Ligue-se a nós

REGIÕES

MAIA: MINISTÉRIO DO TRABALHO DESCONHECE AS INTENÇÕES DA ADIDAS

Os serviços do Ministério do Trabalho estão a averiguar o anunciado despedimento coletivo de 300 trabalhadores pela Adidas em Portugal, mas desconhecem qualquer intenção oficial da multinacional alemã, disse esta quarta-feira a ministra Ana Mendes Godinho.

Online há

em

Os serviços do Ministério do Trabalho estão a averiguar o anunciado despedimento coletivo de 300 trabalhadores pela Adidas em Portugal, mas desconhecem qualquer intenção oficial da multinacional alemã, disse esta quarta-feira a ministra Ana Mendes Godinho.

“O que estamos a fazer é, no âmbito do trabalho do Ministério do Trabalho, a desencadear todos os processos necessários para garantir a salvaguarda dos trabalhadores, é sempre esse o nosso compromisso. Naturalmente, também desenvolvendo aqui os contactos com a empresa, uma vez que formalmente não deu entrada nenhum processo de despedimento”, disse a ministra do Trabalho, em declarações aos jornalistas, na Praia, à margem de uma visita que está a realizar a Cabo Verde.

“Em Portugal, como é óbvio, não pode haver qualquer tipo de despedimento sem que sejam seguidos os procedimentos legais. E, portanto, isso tem que ser tudo garantido e salvaguardadas todas as situações”, acrescentou.

Ana Mendes Godinho insistiu que até ao momento “não houve qualquer comunicação formal sobre o despedimento” na Adidas na Maia.

“Portanto, os serviços do ministério estão neste momento a desencadear todos os seus processos para ter toda a informação sobre o que poderá estar a ser desencadeado por parte da empresa”, afirmou.

Na segunda-feira foi denunciado o despedimento de 300 colaboradores da Global Business Services Porto – GBS Porto, situada desde 2009 no Parque de Ciência e Tecnologia da Maia (TecMaia), no distrito do Porto, devido a “mudanças na estrutura organizacional” da empresa, que vai deslocar serviços para fora de Portugal.

“Como digo e reitero, qualquer empresa que faça um despedimento coletivo em Portugal tem que seguir processos, tem que ser salvaguardada a situação dos trabalhadores e isso podem ter a certeza que será a nossa missão e, portanto, naturalmente, agora o processo será desencadeado a partir do momento em que haja comunicação do despedimento”, acrescentou a ministra, rejeitando mais considerações sobre a situação.

“Não vale a pena estarmos a especular sobre uma situação sem que a situação seja devidamente averiguada. E é isso que está a ser feito pelos vários organismos do Ministério que têm competência para o efeito”, disse ainda.

Um grupo de deputados socialistas questionou esta quarta-feira os ministros da Economia e do Trabalho sobre a forma como o Governo está a acompanhar o processo de despedimento coletivo numa subsidiária da Adidas, na Maia, distrito do Porto.

Numa nota divulgada pela bancada do PS, refere-se que este requerimento formal dirigido aos ministros António Costa Silva e Ana Mendes Godinho partiu dos deputados socialistas eleitos pelo círculo eleitoral do Porto, tendo como primeiros subscritores o secretário-geral adjunto do partido, João Torres, e o deputado Carlos Brás.

Estes deputados do PS, em linhas gerais, pretendem esclarecimentos do Governo sobre o “despedimento coletivo de 300 trabalhadores da Global Business Services Porto — GBS Porto, questionando se tem conhecimento da reestruturação da operação nacional da subsidiária da Adidas sediada na Maia”.

“Considerando as informações divulgadas pela empresa de que o Porto continuará a desempenhar um papel importante na sua operação, tem o Governo conhecimento dos planos da Adidas para esse efeito”, pergunta-se no requerimento.

O mesmo grupo de deputados do PS pretende também apurar se o executivo tem “medidas e/ou programas nos quais possam ser eventualmente enquadrados os trabalhadores afetados por esse despedimento coletivo”.

No requerimento, os deputados do PS começam por aludir à atual conjuntura internacional, “marcada por fortes flutuações nas cadeias logísticas, agravada pela guerra na Ucrânia e pelo fenómeno inflacionário”, o que coloca “desafios acrescidos às empresas”.

No entanto, estes deputados do PS salientam a seguir que “as alterações significativas anunciadas” nessa empresa da Maia “têm um profundo impacto na vida de centenas de trabalhadores, assim como na economia local e regional”.

Os deputados do PS referem que, apesar do contexto adverso, “não ignoram o esforço que o Governo tem desenvolvido com o objetivo de manter e reforçar as condições de atratividade do país no que concerne ao investimento estrangeiro e à fixação de empresas internacionais”.

“Do mesmo modo, os signatários compreendem as dificuldades acrescidas que uma decisão desta natureza — e com esta magnitude — representa para os trabalhadores, a quem, desde logo, expressam a sua solidariedade e a sua total disponibilidade para acompanhar o processo em curso”, frisam logo depois os deputados do PS.

