países. Desde o início da operação militar especial, 6.956 chegaram à Ucrânia, 1.956 já foram eliminados e 1.779 saíram” do país, lê-se no comunicado que o Observador conseguiu ler, antes de o site russo ficar indisponível.

O ministério acrescenta que a Polónia é o “líder absoluto” entre os países europeus em termos de combatentes (1.831) que chegaram à Ucrânia, seguido pela Roménia e Reino Unido. Esta declaração foi acompanhada por uma tabela do número de combatentes estrangeiros, classificando-os por nacionalidades na chegada à Ucrânia e as perdas registadas, segundo o Exército russo.

Desde o início da invasão de Moscovo na Ucrânia em 24 de fevereiro, milhares de voluntários estrangeiros, principalmente europeus, viajaram para este país para ajudar as forças em Kiev. A Rússia apresenta esses combatentes como “mercenários”, um termo pejorativo que sugere que estes são motivados pelo dinheiro. Os separatistas pró-Rússia condenaram três destes combatentes à morte, dois britânicos e um marroquino.

Por seu lado, a Ucrânia e os seus aliados ocidentais sublinham que se há mercenários, estes estão do lado russo, em particular elementos do grupo Wagner, cujos integrantes foram deslocados da Síria para a Líbia, via Mali.

VEJA AINDA:

GUERRA: BIELORRÚSIA DIZ QUE EM CASO DE CONFLITO A POLÓNIA SERÁ O PRIMEIRO ALVO

Lusa

POLÓNIA ACUSA RÚSSIA DE PIRATEAR E DIVULGAR E-MAILS DO GOVERNO

Lusa

HACKERS RUSSOS PUBLICAM LISTA DE ALEGADOS ESPIÕES UCRÂNIANOS

Lusa

NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS PELA FOME AUMENTA 150 MILHÕES DURANTE A PANDEMIA

Lusa

GD CHAVES: NÉLSON MONTE REGRESSA DA UCRÂNIA E ASSINA PELOS TRANSMONTANOS

Lusa

UCRÂNIA: PORTUGAL VAI RECONSTRUIR ESCOLAS NA REGIÃO DE JITOMIR

Lusa