Este requerimento foi também subscrito pelos vice-presidentes do Grupo Parlamentar do PS Carlos Pereira e Francisco César, assim como pelos deputados coordenadores nas comissões de Economia e da Segurança Social e Trabalho, Hugo Costa e Tiago Barbosa Ribeiro, respetivamente.

REGIÕES

ABRANTES: INVESTIMENTO DE 19 MILHÕES PARA NOVA CENTRAL FOTOVOLTAICA

A Hyperion Renewables vai investir cerca de 19 milhões de euros na instalação de uma central fotovoltaica em Abrantes (Santarém), equipamento que terá uma capacidade instalada de 18 Megawatts (MW) e produzirá mais de 50 GWh/ano.

Online há

em

A Hyperion Renewables vai investir cerca de 19 milhões de euros na instalação de uma central fotovoltaica em Abrantes (Santarém), equipamento que terá uma capacidade instalada de 18 Megawatts (MW) e produzirá mais de 50 GWh/ano.

Em comunicado, a Hyperion, empresa portuguesa ligada ao desenvolvimento de projetos de energias renováveis, indica ter iniciado a “construção da nova central fotovoltaica de Abrantes”, num projeto que “vai produzir o equivalente ao consumo médio anual de 15.000 habitações” e “promover o envolvimento comunitário”.

A central, que ficará instalada em 53 hectares de terreno na aldeia de Arreciadas, na União de Freguesias de São Miguel do Rio Torto e Rossio ao Sul do Tejo, vai ser composta por 35 mil painéis solares.

Num comunicado divulgado hoje, a empresa indica que as obras iniciaram-se em março, com a limpeza e vedação do terreno, estando previsto que a central fotovoltaica possa entrar em operação no início de 2025.

Segundo os promotores, “o município de Abrantes terá direito a compensações a serem pagas pelo Estado Português, através do Fundo Ambiental, num valor total de mais de 270 mil euros, valor calculado em função da produção da energia” a partir da central, que terá o seu ponto de injeção à rede na subestação de Olho de Boi, em Alferrarede.

A Hyperion, com sede em Lisboa, indica ainda que “pretende promover iniciativas de envolvimento das comunidades locais”, tendo “proposto um conjunto de possíveis propostas”.

“Em colaboração com o município, decidir-se-á quais as iniciativas que terão maior impacto positivo junto das comunidades e que irão para a frente”, refere a empresa.

A Hyperion Renewables, fundada em 2006, indica ainda na nota que tem investimentos em Espanha e projetos para a Roménia, estando a construir 17 parques fotovoltaicos na zona Centro do país, num investimento global de 105 milhões de euros, que vai gerar uma capacidade de produção de 150 MW de energia fotovoltaica em Portugal.

LER MAIS

REGIÕES

VILA NOVA DE GAIA: SUSPEITAS DE MAUS TRATOS EM LAR DE IDOSOS “ILEGAL”

Um lar de idosos, sem licença de utilização, em Vila Nova de Gaia, foi hoje alvo de buscas, sendo suspeito de crimes de maus-tratos contra idosos, revelou o Ministério Público (MP).

Online há

em

Um lar de idosos, sem licença de utilização, em Vila Nova de Gaia, foi hoje alvo de buscas, sendo suspeito de crimes de maus-tratos contra idosos, revelou o Ministério Público (MP).

Na nota publicada no ‘site’ do MP, lê-se que foram feitas “buscas numa residência de acolhimento de idosos, sem licença de utilização, localizada na zona de Vila Nova de Gaia, tendo o acesso a um ‘anexo’ sido negado às inspetoras da Unidade de Fiscalização Norte da Segurança Social”.

“O processo teve origem em denúncia anónima e os factos são suscetíveis de constituir crimes de maus tratos contra idosos”, adianta a publicação.

Acrescenta o MP que estas buscas são realizadas pela PSP, com a participação de médicos do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses e de elementos do Instituto da Segurança Social.

O inquérito é dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal e está sujeito a segredo de justiça, conclui a publicação.

LER MAIS
Subscrever Canal WhatsApp
RÁDIO ONLINE
ASSOCIAÇÃO SALVADOR, HÁ 20 ANOS A TIRAR SONHOS DO PAPEL

LINHA CANCRO
DESPORTO DIRETO

RÁDIO REGIONAL NACIONAL: SD | HD



RÁDIO REGIONAL VILA REAL


RÁDIO REGIONAL CHAVES


RÁDIO REGIONAL BRAGANÇA


RÁDIO REGIONAL MIRANDELA


MUSICBOX

WEBRADIO 100% PORTUGAL


WEBRADIO 100% POPULAR


WEBRADIO 100% LOVE SONGS


WEBRADIO 100% BRASIL


WEBRADIO 100% OLDIES


WEBRADIO 100% ROCK


WEBRADIO 100% DANCE


WEBRADIO 100% INSPIRATION

KEYWORDS

FABIO NEURAL @ ENCODING


NARCÓTICOS ANÓNIMOS
PAGAMENTO PONTUAL


MAIS LIDAS